SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS

Instagram siga no Instagram

 1. (Fmc 2021) Observe a charge sobre a problemática social.

 


A crítica contida na charge é dirigida centralmente ao seguinte problema:

a) Crise ambiental derivada de epidemias urbanas   

b) Desigualdade social decorrente da explosão demográfica   

c) Segregação socioespacial gerada nos grandes centros urbanos   

d) Redução do potencial turístico provocada pela pobreza urbana   

e) Desigualdade social causada pela desorganização dos trabalhadores   

2. (Fuvest-Ete 2022) Henri Lefebvre, em clássico livro - O direito à cidade - , escrito em meados do século passado (1968), afirmou, acerca do fenômeno urbano, que se poderia definir como "sociedade urbana a realidade social que nasce à nossa volta". Atualmente, segundo a ONU, 55% da população mundial vive em cidades e a expectativa é de que esta proporção aumente para 70% até 2050. Com relação às populações urbanas do mundo, em geral, e do Brasil, em particular, é correto afirmar o seguinte:

a) O Brasil acompanha essa tendência verificada pela ONU, pois ainda não pode ser considerado um país totalmente desenvolvido, já que não é industrializado, nem urbanizado.   

b) O Brasil já ultrapassou em muito essas projeções indicadas pela ONU, e uma das consequências disso é o enfraquecimento do agronegócio, hoje reduzido a 1/3 de sua economia.   

c) Tais projeções indicam, em média, as populações que vivem ou que se deslocarão para as cidades consideradas médias ou grandes nos países do mundo.   

d) Para um país ser considerado urbanizado, é necessário que sua população urbana ultrapasse os 70%, identificando uma realidade social, que, segundo Lefebvre, possa ser caracterizada como "sociedade urbana".   

e) Lefebvre diria que os índices da ONU subestimam a quantidade de pessoas que vivem sob condições, ritmos e atividades ditados pelas "sociedades urbanas", independentemente de viverem nos campos ou nas cidades.   

3. (Fuvest 2022) Eventos climáticos extremos marcaram este ano com vários exemplos no mundo, atingindo populações inteiras, tanto em ambientes rurais como urbanos. Dentre esses eventos, pode-se destacar as inundações na Alemanha no mês de julho, com regiões acometidas por fortes chuvas.

Um dos motivos que podem ser relacionados ao evento de inundação da área destacada é:

a) O fato de o rio meandrante desviar da área urbana instalada nas suas margens, pois o vale estreito é periodicamente inundado, em especial nos eventos climáticos extremos, que submergem os morros na cidade.   

b) A extensão do assentamento urbano que não respeitou os limites do canal fluvial, acabando por aterrá-lo, o que levou à inundação diante de um evento climático extremo, já que os rios não podem ser encobertos.   

c) A área urbana, que se encontra em um fundo de vale plano onde há a presença de um canal de rio meandrante, o qual pode ter suas águas periodicamente extravasadas para a planície de inundação.   

d) O insucesso da prevenção da inundação por meio da retificação do rio, pois se esperava que, mesmo com volumes excessivos de chuvas, as águas do canal fluvial não poderiam ser extravasadas para as margens.   

e) Como a área urbana se encontra em um fundo de vale rugoso, existe maior facilidade para o assentamento, porém com o risco de o rio entrelaçado desviar seu curso único, causando inundações laterais.   

 

4. (Uece 2022) Considerando os limites conceituais da cidade para a compreensão do processo de urbanização contemporâneo, assinale a afirmação verdadeira.

a) A urbanização da sociedade global tem colocado a cidade em um lugar cada vez mais secundário, haja vista o processo de urbanização ocorrer indistintamente, tanto em áreas urbanas como em áreas rurais, sem restringir-se aos limites físico e político-territoriais, suplantando aquilo que outrora a cidade conteve em seus limites.   

b) As cidades globais tornaram-se os verdadeiros epicentros do processo de urbanização da sociedade. São consideradas cidades globais aquelas aglomerações humanas com mais de 10 milhões de habitantes, independentemente de seu papel e hierarquia na rede urbana.   

c) Simultaneamente com a evolução da urbanização da sociedade no contexto da globalização, as cidades constituem-se em escalas fundacionais e essenciais aos sistemas de interações locais densas e imbricadas em movimentos complexos de curta, média e longa distância de pessoas, bens, serviços e informações.   

d) A cidade, apesar de sua expansão territorial dispersa, ainda continua sendo um objeto técnico bem definido na paisagem, apresentando um limite rígido e absoluto entre o ambiente construído e seu entorno rural.   

