Ciências Humanas>>>

Quer ser aprovado no vestibular? Obter sucesso no ENEM? VOCÊ ESTÁ NO LUGAR CERTO! Venha conhecer o espaço virtual construído para você!

A concentração é o principal elemento para ser efetivo nos estudos, afinal, para quem almeja passar em concursos ou em vestibulares extremamente concorridos, precisará muito mais do que apenas sorte.
No entanto, nem sempre a concentração nos acompanha nos estudos, às vezes ficamos presos lendo e relendo alguns textos, com pensamentos vagos e distantes, sem focar no conteúdo.
Apesar da falta de concentração ser um problema, há uma solução para melhora-la nos estudos, e o melhor de tudo: é simples fazer com que ela evolua.
 Acompanhe a seguir, 7 dicas simples para melhorar sua concentração nos estudos! E que fique claro: será necessário abrir mão de algumas coisas, para manter o foco em dia.

1.    Crie um cronograma de estudos
O cronograma de estudos é fundamental para sua concentração, uma vez que quando se estuda um pouco disso ou daquilo, sem uma ordem ou sequência, o conteúdo e o entendimento não serão absorvidos.
Procure montar um cronograma para semana, de maneira que estabeleça os dias em que serão abordados as matérias e os assuntos, de uma maneira lógica.
É interessante estudar matérias que se conversem, isto é, que os assuntos estejam interligados, isso fará com que você aumente suas conexões e concentre para entender como um todo o conteúdo.

2.    Organize seu local de estudo
Escolher o local onde você realizará seus estudos, é fundamental para melhorar sua concentração e desempenho, uma vez que você deverá esquecer o mundo ao seu redor e focar na matéria.
É necessário ter em mente que em todos os lugares haverão pontos positivos e negativos que irão influenciar no seu estudo. Cabe a você escolher e manter o foco.
Bibliotecas são propicias para estudo, no entanto, perde-se tempo para chegar até ela. Já em sua casa, não se perde tempo deslocando-se, mas há distrações a todo instante.
Busque também organizar seu espaço de estudo, para que não haja elementos que tirem seu foco.

3.    Desligue distrações
A sua concentração não deve ser abalada e muito menos tentada por distrações. Tenha em mente que na hora de estudar, é estudar e pronto.
Não há espaço para desfoque. Portanto, desligue seu celular na hora dos estudos, caso estude com o auxílio do computador – videoaulas, apostilhas, pesquisas, etc – saia das redes sociais e evite distrações com conteúdos que fujam da matéria que está vendo.
Reserve um tempo do seu dia para checar suas redes sociais e relaxar com seu celular, é importante policiar-se quanto ao uso do aparelho, para compreender que há um momento específico para ele.

4.    Leia e anote!
Apenas ler não irá fixar o conteúdo na sua mente. A concentração é trabalhada quando se faz anotações sobre o que está sendo visto, deste modo você entenderá o que estudou além de manter a informação em sua mente.

5.    Fuja de digitações
Não é interessante que suas anotações sejam feitas a partir da digitação, uma vez que quando escritas a mão, há mais estímulos neurais, fazendo com que você se concentre no que está fazendo. Além disso, você se recordara com maior clareza do que anotou.

6.    Estude sozinho
O seu raciocínio é único e particular, sendo assim, irá desenvolver-se melhor estudando sozinho, para que não haja também, perca de foco.
Além disso, estudar com outras pessoas pode tirar a concentração, com assuntos externos ao conteúdo que deve ser absorvido.

7.    Descansar é importante
Por mais que você estude, passe horas lendo e fazendo anotações, haverá um momento que sua mente não conseguirá mais reter o conhecimento necessário.
É importante estabelecer os horários que você irá estudar, respeitando algumas pausas entre horas para relaxar e voltar ao foco.
Não adianta insistir em memorizar algo, se sua mente já está fadigada. Procure equilibrar os momentos para descansar o suficiente para repor as energias.
Estabeleça pelo menos um dia na semana para seu lazer e relaxamento. Isso poderá te ajudar.

