Ciências Humanas>>>

Que ser aprovado no vestibular? Obter sucesso no ENEM? VOCÊ ESTÁ NO LUGAR CERTO! Venha conhecer o espaço virtual construído para você!

1. Os satélites artificiais são muito importantes nas telecomunicações e, também, nos estudos do espaço. Existe uma grande quantidade deles orbitando em torno da Terra. Imagine que um desses satélites gira em órbita circular a uma altura h da superfície do planeta. Sendo R o raio da Terra e g a aceleração da gravidade na superfície terrestre, pode-se afirmar que a órbita do satélite obedece a
a) T2 = 4π2 · (R + h)/g.
b) T2 = 4π2 · (R + h)3/(g · R2).
c) T2 = 2π2 · (R – h)3/(g · R2).
d) T2 = 4π2 · R3/[(R + h)2 · g].
e) T2 = 4π2 · R/g.

2. Hubble capta estrela arrancando atmosfera de exoplaneta



Uma equipe internacional de astrônomos, usando dados do Telescópio Espacial Hubble, detectou mudanças significativas na atmosfera de um planeta localizado fora do nosso Sistema Solar (exoplaneta). Os cientistas concluíram que as variações atmosféricas ocorreram em resposta a uma fortíssima erupção da estrela, um evento observado por um outro telescópio da NASA, o Swift. O exoplaneta é o HD 189733b, um gigante gasoso semelhante a Júpiter, mas cerca de 14% maior e mais massivo. Os astrônomos classificam-no como um “Júpiter quente”. Observações anteriores do Hubble mostraram que a atmosfera do exoplaneta atinge uma temperatura superior a 1.000ºC. O planeta orbita sua estrela a uma distância de apenas 3 milhões de quilômetros, cerca de 30 vezes mais perto que a distância da Terra ao Sol, e completa uma órbita a cada 2,2 dias terrestres. A estrela, chamada HD 189733A, tem cerca de 80% do tamanho e da massa do nosso Sol. Os pesquisadores calculam que pelo menos 1.000 toneladas de gás estão deixando a atmosfera do planeta a cada segundo. Os átomos de hidrogênio estão sendo ejetados em velocidades superiores a 480.000 km/h.
Disponível em: <http://www.nasa.gov>. Acesso em: 5 ago. 2012. (adaptado)

Pelo texto anterior, observamos que o tempo de órbita do exoplaneta HD 189733b em torno da estrela HD 189733A é extraordinariamente pequeno quando comparado ao tempo de órbita da Terra em torno do Sol (365 dias). Algumas informações importantes como comparações de massas e distâncias são também fornecidas pelo artigo. As leis de Kepler e a Lei da Gravitação Universal conseguem explicar muito bem uma série de comportamentos dos mais diversos corpos celestes. 

Baseando-se nessas leis, qual seria o melhor argumento para o exoplaneta HD 189733b completar sua órbita em torno da estrela HD 189733A em um tempo relativamente curto quando comparado com os 365 dias gastos pela Terra em torno do Sol?
a) O exoplaneta tem uma massa muito grande, o que aumenta muito a força gravitacional entre ele e sua estrela, diminuindo bastante o tempo de órbita.
b) Devido à erupção que ocorreu na estrela HD 189733A, o exoplaneta está perdendo muita massa de gás de sua atmosfera, ficando mais leve, o que, consequentemente, diminui o seu período de órbita.
c) A distância do exoplaneta até a estrela de massa comparável à do Sol é bem menor (cerca de 30 vezes menor) que a distância Terra-Sol. Isso faz com que o tempo de órbita do exoplaneta seja tão pequeno.
d) A perda contínua de massa da atmosfera do HD 189733b faz com que ele seja cada vez mais atraído para a estrela, diminuindo o seu período de órbita.
e) De acordo com a Lei da Gravitação Universal, a distância do exoplaneta até a estrela não exerce nenhum tipo de influência no período de órbita tão pequeno de HD 189733b em torno de HD 189733A, pois somente suas massas muito grandes é que foram decisivas para o curto intervalo de tempo de 2,2 dias.

3. Astronauta Chris Hadfi eld canta Space Oddity, de David Bowie, em sua despedida do espaço

Em seu vídeo derradeiro a bordo da Estação Espacial Internacional (depois de cinco meses no espaço ele começa sua viagem de volta à Terra nesta segunda, 13 de maio de 2013), o canadense se superou e ganhou todas as estrelinhas possíveis para virar pop star de uma vez por todas: Chris Hadfi eld gravou uma versão de Space Oddity, de David Bowie, direto do espaço!
Disponível em: <http://super.abril.com.br> (adaptado). Acesso em: 19 maio 2013.

A Estação Espacial Internacional encontra-se em órbita em torno da Terra a uma altitude de aproximadamente 360 quilômetros, uma órbita tipicamente designada de órbita terrestre baixa (na verdade, a altitude varia ao longo do tempo em vários quilômetros devido ao arrastamento atmosférico e reposição). Dizemos isso, pois, se comparado com o raio da Terra, em torno de 6 400 km, os efeitos da gravidade terrestre ainda são muito altos. A estação perde, em média, 100 metros de altitude por dia e orbita a Terra em um período de aproximadamente 92 minutos.

A partir dos textos e da imagem podemos afirmar que o astronauta está flutuando porque
a) nessa altitude média em que a Estação orbita, onde o valor da gravidade terrestre é nula, nada atrai os corpos.
b) na altitude em que a Estação está, o valor da gravidade terrestre não é nula, mas é desprezível.
c) na altitude em que a Estação está, o valor da gravidade terrestre é o mesmo da superfície terrestre.
d) o efeito "gravidade zero" ocorre porque a estação está "a cair eternamente" por causa da curva ocasionada pela força centrípeta a que está sujeita.
e) há um equilíbrio estático entre a força centrípeta e a força centrífuga que agem no astronauta.

4. A cada ano que passa a Lua se afasta mais da Terra – e isso muda nossas vidas
               
 A Lua está cada vez mais longe de nós. [...] Nosso satélite natural se afasta a cada ano da Terra e pode trazer, com isso, mudanças significativas em nosso planeta. O fenômeno acontece principalmente porque a velocidade de rotação da Terra está reduzindo. Isso ocorre por conta de causas naturais relacionadas à fricção entre as massas de terra e água no planeta. O que acontece, no entanto, é que, quando a rotação da Terra diminui de velocidade, a distância da Lua necessariamente aumenta. Esse fenômeno, então, faz com que a Lua desvie, aproximadamente, 3,78 centímetros da Terra por ano. [...]
 A CADA ano que passa a Lua se afasta mais da Terra – e isso muda nossas vidas. Yahoo! Notícias, 18 mar. 2015.
Disponível em: <http://br.noticias.yahoo.com>. Acesso em: 22 abr. 2015. (adaptado)

Baseando-se nas informações do texto, a duração de um dia na Terra, com o afastamento da Lua, será
a)  a mesma, pois o efeito desse afastamento acaba compensando a mudança na rotação da Terra.
b) menor, pois esse afastamento está relacionado ao aumento da velocidade da rotação da Terra.
c) menor, pois esse afastamento está relacionado à diminuição da velocidade de rotação da Terra.
d) maior, pois esse afastamento está relacionado ao aumento da velocidade de rotação da Terra.
e) maior, pois esse afastamento está relacionado à diminuição da velocidade de rotação da Terra.