5. (Uece 2022) Segundo estimativas da Organização das Nações Unidas, em 30 anos a população urbana global deverá ultrapassar as seis bilhões de pessoas, quando as cidades passarão a abrigar aproximadamente 70% da população mundial; contudo, até 15 anos atrás mais da metade da população global ainda era considerada rural, pois, somente no ano de 2007, a população urbana mundial ultrapassou a população rural. Considerando a tendência de crescimento da população global, em particular da população que habita áreas denominadas urbanas, assinale a afirmação verdadeira.

a) Os critérios adotados pela ONU, que consideram urbana mais da metade da população mundial, são empiricamente limitados, pois generalizam critérios demográficos e tipologias de assentamentos humanos para os países, a fim de chegar a tal estimativa.   

b) Os critérios técnicos utilizados pela ONU para aferir a população urbana global são precisamente ajustados com as características da urbanização em cada país, levando em conta suas variadas particularidades territoriais.   

c) As estimativas globais possibilitam assegurar rigorosamente que se adentrou a era urbana da sociedade, haja vista as grandes metrópoles concentrarem a maior parte da população dos seus respectivos países e as cidades médias e pequenas tendencialmente perderem população, o que confirma a tese da era urbana da sociedade mundial.   

d) Os critérios técnicos de análise geográfica que cada país utiliza para diferenciar áreas urbanas de áreas rurais e, assim, mapear e contar sua população urbana e rural são comuns e equivalentes entre si, permitindo equiparações estatísticas em escala global.   

6. (Ufpr 2022) O conceito de “cidade global” surgiu nos anos 1980 para o estudo das relações entre os processos de globalização e de urbanização. Sobre esse tema, é correto afirmar:

a) As metrópoles classificadas como cidades globais são aquelas que apresentam grande relevância como centros financeiros, de serviços modernos e como sedes de empresas multinacionais.   

b) As metrópoles de países subdesenvolvidos tornam-se cidades globais quando suas populações superam 10 milhões de habitantes, pois assim os mercados dessas metrópoles alcançam relevância no comércio mundial.   

c) A globalização da economia tornou os territórios nacionais interdependentes e pacificou as relações entre países, de modo que as capitais nacionais perderam proeminência para os grandes centros econômicos.   

d) As cidades globais formam uma rede que concentra a maior parte da produção industrial do mundo, o que lhes confere proeminência no comércio internacional de produtos.   

e) O processo de urbanização completou-se na Europa antes do que nos demais continentes, razão pela qual as metrópoles europeias não atingem o mínimo de 10 milhões de habitantes necessários para serem classificadas como cidades globais.   

7. (Fmp 2021) Observe a charge sobre o déficit habitacional.


A crítica contida na charge é dirigida centralmente ao problema da

a) degradação ambiental associada a epidemias urbanas.   

b) deterioração do potencial turístico das periferias urbanas.   

c) desigualdade social provocada pela inércia dos trabalhadores.   

d) injustiça territorial decorrente da explosão demográfica.   

e) segregação socioespacial vigente nas grandes metrópoles.   

8. (Unicamp 2022) O mapa a seguir apresenta países com mais de 5 milhões de habitantes vivendo em favelas (ou outras formas de habitação precária).


Com base nas informações do mapa e em seu conhecimento sobre a população urbana que vive em habitações precárias e favelas, assinale a alternativa correta.

a) Em grande parte dos países da África Subsaariana, mais de 60% da população urbana vive em favelas ou habitações precárias, um problema social decorrente, entre outros fatores, da inserção do continente na divisão internacional do trabalho.   

b) Na América Latina, entre 5% e 20% da população urbana vive hoje em favelas ou habitações precárias, o que deixou de ser um problema social por conta da industrialização da região no século XX e da disseminação de políticas públicas.   

c) A forte desaceleração da urbanização na China e na Índia nesta década, associada a políticas públicas, tem levado à diminuição das habitações precárias nesses países, ainda que os números absolutos de moradores em condições precárias continuem elevados.   

d) A habitação precária não se coloca como uma questão social importante nos países do Oriente Médio, uma vez que há volumosos investimentos em políticas públicas para o setor da habitação, financiados com recursos obtidos da exploração do petróleo.   

9. (Famerp 2022) Observe as imagens.

 


No espaço urbano de grandes cidades brasileiras, as intervenções observadas nos rios revelam

a) resistência dos limites naturais à expansão da mancha urbana, área passível de exploração econômica.   

b) preservação dos espaços ocupados pelas planícies de inundação, áreas ocupadas pelos rios em momentos de cheia.   

c) atenção dos aglomerados urbanos com a segurança hídrica, garantia de acesso à água por redes de distribuição.   

d) alienação dos moradores em relação aos rios, percebidos apenas como escoadouro de águas.    

e) ocupação planejada dos espaços originalmente dedicados aos meandros, trechos correspondentes à foz de um rio principal.   