Colaboração: Raiz Nativa

Quer ser aprovado no vestibular? Obter sucesso no ENEM? VOCÊ ESTÁ NO LUGAR CERTO! Venha conhecer o espaço virtual construído para você!

1. (Espm 2017) No ano de 1917, o evento artístico que mais repercutiu e mais levantou questões quanto à necessidade de uma revolução na arte e cultura brasileira, foi a nova exposi­ção da pintora Anita Malfatti, em São Paulo, no dia 12 de dezembro. A exposição mar­cava o coroamento dos anos de estudo da pintora pela Europa e Estados Unidos.
Francisco Alambert. A Semana de 1922: A Aventura Modernista no Brasil.
  
Em cartaz entre 07/02/2017 e 30/04/2017, no MAM (Museu de Arte Moderna), a mostra sobre Anita Malfatti é uma homenagem ao centenário da polêmica exposição de 1917. Dividida em três núcleos, a exposição reúne cerca de setenta obras, entre dese­nhos e pinturas, sendo que dez telas esta­vam na exposição de 1917.
guia.folha.uol.com.br/exposições/2017/02.


A obra “O Farol” traz à tona as influências aprendidas por Anita Malfatti durante o tem­po em que passou estudando na Alemanha.

Assinale a alternativa que indique correta­mente a base dessas influências: 
a) Expressionismo;    
b) Romantismo;    
c) Surrealismo;    
d) Cubismo;    
e) Impressionismo.    
  
2. (Pucpr 2016) Observe o quadro de Edvard Munch a seguir e leia o texto:
Trecho do texto As raízes do expressionismo, publicado no jornal Folha de São Paulo (Folha on-line):

“Além de colocar a Noruega no mapa artístico da Europa, a obra de Edvard Munch foi um dos marcos fundadores do Expressionismo, movimento que se caracterizou pela tentativa de passar para a tela o impacto emocional, os sentimentos e as experiências interiores do artista. O pintor não era mais apenas um mero observador das aventuras e desventuras humanas. Era parte integrante e indissociável delas. ‘Assim como Leonardo da Vinci estudou a anatomia humana e dissecou cadáveres, eu procuro dissecar a alma humana’, observou Munch.
A obra mais famosa do artista norueguês, O Grito, sintetizou os principais ingredientes do expressionismo. O cenário tenso, a distorção da forma humana que chega a beirar o caricatural, a agressividade das pinceladas, tudo colabora para compor uma atmosfera dramática, que emana desolação, tragédia e pessimismo. ‘A imagem expressionista tenta impressionar não o olho, mas penetrar, atingir profundamente quem vê’, definiu o crítico italiano Giulio Carlo Argan, autor do já clássico Arte Moderna.
A estética expressionista procurou refletir as angústias e inquietações do homem contemporâneo, um ser atônito, imerso em um mundo povoado pela dúvida, pela alienação e pela incerteza. (...)”
Disponível em: <http://mestres.folha.com.br/pintores/15/contexto_historico.html>.

A partir da análise da tela de Edvard Munch e da interpretação do texto, assinale a alternativa CORRETA.
a) A tela representa exclusivamente os conflitos individuais do autor, que era sabidamente uma pessoa com transtornos psíquicos.   
b) A tela deve ser associada aos problemas políticos e sociais da Noruega nesse período, os quais o autor desejou representar.   
c) O medo, a angústia e a aflição representados na tela são próprias do período contemporâneo, no qual a inexistência de normas sociais rígidas faz os indivíduos sentirem-se perdidos.   
d) A tela representa especificamente o contexto do final do século XIX, quando houve o crescimento dos sentimentos nacionalistas.   
e) A tela representa o medo, a aflição e as incertezas do ser humano, sentimentos próprios do período histórico contemporâneo, podendo ser associada ao desenvolvimento do individualismo.   

3. (Puccamp 2016) Para responder à questão a seguir, considere o texto abaixo.

De um modo geral, todos esses movimentos da vanguarda europeia de fins do século XIX e início do século XX estavam sob o signo da desorganização do universo artístico de sua época. A diferença é que uns, como o futurismo e o dadaísmo, queriam a destruição do passado e a negação total dos valores estéticos presentes; e outros, como o expressionismo e o cubismo, viam na destruição a possibilidade de construção de uma nova ordem superior. No fundo eram, portanto, tendências também organizadoras de uma nova estrutura política e social. 
(TELES, Gilberto Mendonça, Vanguarda europeia e modernismo
brasileiro. Rio de Janeiro: Vozes, 1972, p. 10)

Muitos artistas de vanguarda contestavam os valores que haviam marcado a chamada belle époque, período em que, na Europa,
a) a burguesia havia substituído a aristocracia no poder, rejeitando o eurocentrismo e os rituais de distinção social em prol de seu modo de vida baseado na valorização do trabalho.   
b) o clima de otimismo e a crença no progresso contínuo propiciado pelo suposto avanço da cultura e da civilização se viram abalados pela eclosão da Grande Guerra.   
c) as revoltas proletárias ameaçavam o clima de "estabilidade" do mundo burguês, despertando o pronto apoio dos artistas e intelectuais, que assumiram a causa operária e criaram um rótulo irônico – bela época − para denominar essa fase de tensões.   
d) a sociedade burguesa buscava ser mais cosmopolita e democrática, como se vê na publicidade e na art nouveau, aderindo a novos modelos de comportamento e sociabilidade inspirados pelo american way of life e os padrões de consumo de massa.   
e) a perspectiva de uma sociedade mais humana, marcada pelas luzes, pelos valores burgueses e pela noção de evolução constante havia motivado experiências sociais como a Comuna de Paris.   
  
4. (Espm 2015) Com o final da I Guerra Mundial a derrota do império alemão e a abdicação do kaiser Guilherme II, foi proclamada a República na Alemanha. Em 1919 foi promulgada a Constituição da República de Weimar.
A vida intelectual da República de Weimar foi de uma riqueza excepcional. 
(Claude Klein. Weimar)

As alternativas abaixo elencam algumas das manifestações culturais que floresceram sob a República de Weimar, uma verdadeira vanguarda. Assinale a alternativa que apresente uma manifestação cultural produzida fora do período de vigência da chamada República de Weimar:
a) nascimento do Expressionismo alemão com o filme "O Gabinete do Doutor Caligari";   
b) filmagem de "Metrópolis" de Fritz Lang;   
c) nascimento da arquitetura moderna com o movimento Bauhaus;   
d) florescimento do teatro político em que sobressaiu, entre seus autores, Bertold Brecht;   
e) filmagem de "O Triunfo da Vontade" de Leni Riefenstahl.   
  
5. (Upe 2015)  Observe os quadros a seguir:

 
Eles são parte integrante do movimento artístico, que marcou a transição do século XIX para o XX, denominado
a) cubista, graças ao tratamento da natureza mediante formas geométricas.   
b) futurista, baseando-se na velocidade e nos desenvolvimentos tecnológicos.   
c) dadaísta, por questionar o conceito de arte antes da Primeira Guerra Mundial.   
d) impressionista, por meio da exploração da forma conjunta da intensidade das cores e da sensibilidade do artista.   
e) expressionista, com o objetivo de mostrar como uma emoção é capaz de transformar nossas impressões sensoriais.   
 
Quer ser aprovado no vestibular? Obter sucesso no ENEM? VOCÊ ESTÁ NO LUGAR CERTO! Venha conhecer o espaço virtual construído para você!

1. (Enem PPL 2016) No aniversário do primeiro decênio da Marcha sobre Roma, em outubro de 1932, Mussolini irá inaugurar sua Via dell Impero; a nova Vida Sacra do Fascismo, ornada com estátuas de César, Augusto, Trajano, servirá ao culto do antigo e à glória do Império Romano e de espaço comemorativo do ufanismo italiano. Às sombras do passado recriado ergue-se a nova Roma, que pode vangloriar-se e celebrar seus imperadores e homens fortes; seus grandes poetas e apólogos como Horácio e Virgílio. 
SILVA, G. História antiga e usos do passado: um estudo de apropriações da Antiguidade sob o regime de Vichy. São Paulo: Annablume, 2007 (adaptado).

A retomada da Antiguidade clássica pela perspectiva do patrimônio cultural foi realizada com o objetivo de
a) afirmar o ideário cristão para reconquistar a grandeza perdida.   
b) utilizar os vestígios restaurados para justificar o regime político.   
c) difundir os saberes ancestrais para moralizar os costumes sociais.   
d) refazer o urbanismo clássico para favorecer a participação política.   
e) recompor a organização republicana para fortalecer a administração estatal.   
  
2. (Ueg 2013) Analise a imagem. 

Augusto de Prima Porta, esculpida por volta de 19 a.C., é uma típica escultura da Roma antiga. A diferença dessa escultura em relação às gregas do período clássico está
a) na monocromia, indicando maior austeridade dos costumes romanos em comparação com os dos gregos.   
b) na postura ereta e estática, demonstrando que as esculturas gregas retratavam o movimento dos corpos.   
c) no caráter político, já que as esculturas gregas priorizavam temas da mitologia religiosa.   
d) no uso da indumentária militar na composição da obra, uma vez que as esculturas gregas valorizavam o corpo humano.   
  
3. (Ufsm 2012) Observe as imagens:



Com base nas gravuras, reflita a respeito da Antiguidade Clássica e analise as afirmativas a seguir.

I. A Civilização Grega não sofreu influência dos egípcios nem dos povos do Oriente Médio. Sua cultura esgotou-se entre os gregos e sua originalidade foi reconhecida apenas com o Renascimento Cultural.
II. A arte do período clássico evidenciou o ideal grego de harmonia e equilíbrio, percebido tanto na representação da figura humana quanto no projeto de sociedade, a pólis.
III. A arte do período helenístico expressou uma dramaticidade que pode ser entendida como expressão das tensões do mundo grego da época: a derrocada da pólis autônoma e independente e a formação de grandes reinos.
IV. Ao conquistar e dominar as cidades gregas, o Império Romano manteve o seu projeto original (oriundo das culturas itálicas) e ignorou a cultura helênica.

Está(ão) correta(s)
a) apenas I e II.   
b) apenas II e III.   
c) apenas I, II e III.   
d) apenas III e IV.   
e) apenas IV.   
  
4. (Ufg 2008) Observe a imagem:

A pintura egípcia pode ser caracterizada como  uma arte que
a) definiu os valores passageiros e transitórios como forma de representação privilegiada.   
b) concebeu as imagens como modelo de conduta, utilizando-as em rituais profanos.   
c) adornou os palácios como forma de representação pública do poder político.   
d) valorizou a originalidade na criação artística como possibilidade de experimentação de novos estilos.   
e) elegeu os valores eternos, presentes nos monumentos funerários, como objeto de representação.   
  
5. (Unesp 2007) Observe e compare os monumentos.
O elemento comum às construções apresentadas constitui
a) um esforço de ostentação perdulária, de demonstração de hegemonia e de poder de grandes impérios unificados.   
b) uma expressão simbólica das concepções religiosas da Antiguidade, que se estenderam até os dias atuais.   
c) um aspecto da arquitetura monumental que se opõe à concepção do homem como medida de todas as coisas.   
d) um princípio arquitetônico estrutural modificado ao longo da história por concepções religiosas, políticas e artísticas.   
e) uma comprovação do predomínio dos valores estéticos sobre os religiosos, políticos e sociais.