5. A característica que permite identificar um planeta no céu é o seu movimento relativo às estrelas fixas. Se observarmos a posição de um planeta por vários dias, verificaremos que sua posição em relação às estrelas fixas se modifica regularmente. A figura destaca o movimento de Marte observado em intervalos de 10 dias, registrado da Terra.



Qual a causa da forma da trajetória do planeta Marte registrada na figura?
a) A maior velocidade orbital da Terra faz com que, em certas épocas, ela ultrapasse Marte.
b) A presença de outras estrelas faz com que sua trajetória seja desviada por meio da atração gravitacional.
c) A órbita de Marte, em torno do Sol, possui uma forma elíptica mais acentuada que a dos demais planetas.
d) A atração gravitacional entre a Terra e Marte faz com que este planeta apresente uma órbita irregular em torno do Sol.
e) A proximidade de Marte com Júpiter, em algumas épocas do ano, faz com que a atração gravitacional de Júpiter interfira em seu movimento.

6.  Antigravidade é uma maneira hipotética de se contrabalançar ou modificar os efeitos da gravidade, tipicamente no contexto de população espacial. Tais sistemas ainda estão confinados à área de ficção científica, tendo em vista o conhecimento atual sobre a gravitação. A força da gravidade é a mais fraca das quatro forças da natureza. As outras forças são a eletromagnética, a nuclear forte e a nuclear fraca. A força eletromagnética é percebida nos fenômenos relacionados à eletricidade e ao magnetismo. As outras duas forças, chamadas nucleares, ocorrem no núcleo dos átomos e também são muito importantes, mas não se manifestam diretamente em nossas vidas. O rei do pop, Michael Jackson, ficou conhecido pelos passos mirabolantes que criava para as coreografias de seus shows. Um deles, a ilusão de inclinação antigravitacional, em que o astro e seus pupilos param no palco inclinados fora do eixo do corpo, é conseguido graças a um sapato especial que Michael Jackson patenteou nos EUA. Como o próprio nome do dispositivo diz (Anti-Gravity Lean-Illusion), trata-se de puro ilusionismo. O sistema consiste de um sapato com uma espécie de trava no salto que se encaixa em um gancho na superfície do palco, impedido que o dançarino se esborrache no chão quando inclinar o corpo para frente além do seu centro de gravidade. É como se você pudesse estar em um espaço totalmente vazio, sem nenhum planeta, estrela, asteroide, nada mesmo.
Disponível em: <http://ciencia.hsw.com.br/antigravidade.htm> (adaptado).


Sobre o conceito de força, campo gravitacional e seus efeitos, assinale a opção verdadeira.
a) Na Lua não tem gravidade; lá os objetos perdem peso, apesar de as imagens dos astronautas flutuando nos fazerem pensar que existe gravidade.
b) Na Lua há bem menos massa que a Terra; então lá existe uma força de gravidade muito mais fraca: 6 vezes menos que a do nosso planeta. Assim, tudo na superfície lunar fica seis vezes mais leve! Se você possui massa de 30 quilos, lá a sua massa reduziria para 5 quilos.
c) A força da gravidade é a mais forte das quatro forças da natureza. As outras forças são a eletromagnética, a nuclear forte e a nuclear fraca.
d) A noção de massa pode ser associada à de quantidade de matéria, mas sua verdadeira definição está além do nível desse texto. Uma das unidades que usamos para massa é o quilograma. Para não confundir com peso, basta saber que, quando levamos um objeto para lugares cada vez mais próximos do centro da Terra, seu peso vai diminuir, enquanto sua massa permanece igual.
e) A força da gravidade é uma força de atração. Ela ocorre entre dois objetos quaisquer. Então, tudo está atraindo tudo. Ela é responsável pela permanência dos corpos celestes que vemos hoje por todos os lugares do Universo. Foi a gravidade que juntou lentamente gases e poeira para formar estrelas, planetas, galáxias, etc. Sem a gravidade, o Universo não existiria como existe hoje.

7. Tobogã mais alto do mundo fará você despencar de 17 andares de altura



     Há um tobogã sendo erguido no parque aquático Schlitterbahn, em Kansas City (EUA), e ele quer quebrar recordes. Afinal, recebeu o nome de Verrückt – “insano” em alemão – por algum motivo, certo? O Verrückt Meg-A-Blaster será o “toboágua mais alto, mais rápido e mais extremo do mundo”, e está prestes a quebrar o recorde mundial – que, atualmente, pertence a um do Brasil.
     Por enquanto, o tobogã mais alto do mundo é o Insano, no Beach Park do Ceará. Ele tem 41 metros de altura, “o equivalente a um prédio de 14 andares”, e nele você cai por cinco segundos, em uma queda livre a 105 km/h. Por motivos de segurança, só se pode deslizar no Insano com os braços e as pernas cruzadas.
     Mas o Verrückt promete ser “uma estrutura de cair o queixo”, com altura equivalente a 17 andares. A altura final será formalmente anunciada assim que a construção do tobogã for concluída. Além disso, você poderá deslizar a mais de 100 km/h com outros três amigos, pois o Meg-A-Blaster é largo o suficiente para quatro pessoas. E no final, há uma elevação adicional para deixar tudo ainda mais assustador.
Disponível em: <http://gizmodo.uol.com.br/toboga-mais-alto/>. (adaptado)

Duas pessoas resolvem testar o Verrückt Meg-A-Blaster, descendo juntas. Considerando que elas possuam massas M1 e M2, sendo que M1 = 2M2, e desprezando todos os atritos, determine a razão entre as acelerações da pessoa de massa M1 e a pessoa de massa M2 durante o deslizamento.
a) 1
b) 2
c) 3
d) 4
e) 5

8. Qual é a razão da força gravitacional para a força elétrica? A resposta está ilustrada na figura a seguir. A razão da atração gravitacional para a repulsão elétrica é dada por um número com uma cauda de 42 zeros. A razão entre as forças elétrica e gravitacional é igual à razão do tamanho do universo para o diâmetro de um próton.

A partir da comparação de valores mostrada no texto, a estrutura do átomo de hidrogênio, segundo o modelo atômico de Rutherford pode ser justificada, corretamente, apenas pela atração
a) elétrica, que é muito maior do que a atração gravitacional.
b) gravitacional, que é muito maior do que a atração elétrica.
c) elétrica, que é muito menor do que a atração gravitacional.
d) gravitacional, que é muito menor do que a atração gravitacional.
e) elétrica, que tem valor muito próximo da atração gravitacional.

9. Observando a tirinha abaixo, os personagens dialogam sobre a atração entre seus corpos.

Durante o diálogo, na expressão “É claro que se as massas forem pequenas como a sua e a minha, a força é pequena”, a personagem baseia-se em
a) uma hipótese, pois não se verifica relação acerca da força de atração entre os personagens e qualquer confirmação experimental.
b) um experimento, uma vez que a ação gravitacional corresponde a uma força em processo experimental para futura e efetiva conclusão.
c) uma situação-problema, importante para efetivação da elaboração de hipóteses a serem experimentadas.
d) uma lei, que diz que dois corpos quaisquer se atraem por meio de uma força que depende das massas destes corpos e da distância que há entre eles.
e) uma teoria construída na análise do problema sem que exista qualquer aceitação universal devido à falta de prestígio de seu autor.

10. Os planetas giram em torno do Sol, em órbitas elípticas. Porém, levando em consideração que essas elipses são muito próximas de circunferências, ou seja, pouco excêntricas, é comum, para efeito de cálculos, tratá-las como circulares. A figura a seguir ilustra a situação em que essa boa aproximação é feita para Júpiter e a Terra girando em torno do Sol.
Sabendo que o raio médio da órbita terrestre (RT) mede 1,5.1011 m e que o raio médio da órbita de Júpiter (RJ) equivale a 7,5.1011 m, um estudante é desafiado pelo seu colega de sala a descobrir o tempo gasto por Júpiter, em anos terrestres, para dar uma volta em torno do Sol. Considerando que o desafiado encontrou o valor correto, ele obteve um número em torno de:
a) 1,0
b) 11
c) 25
d) 50
e) 125

Que ser aprovado no vestibular? Obter sucesso no ENEM? VOCÊ ESTÁ NO LUGAR CERTO! Venha conhecer o espaço virtual construído para você!
1. (Upe 2014) Leia o texto a seguir: 

Com base em análises estatísticas, genéticas e em modelos evolutivos, Mauro Galetti (UNESP) e sua equipe estudaram uma palmeira – palmito-juçara (Euterpe edulis) – importante fonte de alimento para mais de 50 espécies de aves da Mata Atlântica, como papagaios, sabiás e tucanos, que se alimentam de seus frutos, além de ter importância econômica. Para isso, coletaram nove mil sementes de 22 populações da palmeira espalhadas ao longo da costa sudeste do Brasil. Ao combinarem todos esses dados, os pesquisadores verificaram que, em locais onde as aves de maior porte haviam sido extintas há mais de 50 anos, tanto pela caça predatória quanto pelo desmatamento, as populações das palmeiras produziam apenas frutos pequenos, enquanto em áreas de floresta mais conservada e com quantidade de aves suficiente para desempenhar sua função ecológica de dispersão de sementes, as palmeiras produziam frutos de tamanhos mais variados, com sementes pequenas e grandes. 
Fonte: Adaptado de Andrade, R. O. Escassez de aves pode afetar evolução de plantas. Edição Online 16:47 30 de maio de 2013 disponível em: 
http://revistapesquisa.fapesp.br/2013/05/30/escassez-de-aves-pode-afetar-evolucao-de-plantas/

Sobre aspectos relacionados à coevolução da planta e do disseminador de sementes, assinale a alternativa CORRETA. 
a) A queda na população de aves frugívoras de grande porte pode estar associada à diminuição do tamanho das sementes do palmito-juçara, e, consequentemente, à mudança em seus padrões evolutivos. 
b) A mudança de agentes polinizadores para aves frugívoras de médio e pequeno porte normalizou o genótipo do palmito-juçara em ambientes degradados. 
c) As intervenções realizadas pelo homem podem interromper a evolução biológica do tucano e do papagaio, mas não atingem o palmito-juçara, considerando-se a continuidade da produção de sementes. 
d) Uma gama de fenótipos diferentes só é possível em uma espécie vegetal com pequena variedade genética, podendo estar associada ao polimorfismo das sementes do palmito-juçara em áreas de floresta bem conservadas. 
e) Em ambientes conservados, pássaros de bico médio foram favorecidos em relação aos de bico grande, possibilitando uma seleção estabilizadora para os disseminadores de semente e uma seleção disruptiva para o palmito-juçara. 

2. (Uneb 2014) 

Tão complexas quanto a química da vida, as condições para o bom crescimento das plantas se resumem em três números que representam as porcentagens de nitrogênio, fósforo e potássio, impressas em destaque em todas as embalagens de fertilizantes. No século XX, esses três nutrientes permitiram que a agricultura aumentasse a produtividade e que a população mundial crescesse seis vezes mais. O nitrogênio vem do ar, mas o fósforo e o potássio veem do solo. As reservas de potássio são suficientes para séculos, mas com o fósforo a situação é diferente.

É provável que os suprimentos disponíveis de imediato comecem a esgotar-se no final do século. Muitos dizem que quando isso acontecer, a população terá alcançado um pico além do que o planeta pode suportar em termos de sustentabilidade.

O fósforo, junto com o nitrogênio e o potássio, é um elemento crucial para os fertilizantes. É extraído de rochas ricas em fósforo, na forma de fosfato. O fósforo não ocorre livre na natureza, aparecendo principalmente na forma de fosforita, Ca3(PO4)2, fluorapatita, Ca5(PO4)3F e hidroxiapatita, Ca5(PO4)3OH.

A natureza obtém fósforo por meio de ciclos de intemperismo, uso biológico, sedimentação e, depois de 10 milhões de anos, elevação geológica. A necessidade exacerbada da agricultura moderna por fertilizantes triplicou a taxa de consumo de fósforo no solo, mas uma combinação de medidas pode suavizar o problema. 
(VACCARI. 2012. p.40-45). 

A necessidade exacerbada da agricultura moderna por fertilizantes triplicou o consumo de fósforo para atender à demanda crescente por alimento da população mundial, entretanto esse crescimento pode esgotar reservas do nutriente rapidamente, o que põe em risco o equilíbrio no ciclo do fósforo da natureza.

Uma análise das informações do texto e dessas considerações, com o propósito de atenuar esse problema e ajudar a manter o equilíbrio no ciclo do fósforo, permite corretamente afirmar: 
a) Os resíduos sólidos e líquidos provenientes da agropecuária devem ser levados para os aterros e, uma vez tratados, escoados para rios e mares, onde formam sedimentos em condições de ser incorporados à rocha fosfática rica em hidroxiapatita, Ca5(PO4)3OH, posteriormente reciclada. 
b) A remoção gradual de compostos de chumbo e de outros materiais tóxicos na água encanada das grandes cidades facilita o aproveitamento de dejetos urbanos, líquidos e sólidos para uso como fertilizante e consequente reciclagem do fósforo. 
c) Os resíduos urbanos contendo fósforo e nitrogênio, uma vez tratados, devem ser transportados aos aterros sanitários para serem decompostos lentamente, sem causar poluição ao lençol freático. 
d) Os dejetos de animais, incluindo-se ossos ricos em fósforo e partes não comestíveis de plantas, não constituem fonte adequada do fertilizante que justifique a reciclagem desse elemento químico. 
e) A erosão do solo deve ser ampliada durante o cultivo agrícola, para que mais fósforo esteja disponível, na forma de íons fosfato e então aproveitado como fertilizante na agricultura. 

3. (Fuvest 2013) O fitoplâncton consiste em um conjunto de organismos microscópicos encontrados em certos ambientes aquáticos. O desenvolvimento desses organismos requer luz e CO2, para o processo de fotossíntese, e requer também nutrientes contendo os elementos nitrogênio e fósforo.

Considere a tabela que mostra dados de pH e de concentrações de nitrato e de oxigênio dissolvidos na água, para amostras coletadas durante o dia, em dois diferentes pontos (A e B) e em duas épocas do ano (maio e novembro), na represa Billings, em São Paulo.
Com base nas informações da tabela e em seus próprios conhecimentos sobre o processo de fotossíntese, um pesquisador registrou três conclusões:

I. Nessas amostras, existe uma forte correlação entre as concentrações de nitrato e de oxigênio dissolvidos na água.

II. As amostras de água coletadas em novembro devem ter menos CO2 dissolvido do que aquelas coletadas em maio.

III. Se as coletas tivessem sido feitas à noite, o pH das quatro amostras de água seria mais baixo do que o observado.

É correto o que o pesquisador concluiu em 
a) I, apenas. 
b) III, apenas. 
c) I e II, apenas. 
d) II e III, apenas. 
e) I, II e III. 

4. (Enem 2014) A aplicação excessiva de fertilizantes nitrogenados na agricultura pode acarretar alterações no solo e na água pelo acúmulo de compostos nitrogenados, principalmente a forma mais oxidada, favorecendo a proliferação de algas e plantas aquáticas e alterando o ciclo do nitrogênio, representado no esquema. A espécie nitrogenada mais oxidada tem sua quantidade controlada por ação de microrganismos que promovem a reação de redução dessa espécie, no processo denominado desnitrificação.
O processo citado está representado na etapa 
a) I. 
b) II. 
c) III. 
d) IV. 
e) V. 

5. (Uel 2014) No século XX, devido às crises, houve o questionamento da racionalidade econômica e das tecnologias dominantes diante do uso desenfreado dos recursos naturais, exigindo, com isso, mudanças de atitude frente aos cuidados com o meio ambiente. 
Em relação às atuais políticas públicas ambientais no Brasil, atribua V (verdadeiro) ou F (falso) às afirmativas a seguir.
(   ) A Agenda Marrom, criada em 1970, ganhou importância efetiva e foi elaborada com o intuito de atender, de maneira pioneira, à conservação da vegetação ripária nas zonas rurais.
(   ) A Agenda Verde é responsável pela formulação e gestão dos recursos hídricos decorrentes de atividades poluidoras, como a realização de estudos e pesquisas sobre poluição, qualidade do ar, da água e do solo.
(   ) A Agenda Habitat contribuiu para a elaboração da Agenda 21 Brasileira, especialmente no que tange ao eixo temático denominado Cidades Sustentáveis, com o intuito de melhorar as condições dos assentamentos humanos.
(   ) A erradicação da pobreza e a resolução do problema habitacional são requisitos para a promoção do desenvolvimento sustentável nas grandes cidades.
(   ) Apesar de pautada na década de 1980, a problemática ambiental urbana ganhou visibilidade na década de 1990, impulsionada pelos fóruns internacionais.

Assinale a alternativa que contém, de cima para baixo, a sequência correta. 
a) V – V – V – F – F. 
b) V – F – V – F – F. 
c) V – F – F – V – F. 
d) F – V – F – F – V. 
e) F – F – V – V – V. 

6. (CFTRJ 2013) ... o geólogo Leziro Marques Silva, da Universidade São Judas Tadeu, em São Paulo, investigou a situação de 600 cemitérios do país (75% municipais e 25% particulares) e constatou que de 15% a 20% deles apresentam contaminação do subsolo pelo necrochorume, líquido formado quando os corpos se decompõem. Cerca de 60% dos casos foram observados em cemitérios municipais. A contaminação é detectada por análises físicas, químicas e bacteriológicas de amostras de água do lençol freático sob os cemitérios ou em suas proximidades... 
... O necrochorume é o principal responsável pela poluição ambiental causada pelos cemitérios. É um líquido viscoso, de cor castanho-acinzentada, com 60% de água, 30% de sais minerais e 10% de substâncias orgânicas degradáveis. Apresenta variado grau de patogenicidade, por causa da presença de vírus, bactérias e outros agentes causadores de doenças. Cada quilo de massa corpórea do cadáver gera 0,6 litro de necrochorume.
Fonte: Costa Silva, R. W. e Malagutti Filho, W. Cemitérios, “Fontes potenciais de contaminação”. Revista Ciência Hoje, setembro de 2009. v. 44, n.263. p.24-9. (adaptado) 

A contaminação do solo e, consequentemente, do lençol freático, depende de vários fatores, tais como a permeabilidade, retenção de partículas e a distância do corpo d’água. Dentre as alternativas abaixo, qual seria o procedimento adequado para evitar, com eficácia, a contaminação do lençol freático? 
a) Utilização de madeira impermeabilizada na construção dos caixões. 
b) Concretagem das sepulturas e posterior selagem da tumba. 
c) Uso de antibióticos na preparação dos corpos, evitando a putrefação. 
d) Construção de uma manta impermeável antes da implantação do cemitério. 

7. (Ufg 2013) Leia o trecho a seguir.

Zé Paulo - O que eu quero dizer, Álvares, é que no seu tempo ela podia ser invisível porque era tão pequena, pacata e provinciana; mas hoje ela é mais de setecentas cidades, uma empilhada em cima da outra, e os rios foram soterrados, já não é possível navegar. Por isso é preciso se aproximar com cuidado, abrindo os ouvidos para enxergar o caminho.
MARTINS A. Uma noite em cinco atos. São Paulo: Editora 34, 2009. p. 85.

O cenário relatado por Zé Paulo a Álvares remete a um quadro de poluição que é expresso no recurso sinestésico transcrito no texto. A poluição e os tipos de receptores fisiológicos desativado e ativado, são, respectivamente, 
a) sonora; desativação de quimiorreceptor e ativação de fotorreceptor. 
b) atmosférica; desativação de mecanorreceptor e ativação de eletrorreceptor. 
c) sonora; desativação de eletrorreceptor e ativação de termorreceptor. 
d) atmosférica; desativação de fotorreceptor e ativação de mecanorreceptor. 
e) sonora; desativação de quimiorreceptor e ativação de eletrorreceptor. 

8. (Uern 2012) Em uma cadeia alimentar, a quantidade de energia presente em um nível trófico é sempre maior que a quantidade de energia transferível para o nível seguinte. Isso porque todos os seres vivos consomem parte da energia do alimento para a manutenção de sua própria vida, liberando calor e, portanto, não a transferindo para os níveis seguintes. A porcentagem de energia transferida de um nível para o seguinte é denominada eficiência ecológica, varia entre os organismos, situando-se entre 5% e 20%. Na transferência dos herbívoros para os carnívoros, essa perda é significativa, isso se deve ao(à) 
a) metabolismo diferenciado dos herbívoros. 
b) fato dos vegetais serem de fácil digestão. 
c) eliminação excessiva de fibras de celulose não digeridas nas fezes dos herbívoros. 
d) fato dos herbívoros estarem mais no início da cadeia alimentar. 

9. (Uerj 2015) Considere dois ecossistemas, um terrestre e outro marinho. Em cada um deles, é possível identificar o nível trófico em que se encontra a maior quantidade de biomassa por unidade de área, em um determinado período.
Para o ecossistema terrestre e para o marinho, esses níveis tróficos correspondem, respectivamente, a: 
a) produtores − produtores 
b) consumidores primários − produtores 
c) produtores − consumidores primários 
d) consumidores primários − consumidores primários 

10. (Upf 2014) Os seres vivos necessitam de alguns elementos químicos em grandes quantidades. A interação desses elementos nos próprios seres e com o ambiente físico no qual se encontram ocorre por meio de movimentos conhecidos como ciclos biogeoquímicos, sobre os quais é correto afirmar que: 
a) o ciclo da água ou ciclo hidrológico é afetado pelos processos de evaporação e precipitação, bem como pela interferência dos seres vivos ao terem a água fluindo através das teias alimentares. 
b) o ciclo do fósforo independe da ação de micro-organismos de solo, pois o maior reservatório desse elemento no planeta é a atmosfera. 
c) o principal processo envolvido no ciclo do carbono é a respiração, por meio do qual o carbono presente na molécula de CO2 é fixado e utilizado na síntese de moléculas orgânicas. 
d) o ciclo do nitrogênio é considerado mais simples do que os demais ciclos, pois não há passagem de átomos desse elemento pela atmosfera. 
e) no ciclo do oxigênio, a única fonte importante desse elemento, que circula entre a biosfera e o ambiente físico, é o gás O2. 

11. (Ufrgs 2014) Em relação aos ciclos biogeoquímicos, é correto afirmar que 
a) a principal reserva de nitrogênio encontra-se na água doce. 
b) a precipitação da água impede a transferência de elementos químicos dos ambientes terrestres para a água doce e para os oceanos. 
c) as erupções vulcânicas representam a principal fonte de iodo, cobalto e selênio. 
d) as concentrações elevadas de fósforo no solo de plantações levam a uma diminuição de fósforo em rios e lagos. 
e) a queima de vegetais e de combustíveis fósseis é a principal responsável pela liberação de CO2 na atmosfera, no Brasil. 

12. (Ufg 2014) O semiárido brasileiro exige do pequeno produtor estratégias para alimentação do gado durante a seca. Para garantir a sobrevivência do rebanho nesse período, uma das possibilidades é o plantio de Cactaceae por adensamento, utilizando adubação com ureia (CO(NH2)2) nos períodos de chuva. Considerando-se o ciclo do nitrogênio na natureza, essa estratégia de adubação justifica-se, pois, no solo, a hidrólise desse adubo químico simula a 
a) nitrificação da matéria orgânica, disponibilizando NH4+. 
b) nitrificação da matéria orgânica, disponibilizando NH3. 
c) desnitrificação da matéria orgânica, disponibilizando N2. 
d) amonificação da matéria orgânica, disponibilizando NO. 
e) amonificação da matéria orgânica, disponibilizando NH3. 

13. (Uece 2014) “Os seres humanos têm um gosto bastante peculiar. Sol, temperatura amena, ar fresco e bebidas refrescantes podem fazer a alegria de qualquer pessoa, mas seriam desagradáveis e até mortais para outros organismos. É que, na natureza, muitas espécies se especializaram em viver em ambientes tão diferentes do nosso que jamais se contentariam com sombra e água fresca. Para esses bichos, bons mesmo são lugares escaldantes, congelantes, com extremos de pressão, toxinas aos montes, falta de água ou de oxigênio. São os chamados seres extremófilos, os habitantes dos piores lugares do planeta.”
Super Interessante. Rafael Kenski. Disponível em: http://super.abril.com.br/mundo-animal/vida-extremo- 444248.shtml

No que concerne aos seres extremófilos, é correto afirmar-se que 
a) termófilos são organismos que vivem em ambientes com temperaturas extremamente baixas, como nas fontes hidrotermais oceânicas de origem antártica. 
b) halófilos são seres que sobrevivem em elevadas concentrações de sais. 
c) barófilos são organismos que vivem a pressões muito baixas, como nas fossas submarinas, em grandes profundidades. 
d) acidófilos e alcalófilos são os seres vivos que habitam meios muito básicos e muito ácidos, respectivamente. 

14. (Uneb 2014) Bilhões de pessoas devem a vida a uma única descoberta, feita há um século. Em 1909, o químico alemão Franz Haber, da Universidade de Karlsruhe, mostrou como transformar o gás nitrogênio — abundante, e não reagente, na atmosfera, porém inacessível para a maioria dos organismos — em amônia, o ingrediente ativo em adubos sintéticos. Vinte anos depois, quando outro cientista alemão, Carl Bosch, desenvolveu um meio para aplicar a ideia de Haber em escala industrial, a capacidade mundial de produzir alimentos disparou.

Nas décadas seguintes, novas fábricas converteram tonelada após tonelada de amônia em fertilizante e hoje se considera a solução Haber-Bosch uma das maiores dádivas da história da saúde pública.
(TOWNSEND; HOWARTH, 2010. p. 44).

Com base na análise do texto e nos conhecimentos sobre o uso de fertilizantes na agricultura e suas implicações, marque V nas afirmativas verdadeiras e F, nas falsas.
(   ) Um dos pilares da “Revolução Verde” é a utilização dos adubos químicos.
(   ) O aumento da produtividade agrícola eliminou a fome endêmica na África e no Sudeste Asiático.
(  ) O uso excessivo do nitrogênio tem contribuído para o aparecimento de zonas mortas, antes confinadas à América do Norte e à Europa, em outras regiões do Planeta.
(  ) A utilização do nitrogênio em larga escala é aconselhável porque, quando as águas pluviais, carregadas de fertilizantes, chegam aos oceanos, ocorre o florescimento de plantas microscópicas, consumidoras de pouco oxigênio.
(   ) O aumento da biodiversidade é uma das consequências do uso do nitrogênio, principalmente nos ecossistemas costeiros.

A alternativa que indica a sequência correta, de cima para baixo, é a 
a) F – V – F – V – V 
b) F – V – V – F – V 
c) V – F – V – F – F 
d) F – F – V – F – V 
e) V – F – F – V – F 

15. (Pucrs 2014) Todos os seres vivos necessitam de energia para manter a integridade celular e a função de seus diversos órgãos e sistemas. Entretanto, as vias de obtenção de energia podem ser distintas em diferentes organismos. Qual das sentenças abaixo explica corretamente as diferenças entre autótrofos e heterótrofos? 
a) Apenas os heterótrofos dependem de compostos químicos do ambiente para gerar energia. 
b) Somente os heterótrofos precisam de oxigênio para produzir ATP. 
c) Apenas os heterótrofos possuem mitocôndrias. 
d) Somente os autótrofos produzem energia utilizando, inicialmente, CO2 e outros compostos inorgânicos. 
e) Os heterótrofos, mas não os autótrofos, realizam respiração celular. 

16. (Unesp 2014) Leia os três excertos que tratam de diferentes métodos para o controle da lagarta da espécie Helicoverpa armigera, praga das plantações de soja.

Texto 1
Produtores de soja das regiões da BA e MT começam os trabalhos de combate à praga. Um dos instrumentos para isso é a captura das mariposas. O trabalho é feito com uma armadilha. As mariposas são atraídas pela luz, entram na armadilha e ficam presas em uma rede.
(Lagarta helicoverpa atrapalha produção de soja no MT e na BA. http://g1.globo.com)

Texto 2
A INTACTA RR2 PRO, nova soja patenteada pela multinacional Monsanto, passa a ser comercializada na safra 2013/2014 no país. A inovação da nova semente é a resistência às principais lagartas que atacam o cultivo. Um gene inserido faz a soja produzir uma proteína, que funciona como inseticida, matando a lagarta quando tenta se alimentar da folha.
(www.abrasem.com.br. Adaptado.)