10. (Unicamp 2021) Em nosso planeta em rápida urbanização, a vida cotidiana da crescente população de urbanoides é cada vez mais sustentada por sistemas vastos e incrivelmente complexos de infraestrutura e tecnologia. Ainda que muitas vezes passem despercebidos – pelo menos quando funcionam –, esses sistemas permitem que a vida urbana moderna exista. Seus encanamentos, dutos, servidores, fios e túneis sustentam os fluxos, as conexões e os metabolismos que são intrínsecos às cidades contemporâneas.

(Adaptado de Stephen Graham, Cidades sitiadas. O novo urbanismo militar. São Paulo: Editora Boitempo, 2016, p. 345.)

Depreende-se do texto que

a) a vida na cidade é composta por um conjunto de individualidades autossuficientes, sem a necessidade de interconexões e solidariedades.   

b) as cidades contemporâneas são dependentes de sistemas técnicos infraestruturais, mas cada vez menos dependentes do trabalho técnico e social.   

c) os bastidores infraestruturais e sociais da vida urbana cotidiana, em geral ocultos, tornam-se claros e palpáveis em momentos de interrupções sistêmicas.   

d) a dependência das infraestruturas em rede existe apenas em cidades modernas e tecnologicamente avançadas, as chamadas cidades hight-tech.   

11. (Fgv 2021) A urbanização acelerada dos países subdesenvolvidos, articulando o êxodo rural e a metropolização, caracteriza o fenômeno denominado

a) conurbação, que ressignifica saberes e costumes herdados da vida no campo.   

b) macrocefalia urbana, que explicita as carências e as contradições das grandes cidades.   

c) especulação imobiliária, que modera o preço das propriedades de maneira inclusiva.   

d) cooperação urbana, que subverte o uso e a ocupação esperados dos espaços públicos.   

e) morfologia urbana, que justifica a toponímia adotada nos espaços recém-construídos.   

12. (Enem 2021) A vida das pessoas se modifica com a mesma rapidez com que se reproduz a cidade. O lugar da festa, do encontro quase desaparecem; o número de brincadeiras infantis nas ruas diminui – as crianças quase não são vistas; os pedaços da cidade são vendidos, no mercado, como mercadorias; árvores são destruídas, praças transformadas em concreto. Por outro lado, os habitantes parecem perder na cidade suas próprias referências. A imagem de uma grande cidade hoje é tão mutante que se assemelha à de um grande guindaste, aliás, a presença maciça destes, das britadeiras, das betoneiras nos dão o limite do processo de transformação diária ao qual está submetida a cidade.

CARLOS, A. F. A. A cidade. São Paulo: Contexto, 2011 (adaptado).

No contexto das grandes cidades brasileiras, a situação apresentada no texto vem ocorrendo como consequência da

a) manutenção dos modos de convívio social.   

b) preservação da essência do espaço público.   

c) ampliação das normas de controle ambiental.   

d) flexibilização das regras de participação política.   

e) alteração da organização da paisagem geográfica.   

13. (Famerp 2021) Grandes projetos urbanos de “revitalização” acontecem em todo o mundo, mas um caso que facilita o entendimento é a cidade norte-americana de Boston, em Massachusetts, onde houve duas camadas de valorização. A primeira foi na década de 1950, quando uma rodovia atravessou a cidade e toda a parte central foi ocupada por trabalhadores. No final dos anos 1990, outra intervenção: a rodovia passou a ser subterrânea. A antiga estrutura se transformou em parques, novas habitações, comércios e serviços, mudando a dinâmica e a composição populacional.

(Tiago Dias. https://tab.uol.com.br, 10.07.2020. Adaptado.)

As transformações do espaço urbano citadas no excerto caracterizam o processo de

a) gentrificação.   

b) conurbação.   

c) favelização.   

d) verticalização.   

e) metropolização.   

14. (Fuvest 2021) 

 


O esquema apresenta a linha de urbanização da sociedade, que vai do 0 ao 100%. Considerando os referenciais trazidos no esquema, fazem parte do contexto identificado na chamada “zona crítica”:

a) Monetarismo; Revolução Industrial; lei BilI Aberdeen.   

b) Comunismo; centralização do poder; New Deal.   

c) Neoliberalismo; elevada urbanização; crise hipotecária de 2008.   

d) Neocolonialismo; Revolução Agrária; quebra da Bolsa de Nova lorque.   

e) Mercantilismo; financeirização da economia; Acordo de Vestfália.   

15. (Unesp 2021) O predomínio mundial da urbanização, com o crescimento no número absoluto de cidades, teve como uma de suas consequências

a) a terciarização da economia, que levou à absorção da população economicamente ativa dos setores primário e secundário.   

b) a terceirização da gestão pública, que contribuiu para otimizar recursos ao restringir os cargos e os locais de atuação de profissionais.   

c) o fim do setor secundário, que valorizou setores mais modernos da economia urbana.   

d) a valorização do terceiro setor, que ampliou o papel do comércio para suprir as necessidades de consumo das populações.   

e) o desenvolvimento de cidades globais, que contribuiu para a padronização de leis de uso e ocupação do solo, a fim de ampliar a circulação de pessoas.   

