Ciências Humanas>>>

Que ser aprovado no vestibular? Obter sucesso no ENEM? VOCÊ ESTÁ NO LUGAR CERTO! Venha conhecer o espaço virtual construído para você!
1. (Uerj 2019) Considere a ilustração abaixo, de uma célula animal com padrão diploide de seis cromossomos, ou seja, 2n = 6 em divisão celular.


A partir da ilustração, observa-se a ocorrência do seguinte processo: 
a) reposição de células mortas   
b) multiplicação celular assexuada    
c) produção de células totipotentes    
d) formação de células reprodutoras   
  
2. (IFPE 2018)  Na doença de Alzheimer, as alterações na proteína “tau” levam à desintegração dos “microtúbulos” existentes nas células do cérebro, destruindo o sistema de transporte dos neurônios, ou seja, inicialmente provoca disfunções na comunicação bioquímica entre os neurônios e, numa fase posterior, a morte destas células. Na divisão celular os “microtúbulos” são responsáveis 
a) pela organização do fuso mitótico.    
b) pela contração muscular.    
c) pela atividade de endocitose.    
d) pela atividade de exocitose.    
e) pelo estrangulamento da célula na citocinese.   
  
3. (IFBA 2018)  Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões do corpo. De todos os casos, 80% a 90% dos cânceres estão associados a fatores ambientais, tais como, cigarro, exposição excessiva ao sol e alguns vírus.
Instituto Nacional de Câncer (INCA). Disponível em http://www.inca.gov.br/conteudo_view.asp?id=322. Acesso em 7 ago. 2017.

De acordo com a parte descrita no trecho acima, “o crescimento desordenado de células”, qual seria o processo no organismo humano que pode causar tal crescimento incomum e, consequentemente, estar envolvido no desenvolvimento de câncer? Escolha a alternativa que contém a resposta correta.
a) Respiração celular   
b) Fecundação   
c) Mitose   
d) Circulação sanguínea   
e) Crossing over   
  
4. (Pucsp 2018) Células de um mamífero com número diploide de cromossomos igual a 20 foram mantidas em um meio de cultura laboratorial. Posteriormente, foi realizada a fusão citoplasmática de uma célula A, que se encontrava na fase G1 da interfase, com uma célula B, que se encontrava em prófase da mitose. Os núcleos das duas células permaneceram independentes. Imediatamente após a fusão citoplasmática o núcleo da célula A iniciou a mitose.
Neste momento, a quantidade de moléculas de DNA no núcleo A é igual a  
a) 10.    
b) 20.    
c) 40.    
d) 80.   
  
5. (Uemg 2018) No século XVII, o cientista inglês Robert Hooke dedicou-se à observação da estrutura da cortiça e constatou que ela era formada por um grande número de cavidades preenchidas com ar, as quais chamou de células. Hoje, sabemos que as células são preenchidas pelo citoplasma e mantêm seu formato devido ao citoesqueleto, que também é responsável pelos movimentos celulares, formação de pseudópodos e deslocamentos de organelas. Considerando a participação do citoesqueleto na mitose, é correto afirmar que fármacos que interferem na formação de microtúbulos, como a colchicina, interrompem a mitose em qual das seguintes fases?
a) Metáfase.    
b) Intérfase.    
c) Telófase.    
d) Citocinese.   
  
6. (Cftmg 2018)  Mitose e meiose são processos de divisão celular que, apesar de suas diferenças, podem estar relacionados à reprodução. De maneira geral, essa é a função da meiose em organismos pluricelulares, e, da mitose, em organismos unicelulares.

Dessa forma, nos organismos unicelulares, a mitose será responsável por
a) formar gametas de alta fecundidade.   
b) estimular o crescimento do organismo.   
c) gerar descendentes geneticamente iguais.    
d) produzir número equivalente de células da meiose.    
  
7. (Famerp 2018) A figura representa uma célula em uma das fases de certa divisão celular.

Supondo que essa divisão celular se concretize, gerando células-filhas, pode-se afirmar que
a) serão originadas quatro células-filhas geneticamente idênticas.   
b) cada célula-filha terá quatro cromossomos diferentes.   
c) cada célula-filha terá dois cromossomos diferentes.   
d) serão originadas duas células-filhas geneticamente idênticas.   
e) a divisão ocorreu em uma célula somática, originando duas células-filhas idênticas.   
  
8. (Fcmmg 2018) Ilustração sobre a formação dos diferentes componentes de uma colmeia.


Os processos biológicos ocorridos em em 1, 2 e 3 são denominados, respectivamente, de:
a) Gametogênese, Fertilização e Pedogênese   
b) Ovogênese, Embriogênese e Neotenia   
c) Meiose, Fecundação e Partenogênese   
d) Mitose, Fertilização e Anagênese   
  
9. (Ebmsp 2017) A divisão celular assegura a formação das células reprodutivas, o crescimento dos indivíduos da fase zigótica até a fase adulta e a substituição de células senescentes.

Sobre os processos de divisão celular e a formação de gametas, é correto afirmar:
a) Na mitose, ocorre o pareamento dos cromossomos homólogos e sua posterior separação com migração para polos opostos.    
b) A meiose I é caracterizada pelo pareamento cromossômico com a separação de cromátides irmãs.  
c) A divisão celular observada na meiose I é equacional e, na meiose II é reducional.    
d) Na espermatogênese, parte do complexo golgiense das espermátides acumula enzimas digestivas formando o acrossomo, estrutura presente na cabeça dos espermatozoides.    
e) Na ovulogênese, cada ovogônia passa pelas duas divisões meióticas, originando quatro células reprodutivas funcionais.    
  
10. (Fmp 2017) Na maioria das células eucarióticas, o sistema de controle celular ativa a progressão do ciclo celular em três principais pontos de verificação. O primeiro ponto de verificação é no final da G1,o segundo é o ponto de verificação G2/M e o terceiro é a transição entre metáfase e anáfase.
  
A figura abaixo representa o sistema de controle do ciclo celular em células eucarióticas.


No segundo ponto de verificação, o evento do ciclo celular que já está concluído é a
a) formação do fuso mitótico   
b) duplicação dos centrossomos   
c) condensação dos cromossomos   
d) desintegração do envelope celular   
e) ordenação dos cromossomos na placa equatorial   
Que ser aprovado no vestibular? Obter sucesso no ENEM? VOCÊ ESTÁ NO LUGAR CERTO! Venha conhecer o espaço virtual construído para você!

1. (Enem PPL 2017) TEXTO I

A Resolução nº 7 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) passou a disciplinar o exercício do nepotismo cruzado, isto é, a troca de parentes entre agentes para que tais parentes sejam contratados diretamente, sem concurso. Exemplificando: o desembargador A nomeia como assessor o filho do desembargador B que, em contrapartida, nomeia o filho deste como seu assessor. 
COSTA, W. S. Do nepotismo cruzado: características e pressupostos. Jusnavigandi, n. 950, 8 fev. 2006.
  
TEXTO II
No Brasil, pode-se dizer que só excepcionalmente tivemos um sistema administrativo e um corpo de funcionários puramente dedicados a interesses objetivos e fundados nesses interesses.
HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1993.
  
A administração pública no Brasil possui raízes históricas marcadas pela
a) valorização do mérito individual.   
b) punição dos desvios de conduta.   
c) distinção entre o público e o privado.    
d) prevalência das vontades particulares.   
e) obediência a um ordenamento impessoal.    
  
2. (Enem (Libras) 2017) Getúlio libertou o povo, e são 8 horas de trabalho e só. Não tinha que trabalhar dia e noite mais não. Getúlio é que fez as leis. A princesa Isabel assinou a libertação, mas quem nos libertou do jugo da escravatura, do chicote, do tronco, foi Getúlio, Getúlio Dorneles Vargas. Papai falava assim: “Meu filho. Nunca houve no mundo governo igual a esse, meu filho”. 
Relato de Cornélio Cancino, 82 anos, descendente de ex-escravos, Juiz de Fora (MG), 9 maio 1995. In: MATTOS, H.; RIOS, A. L. (Org.). Memórias do cativeiro: família, trabalho e cidadania no pós-Abolição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005 (adaptado).
  
A construção da memória apresentada no texto remete ao seguinte aspecto da referida experiência política:
a) Fortalecimento da ideologia oficial, limitada à dimensão da escola.    
b) Legitimação de coligações partidárias, vinculadas à utilização do rádio.    
c) Estabelecimento de direitos sociais, associados à propaganda do Estado.    
d) Enaltecimento do sentimento pátrio, ligado à consolidação da democracia.    
e) Desenvolvimento de serviços públicos, submetidos à direção dos coronéis.    
  
3. (Ebmsp 2018) Patrimonialismo é um modelo de administração, típico dos estados absolutistas europeus, e tinha como principal característica a não distinção entre o que era bem público e o que era bem privado. Em outras palavras, não havia distinção entre o que pertencia ao Estado e o que pertencia ao detentor do poder, no caso de Portugal, o rei Dom Manuel I. Se esse modelo estivesse vigorando, hoje, no Brasil, seria o mesmo que dizer que o presidente da república seria dono de todos os bens do Estado brasileiro: móveis, imóveis, utensílios, acessórios, enfim, tudo seria dele porque, no Estado Patrimonialista, prevalece a seguinte mentalidade: tudo o que pertence ao Estado pertence, também, ao detentor do poder.
 Disponível em: <http://www.politize.com.br/patrimonialismo-administracao-publica-brasil/>.
Acesso em: set. 2017. Adaptado.

A sobrevivência de práticas patrimonialistas na administração pública brasileira pode ser observada no 
a) nepotismo — emprego, em cargos administrativos das esferas federal, estadual ou municipal, de familiares de agentes públicos como extensão do poder pessoal desse agente empregador, sem passarem pelo crivo do concurso público.    
b) patriarcalismo — controle do governo de um estado pelo patriarca mais graduado entre as famílias da elite econômica local.    
c) clientelismo — uso do poder carismático de um agente público como forma de garantir o controle sobre projetos e programas urbanísticos de setores públicos.    
d) municipalismo — expansão do poder das lideranças locais que gerenciam as rendas públicas em parceria com os sindicatos rurais.    
e) federalismo — divisão geográfica e territorial do país, ficando cada unidade sob a liderança e controle de uma oligarquia partidária.    
  
4. (Enem (Libras) 2017) Plebiscito e referendo são consultas ao povo para decidir sobre matéria de relevância para a nação em questões de natureza constitucional, legislativa ou administrativa. A principal distinção entre eles é a de que o plebiscito é convocado previamente à criação do ato legislativo ou administrativo que trate do assunto em pauta, e o referendo é convocado posteriormente, cabendo ao povo ratificar ou rejeitar a proposta. Ambos estão previstos no art. 14 da Constituição Federal. 
Plebiscitos e referendos. Disponível em: www.tse.jus.br. Acesso em: 29 jan. 2015 (adaptado).
  
As formas de consulta popular descritas são exemplos de um tipo de prática política baseada em
a) colégio eleitoral.    
b) democracia direta.    
c) conselho comunitário.    
d) sufrágio representativo.    
e) autogestão participativa.   
  
5. (Unisc 2017) Na última década, entre os investimentos mais significativos do Governo Federal está a Educação. Dada uma série de fatores econômicos e políticos, externos e internos à Nação, o orçamento da União prevê uma redução drástica no orçamento da educação que certamente repercutirá nos dois programas mais significativos de financiamento para estudantes de Universidades privadas e comunitárias. Das alternativas abaixo, assinale aquela que contempla os dois programas aqui destacados.
a) Bolsa Família e Jovem Aprendiz.   
b) Minha Casa Minha Vida e PRONATEC.   
c) FIES e PROUNI.   
d) PETI-MT e Criança Feliz.   
e) Nenhuma das alternativas anteriores está correta.   
  
6. (Enem 2017) A grande maioria dos países ocidentais democráticos adotou o Tribunal Constitucional como mecanismo de controle dos demais poderes. A inclusão dos Tribunais no cenário político implicou alterações no cálculo para a implementação de políticas públicas. O governo, além de negociar seu plano político com o Parlamento, teve que se preocupar em não infringir a Constituição. Essa nova arquitetura institucional propiciou o desenvolvimento de um ambiente político que viabilizou a participação do Judiciário nos processos decisórios. 
CARVALHO, E. R. Revista de Sociologia e Política, nº 23. nov. 2004 (adaptado).

O texto faz referência a uma importante mudança na dinâmica de funcionamento dos Estados contemporâneos que, no caso brasileiro, teve como consequência a
a) adoção de eleições para a alta magistratura.    
b) diminuição das tensões entre os entes federativos.    
c) suspensão do principio geral dos freios e contrapesos.    
d) judicialização de questões próprias da esfera legislativa.    
e) profissionalização do quadro de funcionários da Justiça.    
  
7. (Enem PPL 2017) Em um governo que deriva sua legitimidade de eleições livres e regulares, a ativação de uma corrente comunicativa entre a sociedade política e a civil é essencial e constitutiva, não apenas inevitável. As múltiplas fontes de informação e as variadas formas de comunicação e influência que os cidadãos ativam através da mídia, movimentos sociais e partidos políticos dão o tom da representação em uma sociedade democrática. 
URBINATI, N. O que torna a representação democrática? Lua Nova, n. 67, 2006.

Esse papel exercido pelos meios de comunicação favorece uma transformação democrática em função do(a)
a) limitação dos gastos públicos.   
b) interesse de grupos corporativos.   
c) dissolução de conflitos ideológicos.    
d) fortalecimento da participação popular.    
e) autonomia dos órgãos governamentais.    
  
8. (Unioeste 2016)  Regime Político – de acordo com o Dicionário de Política organizado por Bobbio, Matteucci e Pasquino – pode ser definido como o conjunto de instituições, leis e valores que regulam a luta pelo poder em determinada sociedade. Considerando que o regime político adotado no Brasil atual é presidencialista e republicano, assinale qual das alternativas abaixo é INCORRETA.
a) O chefe de governo do Poder Executivo brasileiro (presidente) é eleito pelo voto popular.   
b) Os membros do Poder Legislativo brasileiro (deputados e senadores) são eleitos pelo voto popular.
c) Nossas eleições são livres (vários partidos concorrendo) e “limpas” (conforme as regras eleitorais).
d) Um presidente (eleito pelo povo) pode governar sem o apoio da maioria do Congresso Nacional.   
e) O Poder Legislativo pode destituir um presidente (eleito pelo povo) por discordância ideológica.   
  
9. (Uerj 2016) 
No dia 15 de março de 1985, a presidência da República no Brasil foi assumida por um civil após  anos de governos militares. Nos trinta anos posteriores, houve um conjunto de mudanças destinadas a pôr fim às práticas autoritárias até então vigentes.
A partir da análise do gráfico, a tendência observável na opinião pública resulta de uma nova conjuntura caracterizada por:
a) regularidade das eleições   
b) extinção do unipartidarismo   
c) fortalecimento do poder executivo   
d) valorização da liberdade de expressão   
  
10. (Ufu 2015) A Comissão Nacional da Verdade (CNV) foi instituída em 16 de maio de 2012 com o objetivo de trazer à tona os crimes cometidos pelo Estado brasileiro entre os anos 1946 e 1988, em especial durante a Ditadura Civil-Militar. Entre esses crimes se destacam a detenção ilegal ou arbitrária, a tortura, a execução sumária, arbitrária ou extrajudicial e, por fim, o desaparecimento forçado e ocultação de cadáver. Tal como aponta seu relatório publicado em dezembro de 2014, a CNV situou o Brasil entre as dezenas de países que

[...] criaram uma comissão da verdade para lidar com o legado de graves violações de direitos humanos. Com a significativa presença que detém no cenário internacional, o reconhecimento do Estado brasileiro de que o aperfeiçoamento da democracia não prescinde do tratamento do passado fortalece a percepção de que sobram no mundo cada vez menos espaços para a impunidade. 
Relatório da Comissão Nacional da Verdade. Disponível em http://www.cnv.gov.br/images/pdf/relatorio/volume_1_digital.pdf. Acesso em: 22 fev. 2015.

 O que justifica a criação de uma comissão com a natureza da CNV é a necessidade de:
a) Reforçar o conteúdo da lei de anistia (nº 6683/1979), que traz o perdão aos crimes políticos e conexos, dispensando das obrigações legais os que resistiram e os que torturaram.   
b) Combater a impunidade e revelar os crimes contra a humanidade para que deles não se esqueça e para que nunca mais se repitam.   
c) Reestabelecer a harmonia social a partir do perdão bilateral entre os que combateram durante a Ditadura, sem atribuir culpa ou instigar o revanchismo.   
d) Virar uma página da história brasileira, aproveitando as instituições que tiveram vigência no período da Ditadura, pois contribuíram decisivamente para aperfeiçoar nossa democracia.   



Que ser aprovado no vestibular? Obter sucesso no ENEM? VOCÊ ESTÁ NO LUGAR CERTO! Venha conhecer o espaço virtual construído para você!
1. (Fuvest 2016) Examine o gráfico.
 
O gráfico fornece elementos para afirmar:
a) A despeito de uma ligeira elevação, o tráfico negreiro em direção ao Brasil era pouco significativo nas primeiras décadas do século XIX, pois a mão de obra livre já estava em franca expansão no país.   
b) As grandes turbulências mundiais de finais do século XVIII e de começos do XIX prejudicaram a economia do Brasil, fortemente dependente do trabalho escravo, mas incapaz de obter fornecimento regular e estável dessa mão de obra.   
c) Não obstante pressões britânicas contra o tráfico negreiro em direção ao Brasil, ele se manteve alto, contribuindo para que a ordem nacional surgida com a Independência fosse escravista.   
d) Desde o final do século XVIII, criaram-se as condições para que a economia e a sociedade do Império do Brasil deixassem de ser escravistas, pois o tráfico negreiro estava estagnado.   
e) Rapidamente, o Brasil aderiu à agenda antiescravista britânica formulada no final do século XVIII, firmando tratados de diminuição e extinção do tráfico negreiro e acatando as imposições favoráveis ao trabalho livre.   
  
2. (IFBA 2016)  Neste país, que se presume constitucional e onde só deverão ter ação poderes delegados, responsáveis, acontece, por defeito do sistema, que só há um poder ativo onímodo, onipotente, perpétuo, superior à lei, e à opinião, e esse é justamente o poder sagrado, inviolável e irresponsável. (Trecho do Manifesto Republicano, publicado no Jornal A República, do Rio de Janeiro, em dezembro de 1870.) 
Disponível em: <http:/www.historiamais.com/manifesto.htm>. Acesso em 20.09.2015.

A crítica apresentada pelo Manifesto Republicano de 1870 pode ser associada:
a) ao despototismo de D. Pedro II, no desrespeito à Constituição Imperial.   
b) aos amplos e ilimitados poderes garantidos ao Imperador pelo Poder Moderador.   
c) à irresponsabilidade de D. Pedro II no trato com o dinheiro e com as finanças públicas.   
d) ao estado de corrupção e fraudes que envolvia D. Pedro II e grande parte de seus assessores.   
e) aos prejuízos econômicos do país nas negociatas que D. Pedro II realizou com a Inglaterra.   
  
3. (IFBA 2016)  Os negros livres e libertos preocuparam os observadores do acaso do Império português no Brasil, mas foi, sobretudo, pensando nos escravos que eles distinguiram a atuação de um “partido negro”. Um anônimo informante da Coroa portuguesa escreveria numa data entre 1822 e 1823: (...) embora havendo no Brasil aparentemente só dois partidos [portugueses e brasileiros], existe também um terceiro: o partido dos negros e das pessoas de cor, que é o mais perigoso, pois se trata do mais forte numericamente falando. Tal partido vê com prazer e com esperanças criminosas as dissensões existentes entre os brancos, os quais dia a dia têm seus números reduzidos”. 
Fonte: REIS, João José. O Jogo Duro do Dois de Julho: o “Partido Negro” da Independência da Bahia. In: REIS, João José & SILVA, Eduardo. Negociação e Conflito. A resistência negra no Brasil escravista. São Paulo: Companhia das Letras, 1989. p. 79-98.

A denúncia da existência de um perigoso “partido negro”, no contexto da luta pela independência na Bahia, pode ser explicada pela:
a) ameaça dos negros, escravizados e libertos, de se revoltarem contra os brancos e lutarem pela continuidade do domínio lusitano sobre a colônia.   
b) existência de uma organização partidária de negros livres e escravizados, que regulava ações conjugadas em toda a colônia pela extinção do trabalho escravo.   
c) participação de grande número de escravizados e negros livres na guerra de independência do Brasil, que poderia evoluir para uma luta contra o regime de escravidão.   
d) Ameaça de união entre as organizações antiescravistas brasileiras e os grupos revolucionários que estabeleceram uma República de negros no Haiti, no final do século XVIII.   
e) aliança firmada entre os negros libertos e os portugueses contra os proprietários de terras brasileiros, que poderia resultar num decreto do governo lusitano extinguindo o trabalho escravo na colônia.    

4. (Fuvest 2015)  Considerando-se o intervalo entre o contexto em que transcorre o enredo da obra Memórias de um sargento de milícias, de Manuel Antônio de Almeida, e a época de sua publicação, é correto afirmar que a esse período corresponde o processo de 
a) reforma e crise do Império Português na América.    
b) triunfo de uma consciência nativista e nacionalista na colônia.    
c) Independência do Brasil e formação de seu Estado nacional.    
d) consolidação do Estado nacional e de crise do regime monárquico brasileiro.    
e) Proclamação da República e instauração da Primeira República.   
  
5. (Unicamp 2015)  Um elemento importante nos anos de 1820 e 1830 foi o desejo de autonomia literária, tornado mais vivo depois da Independência. (…) O Romantismo apareceu aos poucos como caminho favorável à expressão própria da nação recém-fundada, pois fornecia concepções e modelos que permitiam afirmar o particularismo, e portanto a identidade, em oposição à Metrópole (…). 
CANDIDO, Antonio. O Romantismo no Brasil. São Paulo: Humanitas, 2004, p. 19.

Tendo em vista o movimento literário mencionado no trecho acima, e seu alcance na história do período, é correto afirmar que
a) o nacionalismo foi impulsionado na literatura com a vinda da família real, em 1808, quando houve a introdução da imprensa no Rio de Janeiro e os primeiros livros circularam no país.   
b) o indianismo ocupou um lugar de destaque na afirmação das identidades locais, expressando um viés decadentista e cético quanto à civilização nos trópicos.    
c) os autores românticos foram importantes no período por produzirem uma literatura que expressava aspectos da natureza, da história e das sociedades locais.   
d) a população nativa foi considerada a mais original dentro do Romantismo e, graças à atuação dos literatos, os indígenas passaram a ter direitos políticos que eram vetados aos negros.   

6. (Fuvest 2015) 

Tornando da malograda espera do tigre, 1alcançou o capanga um casal de velhinhos, 2que seguiam diante dele o mesmo caminho, e conversavam acerca de seus negócios particulares. Das poucas palavras que apanhara, percebeu Jão Fera 3que destinavam eles uns cinquenta mil-réis, tudo quanto possuíam, à compra de mantimentos, a fim de fazer um moquirão*, com que pretendiam abrir uma boa roça.
            - Mas chegará, homem? perguntou a velha.
            - Há de se espichar bem, mulher!
            Uma voz os interrompeu:
            - Por este preço dou eu conta da roça!
            - Ah! É nhô Jão!
            Conheciam os velhinhos o capanga, a quem tinham por homem de palavra, e de fazer o que prometia. Aceitaram sem mais hesitação; e foram mostrar o lugar que estava destinado para o roçado.
            Acompanhou-os Jão Fera; porém, 4mal seus olhos descobriram entre os utensílios a enxada, a qual ele esquecera um momento no afã de ganhar a soma precisa, que sem mais deu costas ao par de velhinhos e foi-se deixando-os embasbacados. 
ALENCAR, José de. Til.

* moquirão = mutirão (mobilização coletiva para auxílio mútuo, de caráter gratuito).  

Considerada no contexto histórico-social figurado no romance Til, a brusca reação de Jão Fera, narrada no final do excerto, explica-se 
a) pela ambição ou ganância que, no período, caracterizava os homens livres não proprietários.    
b) por sua condição de membro da Guarda Nacional, que lhe interditava o trabalho na lavoura.    
c) pela indolência atribuída ao indígena, da qual era herdeiro o “bugre”.    
d) pelo estigma que a escravidão fazia recair sobre o trabalho braçal.    
e) pela ojeriza ao labor agrícola, inerente a sua condição de homem letrado.    
  
7. (Uepa 2015)  Leia o texto para responder à questão. 

(...) Sendo, pois chegada a época de ver o Brasil a justiça da sua Causa de acordo com os interesses e as vistas de Inglaterra não cessarei de lembrar a V. Sra. quanto importa aproveitar tão felizes circunstâncias; elas são tão favoráveis que sendo manejadas com aptidão e habilidade de V. Sra. darão em resultado o reconhecimento pronto e formal deste Império pela Inglaterra, sem talvez haver precisão de o fazer dependente de condições algumas; pois bem longe de estarmos agora em circunstâncias de propor e pedir, mui pelo contrário, a própria Inglaterra sentirá por si mesma a necessidade de reconhecer a nossa independência e contrabalançar a influência do Governo [francês], que ora domina os conselhos de Madrid e de Lisboa ...” 
(Arquivo da Independência, vol. I, p. 56.)
  
A correspondência de Carvalho e Mello, Secretário dos Negócios Estrangeiros do Brasil, em 1824, revela características da diplomacia brasileira no sentido do reconhecimento da independência. No texto, fica evidente o interesse em:
a) utilizar o cenário político europeu favoravelmente ao Brasil.   
b) oferecer a abolição do tráfico negreiro como condição.   
c) resistir ao pagamento de indenização em dinheiro.   
d) buscar fazer acordo com Portugal e Espanha.   
e) participar do jogo de alianças internacionais.   


8. (Ufpb 2012) A pintura é uma manifestação artística que pode ser utilizada como fonte histórica, reforçando uma versão da história. Nesse sentido, observe o quadro do pintor paraibano Pedro Américo: 





No campo da historiografia, essa imagem: 
a) sintetiza o verdadeiro sentimento de toda a nação em relação a Portugal. 
b) expõe a luta de classes existente no país no período da independência. 
c) expressa o apoio popular ao processo de autonomia política do Brasil. 
d) representa uma visão heroica e romanceada da separação política do país. 
e) mostra a independência como anseio de grupos subalternos.

  
9. (Pucrs 2015)  Considere as afirmações abaixo sobre o Período Imperial brasileiro (1822-1889).

I. O Primeiro Reinado caracterizou-se pelos constantes conflitos entre o Imperador e as elites do País, tendo em vista que D. Pedro I praticamente governou de forma autoritária, desconsiderando o Legislativo.
II. Durante o Período Regencial, os governantes deixaram de ser hereditários e passaram a ser selecionados por eleições, o que leva a historiografia a considerar essa fase como sendo a primeira experiência republicana no País, pois os regentes eram escolhidos pelo voto universal direto.
III. O Segundo Reinado foi um período de grande estabilidade política da história imperial, pois o imperador D. Pedro II ficou quase 50 anos no poder, governando com o apoio de um só partido, o Partido Conservador.
IV. Dentre os fatores que contribuíram para a crise do regime imperial, podemos elencar o conflito do Imperador com o Exército, a crise entre a monarquia e a Igreja e, por fim, a abolição da escravidão, que levou a elite cafeicultora fluminense a romper politicamente com a monarquia.

Estão corretas apenas as afirmativas
a) I e III.   
b) I e IV.   
c) II e III.   
d) I, II e IV.   
e) II, III e IV.   
  
10. (Fgv 2015)  Observe o mapa.
Os dados do mapa mostram que a emancipação política do Brasil
a) efetivou-se com o chamado Grito do Ipiranga, porque todas as províncias do Brasil, imediatamente, passaram a obedecer às ordens vindas do Rio de Janeiro na pessoa do Imperador Dom Pedro I e romperam todos os laços com as Cortes de Lisboa, defensoras da recolonização brasileira.   
b) ocorreu de forma homogênea, com a divisão da liderança do movimento emancipacionista entre os principais comandos regionais do Brasil e com a constituição de acordos políticos que garantiram a unidade territorial e a efetivação do federalismo.   
c) dividiu as regiões brasileiras entre as defensoras de uma emancipação vinculada ao fim do tráfico de escravos, caso das províncias do Norte e do Nordeste, e as províncias do Centro-Sul, contrárias à separação definitiva de Portugal e favoráveis à constituição de uma monarquia dual.   
d) foi um processo complexo, no qual não houve adesão imediata de algumas províncias ao Rio de Janeiro, representado pelo poder do imperador Dom Pedro I, pois essas províncias continuaram fiéis às Cortes de Lisboa, levando à guerras de independência.   
e) diferencia-se radicalmente das experiências da América espanhola, porque a América portuguesa obteve a sua independência sem que houvesse qualquer movimento de resistência armada por parte dos colonos ou da metrópole, interessados em uma separação negociada.   
  
11. (IFSC 2015)  O processo de independência do Brasil foi efetivado com o Grito do Ipiranga de D. Pedro I, em 1822. Alguns historiadores aceitam que esse processo pode ser analisado desde o ano de 1808. Sobre o período de 1808 a 1822, é CORRETO afirmar que:
a) Em 1821, D. Pedro I tentou proclamar a independência, porém foi sufocado pela Revolução Pernambucana.   
b) O ano de 1808 é marcado pela vinda da família real portuguesa ao Rio de Janeiro.   
c) No ano de 1815, toda a família real portuguesa retornou a Portugal, permitindo a José Bonifácio articular a independência com seu filho Pedro.   
d) A abertura dos portos em 1815 tirou o Brasil do status de colônia, pois poderia comercializar com todos os países com tarifas iguais.   
e) O Grito do Ipiranga foi apenas simbólico. Desde 1821, o Brasil não tinha nenhuma ligação política com Portugal.   
  
12. (Uern 2015)  Observe o quadro.

A partir da análise do quadro e tendo em vista o contexto do Brasil no I Império, é possível classificar o voto, naquele período, como
a) censitário, amplo, indireto e irrestrito.   
b) universal, masculino, direto e representativo.   
c) censitário, masculino, indireto e em dois graus.   
d) universal, apartidário, direto e em quatro graus.   
  
13. (Uepa 2014)  A crise política do I Império Brasileiro, que resultou na abdicação de D. Pedro I, teve como cerne a disputa entre a inclinação centralista-absolutista do monarca e a defesa do federalismo pelas elites econômicas regionais. A renúncia do imperador em 1831 resultou:
a) na transferência de poder às elites regionais e aos regentes, ordem política que se mostrou frágil e abriu caminho para levantes oposicionistas e populares.   
b) na transformação imediata de Pedro II em monarca do Reino Português na linha de sucessão da Casa de Bragança.   
c) no fortalecimento de movimentos separatistas regionais, em desacordo com a manutenção do regime monárquico e da escravidão.   
d) no surgimento de grupos políticos republicanos, que seriam embrionários do movimento que promoveu a Proclamação da República em 1889.   
e) na emergência de uma identidade nacional brasileira, em oposição a qualquer posição de mando de autoridades portuguesas em território nacional.   


14. (Uern 2015) No Brasil, logo após a independência política em relação a Portugal, foi necessário obter o reconhecimento internacional para consolidar-se política e economicamente no quadro das nações de fato independentes. Sobre o(s) primeiro(s) país(es) a reconhecer(em) o Brasil como país soberano, assinale a alternativa correta.
a) Foi a França, interessada em avançar com seu território da Guiana Francesa e estabelecer novas colônias.   
b) Trata-se da Inglaterra, interessada em efetivar o imperialismo que já vinha exercendo desde antes da independência.   
c) Foram os EUA, que tinham em vista as futuras alianças comerciais e a diminuição das influências inglesas em nosso país.   
d) Foram a Argentina e o Paraguai, recentemente independentes, interessados em formar uma América Latina forte e ampliar o comércio na Bacia do Prata.