Texto 3
A lagarta que está causando mais de um bilhão de prejuízo nas lavouras no país pode ser controlada por minúsculas vespas do gênero Trichogramma, segundo pesquisador da Embrapa.
(Pesquisador da Embrapa aposta no controle biológico contra lagarta helicoverpa. www.epochtimes.com.br)

Sobre os três métodos apresentados de controle da praga, é correto afirmar que o método referido pelo texto 
a) 2, conhecido como transgenia, tem a desvantagem de trazer riscos à população humana, uma vez que a soja resistente é obtida utilizando-se elementos radioativos que induzem as mutações desejadas na plantação. 
b) 2 baseia-se na utilização de grandes quantidades de inseticida resultando, em curto prazo, na diminuição da população de lagartas, porém faz com que, em longo prazo, as lagartas adquiram resistência, o que exigirá a aplicação de mais inseticida. 
c) 1, conhecido como controle biológico de pragas, utiliza procedimentos mecânicos para diminuir a população de lagartas na plantação e, deste modo, além de promover o rápido extermínio da praga, não traz prejuízos à saúde. 
d) 3 baseia-se nas relações tróficas, utilizando um consumidor secundário que, ao controlar a população do consumidor primário, garante a manutenção da população que ocupa o primeiro nível trófico. 
e) 3 é ecologicamente correto, pois permite o crescimento do tamanho populacional de todos os organismos envolvidos, assegurando ainda que as vespas soltas na lavoura promovam a polinização necessária à produção dos grãos de soja. 

17. (Enem 2014) Os parasitoides (misto de parasitas e predadores) são insetos diminutos que têm hábitos muito peculiares: suas larvas podem se desenvolver dentro do corpo de outros organismos, como mostra a figura. A forma adulta se alimenta de pólen e açúcares. Em geral, cada parasitoide ataca hospedeiros de determinada espécie e, por isso, esses organismos vêm sendo amplamente usados para o controle biológico de pragas agrícolas.

A forma larval do parasitoide assume qual papel nessa cadeia alimentar? 
a) Consumidor primário, pois ataca diretamente uma espécie herbívora. 
b) Consumidor secundário, pois se alimenta diretamente dos tecidos da lagarta. 
c) Organismo heterótrofo de primeira ordem, pois se alimenta de pólen na fase adulta. 
d) Organismo heterótrofo de segunda ordem, pois apresenta o maior nível energético na cadeia. 
e) Decompositor, pois se alimenta de tecidos do interior do corpo da lagarta e a leva à morte. 

18. (Upe 2014) Leia o texto a seguir: 

O terremoto e o Tsunami, que devastaram o Japão, em 11 de março de 2011, comprometeram o sistema de refrigeração dos reatores na usina nuclear de Fukushima, o que levou a incêndios e explosões. Um mês depois, o governo elevou a emergência ao nível 7, grau máximo da escala, antes atingido apenas pelo desastre de Chernobyl, na Ucrânia, em 1986. Acidentes nucleares têm consequências graves e de longa duração para o meio ambiente e as populações próximas. A exposição de material nuclear no meio ambiente libera substâncias radioativas no ar e no solo. Essas substâncias contaminam plantas, rios, animais e pessoas em volta. 
Disponível em: http://veja.abril.com.br/tema/crise-nuclear. Adaptado.

Observe as imagens que mostram como a radiação pode afetar o corpo humano.
Dentro do contexto apresentado, conclui-se que os efeitos nocivos da radiação sobre o corpo humano interagindo com o ambiente ocorrem 
a) pela contaminação da água ingerida, ocasionando risco de má-formação fetal, devido à barreira placentária não oferecer proteção suficiente ao bebê; embora a mãe não seja afetada, seu sistema imune oferece maior margem de proteção. 
b) por diferentes formas de contaminação e seus efeitos cumulativos, os gametas podem sofrer danos por meio de mutações gênicas e/ou cromossômicas, comprometendo as gerações futuras. 
c) pela contaminação do solo, que afetaria os vegetais ingeridos, causando destruição da medula óssea via alterações cromossômicas estruturais, a exemplo das monossomias, desencadeando câncer ósseo e de pele. 
d) por meio da ingestão de alimentos de origem animal contaminados, afetando o aparelho digestório e ocasionando diarreias temporárias por causa das mutações espontâneas. 
e) por causa da contaminação do ar inalado, o qual provoca efeitos imediatos e permanentes sobre o sistema nervoso, levando à desorientação e morte súbita. 

19. (Ufsm 2014) O consumo mundial de carne vem aumentando, o que traz impactos não só à saúde como ao meio ambiente. 

Pelo menos metade das emissões brasileiras de gases do efeito estufa é causada pela pecuária bovina, indica um estudo interdisciplinar do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). A maior parte do problema se deve ao desmatamento para abrir pastagens na Amazônia e no Cerrado, afirma o trabalho, mas a fermentação entérica do gado e as queimadas nas áreas de pastagem dão uma dimensão maior ao problema. O plano de corte de emissões do Brasil, porém, não tem uma abordagem específica para cuidar dos bois. 
Folha de S. Paulo. 11/12/2009. (adaptado) 

Considerando essas informações, analise as afirmativas: 

I. O desmatamento e posterior queimada devolvem à atmosfera o carbono retido nas plantas, emitindo monóxido e dióxido de carbono, gases de efeito estufa. 

II. O desmatamento do Cerrado contribui pouco com a emissão de gases de efeito estufa no Brasil. 

III. Uma forma de diminuir a emissão de metano é transferir todo rebanho da Amazônia e do Cerrado para outros biomas. 

IV. A fermentação do alimento no trato digestório do gado gera o gás metano, um poderoso gás de efeito estufa. 

Estão corretas 
a) apenas I e II. 
b) apenas I e IV. 
c) apenas II e III. 
d) apenas II e IV. 
e) apenas III e IV. 

20. (Uel 2014) Em grandes cidades, o despejo de esgoto doméstico sem tratamento adequado tem provocado um processo de eutrofização nos lagos e rios próximos à zona urbana.

Assinale a alternativa que apresenta, corretamente, o evento que explica a mortalidade de organismos no ambiente aquático decorrente do lançamento de uma quantidade excessiva de matéria orgânica. 
a) Aumento da quantidade de bactérias anaeróbicas, diminuindo a concentração do oxigênio e dos sais dissolvidos na água. 
b) Diminuição da concentração de fosfatos para a atividade fotossintetizante das bactérias autótrofas. 
c) Diminuição dos peixes herbívoros que se alimentam da matéria orgânica decorrente da proliferação de bactérias anaeróbicas. 
d) Proliferação de bactérias aeróbicas, diminuindo a concentração de oxigênio dissolvido na água. 
e) Proliferação de organismos autótrofos que promovem uma competição intraespecífica por matéria orgânica.

Que ser aprovado no vestibular? Obter sucesso no ENEM? VOCÊ ESTÁ NO LUGAR CERTO! Venha conhecer o espaço virtual construído para você!

Nos últimos anos, a água tem estado em pauta. Fala-se da falta de chuvas e das consequências disso: danos à agricultura, racionamento de energia elétrica, implementação de campanhas para economizar o recurso nos diversos setores; fala-se das possibilidades de irrigação e, no Brasil, da transposição do rio São Francisco. Fala-se das águas contaminadas por produtos agrícolas; fala-se da poluição das águas devido aos resíduos urbanos – residenciais e industriais; fala-se do derretimento das calotas polares e do consequente aumento do nível do mar; fala-se do futuro, sem água, que nos espera; fala-se do Aquífero Guarani.

Apesar de existir bastante água no planeta, sua distribuição é bastante desigual: há regiões onde a água é abundante, como a região amazônica; há outras extremamente secas, como o deserto do Atacama/Chile. 

Observe nos gráficos sobre a distribuição da água no planeta.



A água é um recurso renovável, isto é, ela autopurifica-se num processo chamado ciclo hidrológico ou ciclo das águas. Você já estudou isso; para lembrar-se do processo, pesquise e enumere as fases do ciclo d’água.

A quantidade de água no ciclo é sempre a mesma (cerca de 1.386 milhão de  Km3), este volume d’água é uma constante no planeta há, aproximadamente, 500 milhões de anos. As alterações percebidas por nós são relativas às regiões. Por exemplo, uma região apresenta períodos chuvosos e secos devido a diversos fatores – climáticos, topográficos – mas a água que não está em determinada região em períodos de seca, está em algum outro lugar. 

O consumo de água pela população é variável de acordo com hábitos, costumes, disponibilidade do recurso e desenvolvimento da região. O abastecimento de água para a população é um indicador de qualidade de vida. Pode-se classificar o consumo de água por setores: o setor doméstico é o que menos consome água, sendo responsável por 10% do total; seguido do setor industrial, que responde por 21% do consumo; e, o grande consumidor é o setor agrícola, com 69% do total consumido no planeta.

Segundo Borghetti (2004, p. 82), “quanto maior o nível de desenvolvimento do país, maior é o consumo de água no setor doméstico”. Você poderia explicar por que isto ocorre? Lembre-se que é considerado setor doméstico o consumo de água para alimentação, uso sanitário e os serviços urbanos municipais como hospitais e creches.

A água é um recurso dotado de valor econômico e permite a produção de outros recursos e/ou bens. É utilizada para: produção de energia elétrica; abastecimento industrial; irrigação de plantações; transporte; pesca/piscicultura; turismo/lazer e, ainda tem uso terapêutico. Alguns autores diferenciam água de recurso hídrico. Chama-se água o elemento físico-químico, essencial à vida, e disponível na natureza; já, o recurso hídrico, é a água vista como bem econômico, dotado de valor financeiro.

Todos os usos da água provocam, também, efeitos negativos, que podem ser minimizados a partir de ações conscientes. Será que a desaceleração do modo de produção capitalista pode reverter estes efeitos?

Leia, a seguir, as diversas possibilidades de uso da água e alguns efeitos causados por cada um deles:
  • Abastecimento urbano: possibilita à produção de esgotos que, por sua vez, provocam poluição orgânica e química. “No Brasil, o lançamento de lixos domésticos e industriais sem tratamento nos cursos de água figura como a principal causa de degradação das águas” (Cláudio Langone, ministério do meio Ambiente, no IV Fórum mundial das Águas).
  • Processo industrial: gera resíduos que provocam poluição orgânica e química, muitas vezes com alto grau de toxidade; o desperdício também é um fator significativo nas atividades industriais, principalmente devido ao não reuso da água. 
  • Produção de energia elétrica: causa danos ambientais, sociais e econômicos, devido à formação do lago e a conseqüente necessidade de emigração das pessoas e fim da produção agrícola e pecuária ali existente.
  • Irrigação e criação de animais nas proximidades de rios: provocam perdas e poluição por agroquímicos utilizados nas lavouras e por dejetos orgânicos. 
  • Hidrovias: apesar de ser o meio de transporte de menor impacto ambiental, pode poluir por derrame de óleos combustíveis e/ou derramamento das cargas transportadas, principalmente se forem tóxicas.
  • Turismo/lazer e uso terapêutico (explorações econômicas em estâncias hidrominerais, águas termais, praias doces): aparentemente inofensivas, produzem grande quantidade de lixo.
Além de seu intenso uso, a água é, também, fonte de inspiração e aparece cantada em verso, prosa e notas musicais há muito tempo. Como exemplo, podemos citar diversas canções nas quais a água – ou sua forma de aparecer – é a personagem principal: a valsa “Danúbio Azul” (1867), de Johan Strauss II (1825-1899); a axé music, muito cantada no carnaval, “Água Mineral”, de Carlinhos Brown; a canção da  MPB “Águas de Março” (1972), de Tom Jobim (1927-1994); a MPB “Planeta Água” (1980), de Guilherme Arantes.

As canções citadas são de diversos gêneros, isto é, fazem parte de categorias dentro de um mesmo estilo ou têm alguns elementos em comum – melodia, harmonia, ritmo, timbre, forma, tessitura. Os gêneros podem ser definidos geograficamente (música indiana, por exemplo); cronologicamente (música renascentista); ou por apresentarem características técnicas em comum.

Isso não significa que não existam outros, pois os estilos musicais, ao entrarem em contato entre si, produzem novos estilos e as culturas se misturam para produzir novos gêneros. 

Alguns artistas utilizam os sons produzidos com a água em suas composições. É o caso de Hermeto Pascoal, músico alagoano que, além de tocar diversos instrumentos, produz sons harmoniosos a partir de objetos, entre outras coisas. Em entrevista concedida a Christiane Duarte, Daniel Lima e Oswaldo Schlickmann Filho, em 1999, e publicada no site construído por eles (disponível em: http://www.geocities.com/hermetopaschoal/index2.htm), ele declara: “Eu toco inclusive este aqui (mostra um copo com água) que é instrumento que eu toco muito no disco [...]”,&nb
sp;
referindo-se ao CD “Eu e Eles”, lançado naquele ano.

Por conta da essencialidade da água, ela atrai, onde quer que esteja, investimentos de muitos países. Apesar de a água ser um bem de uso comum do povo, muitas são as empresas a beneficiarem-se com seu manejo. Deste modo, países do mundo todo têm privatizado a exploração e distribuição de água para a população. No Brasil, diversas cidades privatizaram este serviço, a primeira delas foi Limeira, no interior de São Paulo, que, desde 1995, tem os serviços operados pela empresa francesa Lyonnaise des Eaux, uma das três empresas que controlam 40% do mercado mundial de água em cerca de 100 países. As outras empresas são: Veolia e Saur, também francesas. 

A privatização tem tornado os serviços mais caros e com qualidade duvidosa. Em diversos países têm ocorrido movimentos populares no sentido de tornar a água um recurso de manejo estatal. Na França, as privatizações municipais se deram na década de 80 do século XX; neste início de século, elas estão sendo revistas e muitas concessões estão sendo canceladas. No Uruguai, houve plebiscito que garantiu a água como bem de domínio público e, por isso, deve ser gerida pelo Estado (2004); na Bolívia, houve rescisão do contrato de prestação de serviços após protestos da população (2005). 

Muitas ações vêm acontecendo no sentido de garantir a gestão pública da água e sua distribuição a baixo custo. Entre elas está a realização do Fórum Mundial de Águas, que está na sua quarta versão. Segundo seus organizadores, o principal propósito do evento é definir caminhos adequados para que seja garantida a distribuição universal e sustentável do recurso. 

De acordo com diversas pesquisas, a água está tornando-se um recurso cada vez mais escasso e, justamente por isso, seu manejo vem sendo objeto de interesses econômicos e políticos. Em 2002, o documento da ONU denominado “Desafio Global, Oportunidade Global” apresenta informações como: 40% da população mundial tem dificuldade em conseguir água potável; 2,2 milhões de pessoas morrem, por ano, por beberem água contaminada; em 2025 serão 4 bilhões de pessoas sem acesso a água. Partindo dos números apresentados pela ONU, podemos afirmar que o controle do uso da água significa deter o poder?

Se voltarmos ao início deste texto, veremos que 22,4% da água disponível no planeta está abaixo da superfície. Ou seja, há mais água no sub-solo do que em rios e lagos. “Os terrenos ou formações geológicas que armazenam águas subterrâneas são chamados aquíferos” (ROCHA, 2002, p. 25). Segundo Scotti (2005), a Unesco apresenta registros a respeito do uso das águas subterrâneas e dos problemas decorrentes da má utilização destas reservas. Os aquíferos variam de tamanho e de profundidade. Entre os mais importantes do mundo está o Aquífero Guarani ou Sistema Aquífero Guarani (SAG), que ocupa 1,2 milhões de Km² nos territórios argentino, brasileiro, paraguaio e uruguaio. Da área total do aquífero, a maior parte está localizada em território brasileiro – cerca de 840.000 Km². Abrange parte das seguintes unidades da federação: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Veja na Figura 3 a localização do Aquífero Guarani. São 45 trilhões de m³ de água que, segundo Scotti (2005), necessitam de mais pesquisas a respeito de sua qualidade.

Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai vêm discutindo, na Comissão Parlamentar Conjunta do Mercosul (Mercado Comum do Sul), questões referentes ao aquífero e seu manejo. 

Em outubro de 2004 foi realizado o Seminário Internacional Aquífero Guarani “Gestão e Controle Social”, na cidade de Foz do Iguaçu, no Paraná. Participaram do evento membros da Comissão Parlamentar Conjunta, representantes dos Governos dos quatro países, de movimentos populares e de ONG’s que lidam com a problemática do meio ambiente e da água, e de universidades e centros de pesquisa. Neste evento foi redigida a “Carta de Foz do Iguaçu sobre o Aquífero Guarani”, documento em que os participantes declararam:

Que a reserva de água subterrânea estocada no Aquífero Guarani, comprovadamente um dos maiores sistemas aquíferos do mundo, estendendo-se pelos territórios do Brasil, da Argentina, do Paraguai e do Uruguai, indiscutivelmente uma das maiores riquezas naturais da Região do Cone Sul, seja declarado bem público do povo de cada Estado soberano onde a reserva se localiza, e que seja protegido pelos governos e populações para que possam, estratégica e racionalmente, auferir os benefícios comuns, indispensáveis para a sobrevivência futura. (Carta de Foz do Iguaçu, 2005.)

Lendo este trecho da Carta, você pode perceber preocupações com a proteção do aquífero bem como a explicitação de que os Estados-Nação onde ele se localiza são soberanos. Foi instituído em 2004, o Conselho Mercado Comum para “elaborar um projeto de Acordo dos Estados Partes do Mercosul relativo ao Aquífero Guarani que consagre os princípios e critérios que melhor garantam seus direitos sobre o recurso águas subterrâneas, como Estados e na sub-região”. O Conselho ainda não concluiu sua tarefa, mas, dentre os parâmetros que balizam a construção do projeto está o princípio da soberania dos Estados.

A maioria das pessoas acredita que, atualmente, não existem problemas de soberania; ou que, quando eles acontecem, são conflitos distantes de nós e não nos dizem respeito. Porém, diversas ações contemporâneas, por parte de diversas nações, ferem a soberania de outras e, tais ações têm conseqüências em todo o mundo.

A água sempre foi causadora de conflitos. Seja devido ao uso para navegação, seja para abastecimento da população, seja para a produção de energia.

No Brasil, por exemplo, parte da ocupação territorial deu-se por meio dos rios. Os conflitos de nosso país com os países vizinhos, hoje parceiros no Mercosul, deram-se devido à bacia do Prata, que engloba um dos principais sistemas hidroviários do mundo, do qual o rio Paraná é o principal formador. Lembre-se, também, de que o Paraguai não tem litoral e que o rio Paraná é seu acesso natural ao oceano.

Ainda em se tratando de acesso, o Canal do Panamá é outro exemplo de conflito. O Panamá fica no istmo que liga América do Norte à América do Sul, separa o Oceano Atlântico do Pacífico e, até o início do século XX, era território colombiano. O canal foi iniciado pelos franceses, em 1880, com o intuito de ligar os dois oceanos e, com isso, reduzir distâncias, o que favorecia a consolidação do capitalismo industrial, por meio da troca comercial entre países industrializados e países não-industrializados. Devido a diversos fatores, os franceses abandonaram o projeto. Os Estados Unidos, considerando que o domínio do canal seria de grande importância econômica, militar e política, fizeram contato com a Colômbia para terminar o projeto; como o acordo EUA-Colômbia não foi aprovado pelo parlamento colombiano, os EUA apoiaram o movimento panamenho de independência (1903), terminaram o canal e tiveram domínio sobre a Zona do Canal até 1999. 


As afirmações relativas à escassez de água potável num futuro próximo tornam este recurso natural objeto de cobiça. Evidentemente, possuir ou deter o poder sobre grandes mananciais é fator estratégico. Por isso, alguns pontos do planeta são zonas potenciais de conflito, por exemplo, EUA e Canadá – devido a região dos Grandes Lagos e rios compartilhados; e países da ex-Iugoslávia – devido ao compartilhamento da bacia do rio Danúbio (o mesmo da valsa citada anteriormente).

Desde junho de 2005, existem preocupações com a soberania dos países do ConeSul. Isso porque Paraguai e EUA fizeram, segundo o governo paraguaio, um acordo militar de treinamento. 

Em 27 de julho de 2005, a Folha de São Paulo publicou um artigo intitulado “Forças militares dos EUA podem intervir no Brasil, diz Fidel Castro”, o artigo refere-se a um discurso do ditador cubano onde demonstra preocupação com uma possível intervenção dos EUA na Bolívia e no Brasil. Tal preocupação deu-se devido ao desembarque de soldados norte-americanos no Paraguai.

Em 25 de setembro de 2005, o jornal argentino Clarín publicou uma matéria com título “Marines en Paraguay: se reaviva el temor sobre los recursos naturales” com sub-título: “Aumentan las sospechas de que la presencia militar está vinculada con el agua”, o texto trata da entrada dos militares estadunidenses no Paraguai, da imunidade total dada a eles e dos temores com relação ao Aquífero Guarani que esta ação provocou. 

O jornal O Globo, de 06 de janeiro de 2006, publicou artigo de Waldemar Zveiter (Ministro aposentado do Superior Tribunal de Justiça) intitulado “Os EUA e o Paraguai precisam se explicar”, no texto o autor trata da importância da água, da situação estratégica daqueles que a detêm e do desembarque dos soldados norte-americanos no Paraguai:

[...] dados geográficos tornam claríssima a importância estratégica do aquífero, tornando-se ainda mais relevante numa época em que cientistas sociais e geopolíticos alertam para a crescente importância da água no mundo. Bem acima do petróleo, para o qual já começam a ser encontradas alternativas, a água doce do planeta poderá se constituir, a partir dos próximos vinte anos, um motivo de disputas entre nações, levando-os até a guerra por seu domínio.

Cada um dos países do Mercosul que abrigam o Aquífero Guarani são Estados-Nação. São soberanos, isto é, independentes, têm autonomia sobre todo o seu território e tudo o que tem nele. Assim, cabe a estes países as decisões relativas à exploração e uso dos recursos naturais que possuem.

Fonte: SEED