 16. (Unesp 2021) Examine o infográfico.

 


O infográfico apresenta orientações para a concepção de

a) equipamentos urbanos, que ressignificam a dicotomia entre campo e cidade no século XXI.   

b) cidades inteligentes, que impõem técnicas ecológicas para a permanência de seus habitantes.   

c) construções sustentáveis, que visam reduzir a interferência humana no meio ambiente.   

d) bioconstruções, que apresentam como princípio a negação da ação antrópica no espaço natural.   

e) edificações ecoeficientes, que mantêm suas funções sem demandar recursos naturais.   

17. (Enem PPL 2020) Esse processo concentra a população de renda mais elevada e maior poder político em áreas mais centrais e privilegiadas em termos de empregos, infraestrutura básica e serviços sociais. Ao mesmo tempo, redistribui a população menos favorecida quanto a esses aspectos, constituindo uma ocupação periférica que se estende até os municípios limítrofes. Neles, as condições de acesso às áreas mais centrais são agravadas pelas grandes distâncias e pelas dificuldades relacionadas à eficiência do sistema de transporte.

CAIADO, M. C. S. Deslocamentos intraurbanos e estruturação socioespacial na metrópole brasiliense. São Paulo em Perspectiva, n. 4, out.-dez. 2005.

O texto caracteriza um estágio do processo de urbanização marcado pela

a) segregação socioespacial.   

b) emancipação territorial.   

c) conurbação planejada.   

d) metropolização tardia.   

e) expansão vertical.   

18. (Fuvest 2020) Em Barcelona, em 2012 e 2013, a cada 15 minutos uma família recebia ordem de despejo. Desde então, o panorama da habitação mudou totalmente. “(...) Estamos assistindo uma onda de especulação imobiliária (...) que agora se foca no aluguel”, explica Daniel Pardo da Associação de Moradores para um Turismo Sustentável. “Este fenômeno pôs em marcha um processo acelerado e violento de expulsão de inquilinos”, acrescenta. Onde a pressão da especulação imobiliária internacional e a indústria do turismo causaram um aumento substancial nos preços dos aluguéis, os catalães têm hoje de gastar mais de 46% dos seus salários com o aluguel. Para os jovens até os 35 anos, a taxa de esforço aumenta até os 65% (...). “Não queremos que os habitantes de Barcelona sejam substituídos por pessoas com maior poder de compra”, diz a portavoz do Sindicato dos Inquilinos. Só em Barcelona, 15 fundos de investimento imobiliário possuem 3.000 apartamentos.

“Os habitantes querem a sua cidade de volta”. Reportagem de Ulrike Prinz para o GoetheInstitut Madrid. Maio/2018. Adaptado.

Os conceitos que explicam as dinâmicas urbanas descritas no excerto são:

a) Financeirização e Industrialização.    

b) Gentrificação e Segregação.    

c) Aglomeração e Conurbação.    

d) Industrialização e Segregação.    

e) Conurbação e Gentrificação.    

19. (Fmc 2020) Considere o texto sobre o processo de urbanização.

Segundo a Divisão de População da ONU, aglomeração urbana “refere-se à população contida no interior de um território contíguo, habitado em níveis variáveis de densidade, sem levar em conta os limites administrativos das cidades”. Em outras palavras, é um conjunto de cidades em grande parte conurbadas, isto é, interligadas pela expansão periférica da malha urbana de cada uma delas ou pela integração socioeconômica comandada historicamente pelo processo de industrialização e atualmente, cada vez mais, pelo desenvolvimento do comércio e dos serviços.

MOREIRA, J.; SENE, E. Geografia Geral e do Brasil. São Paulo: Scipione, 2017, p. 190. 

A aglomeração urbana formada pelo fluxo de pessoas, capitais, informações, mercadorias e serviços entre duas ou mais metrópoles, integradas fortemente por modernas redes de transporte e telecomunicação, é denominada:

a) Fobópole   

b) Megalópole   

c) Cidade global   

d) Cidade mundial   

e) Metrópole global   

20. (Fmj 2020) 

O processo urbano abordado pela charge é o de

a) conurbação, expansão de dois ou mais bairros ou distritos urbanos limítrofes.   

b) expansão urbana, transformação em área urbana de terrenos definidos legalmente como rurais.   

c) gentrificação, privação ou carências de serviços públicos de infraestrutura urbana.   

d) gentrificação, recuperação de áreas urbanas degradadas em conjunto com a limpeza e higienização social.   

e) conurbação, valorização do solo urbano a partir de investimentos em um determinado terreno.   

Axact

Recomendamos

O espaço virtual do estudante!

Postar um comentário:

0 comentários: