SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS

Instagram siga no Instagram

1. (Fuvest-Ete 2022) Nos últimos anos, ganhou destaque na paisagem urbana das grandes cidades a presença maciça de motoboys; parte expressiva deles são entregadores por aplicativos. Além deles, motoristas de aplicativos já haviam ganhado espaço como responsáveis por mais uma forma de mobilidade urbana. Muitos autores acreditam que esteja ocorrendo um processo geral denominado "uberização" do trabalho, como argumenta Ludmila Abílio: "A uberização evidencia o presente e as tendências da gestão e subordinação do trabalho, que operam na indistinção entre vigilância, controle e gerenciamento do trabalho. Envolve a possibilidade de extração, processamento e gerenciamento de dados em dimensões gigantescas e ao mesmo tempo centralizadas, contando com as possibilidades contemporâneas de mapeamento integral do processo produtivo. Esse mapeamento e gerenciamento hoje incorporam, de novas maneiras ainda pouco conhecidas, a vida cotidiana de trabalhadores, usuários, consumidores.

ABÍLIO, Ludmila Costhek. Uberização: a era do trabalhador just-in-time? Estudos Avançados, 34 (98).

Nesse texto há uma definição de uberização. Assinale a alternativa que, segundo essa definição, está correta. A uberização do trabalho

a) é um fenômeno restrito ao trabalho de entregadores e motoristas de aplicativos.   

b) representa maior autonomia dos trabalhadores nos seus postos de trabalho.   

c) apoia-se no desenvolvimento tecnológico de mapeamento de grande quantidade de dados para gerenciar os processos de trabalho.   

d) significa que todos os trabalhos, no futuro, serão gerenciados por grandes empresas de aplicativos.   

e) é um processo que não depende das informações da vida cotidiana dos usuários, consumidores e trabalhadores.   

2. (Pucrj 2022) Observe o esquema referente à ampliação do setor portuário e seu contexto urbano.

Assinale a opção correta:

a) A expansão portuária reduz a poluição urbana.   

b) A dinâmica portuária diminui o preço do solo urbano.   

c) A atividade portuária afasta do centro urbano o comércio diversificado.   

d) A especialização portuária estimula o transporte multimodal na área urbana.   

3. (Fmc 2021) As grandes capitais brasileiras, como São Paulo e Rio de Janeiro, estão propícias à intensificação da pandemia de covid-19 porque são

a) mais abertas ao turismo e aos negócios por apresentarem índices de desenvolvimento elevados e poucos contrastes sociais, na mesma medida das cidades nordestinas.   

b) mais desenvolvidas industrialmente e sem uma cobertura verde que possa servir de barreira para a entrada de epidemias, criando políticas de sustentabilidade próximas às implementadas na região amazônica, diminuindo, com isso, os contrastes econômicos.   

c) menos expostas aos vírus e às epidemias, uma vez que seu desenvolvimento econômico garante a presença de uma atenção maior para a saúde coletiva, ultrapassando o modelo do SUS, e reduzindo os contrastes sociais.   

d) pontos de referência para outros deslocamentos no Brasil, fazendo com que seus portos e aeroportos sejam portas abertas para a circulação do vírus e a disseminação de infecção, além de serem aquelas que apresentam maiores contrastes sociais desde a Revolução de 1930.   

e) menos capacitadas para enfrentar situações de crise por falta de incentivos privados e públicos ao desenvolvimento urbano e por ausência de controle dos seus portos e aeroportos, provocando uma circulação de doenças nas áreas centrais e históricas, onde se concentra a população de alta renda.   

4. (Ueg 2021) Observe a imagem a seguir.

A questão da mobilidade urbana no Brasil, apresentada na imagem, é decorrente:

a) do incipiente investimento em transporte coletivo, como metrôs, trens urbanos e corredores de ônibus.   

b) do planejamento urbano e da evolução dos transportes coletivos nas grandes cidades brasileiras.   

c) das políticas de mobilidade que atendem as áreas centrais e periféricas das cidades.   

d) da flexibilidade no horário das atividades urbanas, distribuindo-as ao longo do dia.   

e) do incentivo ao uso de ciclovias, caronas coletivas e rodízios de carros.   

5. (Famema 2021) Analise o gráfico.

O contexto expresso no gráfico indica a necessidade brasileira de

a) incentivar políticas de obsolescência programada.   

b) aumentar os investimentos no setor de logística.   

c) reavaliar as infraestruturas dedicadas ao marketing.   

d) promover a organização de compras coletivas.   

e) combater os resquícios do consumo consciente.   

6. (Ufjf-pism 2 2021) “Apesar do imbróglio judicial que envolve o Porto Seco de Juiz de Fora, as operações na estação aduaneira seguem sem interrupções. Os rumores de que as atividades seriam encerradas foram desmentidos pela administradora Multiterminais Alfandegados do Brasil à Tribuna. O local segue funcionando sob liminar e, no dia 21 de fevereiro, recebeu a autorização especial da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para prestação de serviços de armazenagem de mercadorias como medicamentos, cosméticos e alimentos.”

Disponível em: https://tribunademinas.com.br/noticias/economia/04-05-2019/porto-seco-recebe-autorizacao-para-operar-commedicamentos-cosmeticos-e-alimentos.html. Acesso em 06/11/2020

Sobre os chamados “Portos Secos” pode-se afirmar CORRETAMENTE que são:

a) Portos existentes em rios, ou áreas alagadas como o Pantanal Matogrossense, que são intermitentes, ou seja, secam em determinado período do ano, tornando sua função inviável durante o período da estiagem.   

b) Portos livres da corrupção comumente atrelada à atividade portuária e dos pagamentos indevidos de impostos que oneram as atividades de importação e de exportação de produtos industrializados.   

c) Portos livres das taxas alfandegárias que oneram o chamado “custo Brasil”, retirando os excessivos impostos que incidem sobre produtos importados, encarecendo-os e induzindo à consequente inflação.   

d) Portos existentes em antigas áreas marítimas, fluviais ou pantaneiras que foram drenadas e aterradas para dar lugar à instalação de meios transportes intermodais como ferrovias, rodovias e aeroportos.   

e) Áreas secundárias às atividades alfandegárias, normalmente conectadas a uma rede de transportes intermodais, nos quais se permite a estocagem e trâmites especiais de pagamentos alfandegários.   

7. (Ufjf-pism 2 2021) Observe a imagem, leia atentamente o texto indicado e responda à questão abaixo:

Repavimentação da BR-319 pode quadruplicar desmatamento no Amazonas

            Um estudo inédito sobre o possível impacto Ambiental provocado pela pavimentação da rodovia BR-319 mostra que o desmatamento acumulado no estado do Amazonas pode aumentar quatro vezes até 2050. (...) E mais: seria praticamente impossível que o Brasil cumprisse acordos climáticos internacionais, por causa do aumento de emissões de gases de efeito estufa.

            O estudo do Laboratório de Gestão de Serviços Ambientais da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) projeta dois cenários para o período (2017 a 2050), um sem e o outro com obras na rodovia.

            O primeiro cenário, sem a pavimentação, mantém a média anual de desmatamento dos últimos cinco anos, que é de 1,1 mil km2, segundo dados do Prodes/Inpe. No segundo, com a pavimentação, (...) elevaria as taxas de desmatamento chegando a 9,4 mil km2 anuais em 2050. O desmatamento acumulado no Amazonas de 2017 a 2050 passaria então de 40 mil km2 no primeiro cenário, para 170 mil km2 no segundo - quatro vezes mais com a pavimentação.

Adaptado de: https://www.dw.com/pt-br/repavimenta%C3%A7%C3%A3o-da-br-319-pode-quadruplicar-desmatamento-no-amazonas/a-55506804. Acesso em 08/11/2020.

Escolha a opção que explica CORRETAMENTE a relação entre a pavimentação da BR 319 e os Impactos Ambientais descritos no texto.

a) A pavimentação da rodovia a converteria em uma disseminadora natural do fogo, na medida em que os resíduos petroquímicos utilizados na manta asfáltica entram em combustão em altas temperaturas, como ocorre na região Amazônica.   

b) A pavimentação da rodovia estimularia fluxos migratórios, expansão de atividades agrícolas, mineradoras e de atividades extrativistas (madeira) e a ocupação de terras, o que causaria o aumento exponencial do desmatamento.   

c) A pavimentação da rodovia permitirá um melhor uso do solo na região, utilizando o “fogo frio para combater o fogo na região amazônica, concentrando as queimadas no entorno da BR 319”, conforme defendeu o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.   

d) A pavimentação da rodovia provocaria maiores manifestações sociais, como as dos povos tradicionais, agricultores familiares e grupos de camponeses sem terra, que costumam depredar e incendiar a mata em suas ações reivindicatórias.   

e) A relação entre a pavimentação da rodovia e o desmatamento previsto nessa reportagem é falacioso, pois com a melhoria da rodovia, as atividades econômicas poderão ser melhor fiscalizadas e o índice de queimadas tenderá a diminuir.   

8. (Pucpr Medicina 2020) Um dos temas mais polêmicos do ano de 2019 refere-se à questão envolvendo os patinetes elétricos. Essa questão gerou embates na cidade de São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba e envolve o código brasileiro de trânsito que entrou em vigor em 1998. Porém as primeiras regras em relação a esses tipos de veículos surgiram em 2013, destacando as seguintes normas:

·      circulação apenas em calçadas, ciclovias e ciclofaixas.

·      velocidade máxima de 6 km/h em calçadas e 20 km/h em ciclovias e ciclofaixas.

·      capacete não é obrigatório.

Fonte: <https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2019/05/31/patinetes-entenda-a-polemica-entre-a-prefeitura-de-sp-e-as-empresas-de-compartilhamento.ghtml>. Acesso em: 10/08/19.

Assinale a alternativa que apresenta uma consequência positiva e outra negativa para a população no que diz respeito ao tema.

a) Redução dos custos de transportes coletivos - aumento da criminalidade.   

b) Aumento das áreas de lazer - diminuição da fiscalização no trânsito.   

c) Redução da economia compartilhada - proibição do uso de patinetes para crianças e adolescentes.    

d) Diminuição da poluição - aumento do número de acidentes.   

e) Limitação da velocidade em áreas urbanas - restrição do uso dos patinetes ao centro das grandes cidades.   

9. (Uerj 2016) No mapa, são informados tanto a intensidade dos fluxos de passageiros por via aérea quanto o correspondente movimento de passageiros em cada cidade, no ano de 2010.

 

De acordo com as informações, a rede de cidades do Brasil é caracterizada pelo seguinte aspecto:

a) prevalência de centro primaz   

b) ocorrência de hierarquia urbana   

c) constituição de áreas conurbadas   

d) periferização de regiões metropolitanas   

10. (Unicamp 2016) 

Sobre o papel da cabotagem no processo de formação do território brasileiro, é correto afirmar:

a) A cabotagem viabilizou o comércio marítimo entre os principais portos do território no período colonial. Todavia, esse sistema de transporte veio a encerrar suas atividades no final do século XIX, quando o transporte ferroviário passou a responder por todas as trocas interprovinciais.   

b) A cabotagem consistiu num primitivo sistema de transportes do início da colonização, articulando os portos das principais cidades. Trata-se de um elemento primordial para a formação do território brasileiro, pois permitiu sua precoce unificação e completa articulação inter-regional.   

c) A cabotagem teve importante papel no longo processo de formação do território brasileiro, transportando pessoas, mercadorias e informações entre os principais portos desde o período colonial. No século XX, perdeu importância para o sistema de transporte rodoviário.   

d) A cabotagem foi implantada no Brasil no final do século XIX, fazendo uso de modernos navios a vapor para articular o comércio interprovincial. Atualmente, concorre com os sistemas ferroviário e rodoviário para transportar cargas, particularmente aquelas conteinerizadas.   

 11. (Fgvrj 2016) Na economia globalizada, ocorre uma maior circulação de pessoas, produtos, capital, informações etc. entre os países. Para isso, são criados e aperfeiçoados sistemas de engenharia que facilitam o movimento.

Sobre a situação brasileira quanto a esses sistemas, analise as afirmações a seguir.

I. Ao longo da segunda metade do século XX, o Estado brasileiro investiu em sistemas de engenharia capazes de criar as condições de circulação indispensáveis à sua integração ao comércio internacional.

II. As deficiências da infraestrutura de transportes oneram as exportações de commodities agrícolas, porque causam um gargalo logístico que dificulta o escoamento da produção.

III. Na primeira década do século XXI, o Estado brasileiro instalou sistemas de transportes articulados com o objetivo de aumentar a polarização da Região Concentrada.

Está correto o que se afirma em

a) I, apenas.   

b) III, apenas.   

c) I, II e III.   

d) I e II, apenas.   

e) II, apenas.   

12. (Uece 2016) A taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Ceará cresceu 4,36% em 2014, de acordo com dados preliminares divulgados pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece).

PIB do Ceará é de 4,36% Previsão é de crescimento
http://www.opovo.com.br/app/opovo/economia/ previsao-e-de-crescimento.shtml

Atente ao que se diz sobre a economia do Ceará.

I.  O setor de serviços representa aproximadamente 8% da economia do Estado do Ceará, apresentando-se em ascendência para os próximos anos.

II.  Mesmo em um cenário de escassez hídrica, houve aumento na produção de grãos entre 2013 e 2014.

III.  O setor agropecuário tem grande representatividade no PIB do Estado, sendo responsável por mais de 75% do mesmo.

Está correto o que se afirma somente em

a) I e II.   

b) II.   

c) II e III.   

d) I.   

13. (Unesp 2015) Analise a tabela.

 Variação do percentual de posições de atendimento das empresas de teleatendimento, por região brasileira, 2000-2011

A partir dos dados apresentados na tabela e considerando as especificidades dos serviços de teleatendimento, é correto afirmar que, no período analisado, houve

a) redução na representatividade da região Sudeste, explicada pela baixa dinâmica econômica e pela parca disponibilidade de mão de obra qualificada.   

b) redução na representatividade da região Sul, entendida pelo colapso de suas redes informacionais e pelos altos impostos cobrados pela administração pública.   

c) aumento na representatividade da região Nordeste, associado à disponibilidade de redes técnico-informacionais e aos menores custos de operação.   

d) aumento na representatividade da região Centro-Oeste, devido ao incremento do agronegócio e à ampliação dos serviços terceirizados.

e) redução na representatividade da região Norte, explicada pela raridade de centros urbanos e pelo interesse privado em oferecer serviços ligados ao campo.   

14. (Enem 2014) A Estrada de Ferro Noroeste do Brasil, que começa a ser construída apenas em 1905, foi criada, ao contrário das outras grandes ferrovias paulistas, para ser uma ferrovia de penetração, buscando novas áreas para a agricultura e povoamento. Até 1890, o café era quem ditava o traçado das ferrovias, que eram vistas apenas como auxiliadoras da produção cafeeira.

CARVALHO, D. F. Café, ferrovias e crescimento populacional: o florescimento da região noroeste paulista. Disponível em: www.historica.arquivoestado.sp.gov.br. Acesso em: 2 ago. 2012.

Essa nova orientação dada à expansão ferroviária, durante a Primeira República, tinha como objetivo a

a) articulação de polos produtores para exportação.   

b) criação de infraestrutura para atividade industrial.   

c) integração de pequenas propriedades policultoras.   

d) valorização de regiões de baixa densidade demográfica.   

e) promoção de fluxos migratórios do campo para a cidade.   

15. (Enem 2014) A urbanização brasileira, no início da segunda metade do século XX, promoveu uma radical alteração nas cidades. Ruas foram alargadas, túneis e viadutos foram construídos. O bonde foi a primeira vítima fatal. O destino do sistema ferroviário não foi muito diferente. O transporte coletivo saiu definitivamente dos trilhos.

JANOT, L. F. A caminho de Guaratiba. Disponível em: www.iab.org.br. Acesso em: 9 jan. 2014 (adaptado).

A relação entre transportes e urbanização é explicada, no texto, pela

a) retirada dos investimentos estatais aplicados em transporte de massa.   

b) demanda por transporte individual ocasionada pela expansão da mancha urbana.   

c) presença hegemônica do transporte alternativo localizado nas periferias das cidades.   

d) aglomeração do espaço urbano metropolitano impedindo a construção do transporte metroviário.   

e) predominância do transporte rodoviário associado à penetração das multinacionais automobilísticas.   

16. (Ufsj 2012) Sobre a organização do espaço brasileiro, é CORRETO afirmar que o 

a) crescimento de áreas agrícolas destinadas ao mercado externo, como as da soja, favoreceu o fortalecimento das lavouras tecnificadas. 

b) sistema de transportes predominante no Brasil é multimodal e articula rodovias, ferrovias, hidrovias e portos, fato que reduz o custo da produção brasileira. 

c) descobrimento das reservas do Pré-Sal fez a Petrobrás abandonar os investimentos em pesquisa para geração de combustíveis alternativos como os bicombustíveis. 

d) setor secundário foi o que mais cresceu no Brasil e é hoje responsável pela elevação dos fluxos migratórios do campo para as grandes cidades. 

17. (Enem 2012) A soma do tempo gasto por todos os navios de carga na espera para atracar no porto de Santos é igual a 11 anos — isso, contando somente o intervalo de janeiro a outubro de 2011. O problema não foi registrado somente neste ano. Desde 2006 a perda de tempo supera uma década.

Folha de S. Paulo, 25 dez. 2011 (adaptado).

A situação descrita gera consequências em cadeia, tanto para a produção quanto para o transporte. No que se refere à territorialização da produção no Brasil contemporâneo, uma dessas consequências é a 

a) realocação das exportações para o modal aéreo em função da rapidez. 

b) dispersão dos serviços financeiros em função da busca de novos pontos de importação. 

c) redução da exportação de gêneros agrícolas em função da dificuldade para o escoamento. 

d) priorização do comércio com países vizinhos em função da existência de fronteiras terrestres. 

e) estagnação da indústria de alta tecnologia em função da concentração de investimentos na infraestrutura de circulação. 

18. (Unicamp simulado 2011) As estradas de ferro brasileiras nunca constituíram uma rede nacional. Mesmo durante seu tempo de (modesto) esplendor, resumiam-se a uma coleção de linhas de exportação de minerais e produtos agrícolas, que raramente tomavam a forma de uma rede regional, exceto, parcialmente, no Nordeste ou no Estado de São Paulo. 

(Adaptado de Hervé Théry e Neli Aparecida de Mello, Atlas do Brasil: disparidades e dinâmicas do território. São Paulo: EDUSP/Imprensa Oficial, 2005, p. 204 e 205.)

A malha ferroviária no Brasil nunca constituiu uma rede nacional porque 

a) possui uma malha com diferentes bitolas e interliga especialmente áreas do interior do país, visando a integração regional. 

b) apesar de apresentar grande integração das malhas, liga preferencialmente o interior aos portos, visando a exportação. 

c) possui uma malha com diferentes bitolas e interliga especialmente áreas do interior aos portos, visando a exportação. 

d) apesar de apresentar grande integração das malhas, liga preferencialmente as regiões interiores do país. 

19. (Enem 2010) No dia 28 de fevereiro de 1985, era inaugurada a Estrada de Ferro Carajás, pertencente e diretamente operada pela Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), na região Norte do país, ligando o interior ao principal porto da região, em São Luís. Por seus, aproximadamente, 900 quilômetros de linha, passam, hoje, 5353 vagões e 100 locomotivas.

Disponível em: http://www.transportes.gov.br. Acesso em 27 jul. 2010 (adaptado).

A ferrovia em questão é de extrema importância para a logística do setor primário da economia brasileira, em especial para porções dos estados do Pará e Maranhão.

Um argumento que destaca a importância estratégica dessa porção do território é a 

a) produção de energia para as principais áreas industriais do país. 

b) produção sustentável de recursos minerais não metálicos. 

c) capacidade de produção de minerais metálicos. 

d) logística de importação de matérias-primas industriais. 

e) produção de recursos minerais energéticos. 

20. (Ufpr 2010) Sobre o Porto de Paranaguá, assinale a afirmativa correta. 

a) Escoa minério de ferro, manganês, carvão, gás e petróleo, movimentando grandes tonelagens e mercadorias de alto valor, por atender a região Sudeste. 

b) Movimenta grãos e barrilha, que é um produto químico usado na fabricação de vidro e detergentes. Caracteriza-se por operar com pouca interferência na cidade. 

c) Terminal graneleiro controlado pela Companhia Vale do Rio Doce, exporta minério de ferro para vários países e permite o acesso de navios de grande porte. 

d) É um dos principais exportadores de produtos agrícolas. Exporta e importa grãos, líquidos, automóveis, madeira e papel. 

e) Exporta frango congelado, madeira, pisos cerâmicos, máquinas, papel e fumo. Possui abrangência estadual, porque escoa a quase totalidade da produção do estado. 

21. (Espcex (Aman) 2013) Nos últimos anos, o Brasil tem realizado um enorme esforço no sentido de ampliar sua participação no comércio internacional, buscando superar os elevados custos de deslocamento que dificultam a chegada dos seus produtos aos mercados externos.

Dentre as principais propostas de ação da atual política de transporte no País, pode-se destacar 

a) a completa substituição do sistema rodoviário, que é mais dispendioso, pelos sistemas hidroviário e ferroviário. 

b) a construção de estações intermodais a fim de permitir a integração dos diferentes meios de transporte do País. 

c) a construção de novas infraestruturas de circulação urbana (pistas expressas, viadutos) com o propósito de reduzir congestionamentos e valorizar a paisagem urbana das grandes cidades. 

d) a eliminação do transporte de cabotagem com vistas a reduzir os custos portuários e a intrincada burocracia administrativa. 

e) a redução da participação dos investimentos e do controle do setor privado sobre o transporte rodoviário e sobre o setor portuário a fim de eliminar, por exemplo, os custos com pedágio. 

22. (Enem 2009) O suíço Thomas Davatz chegou a São Paulo em 1855 para trabalhar como colono na fazenda de café Ibicaba, em Campinas. A perspectiva de prosperidade que o atraiu para o Brasil deu lugar a insatisfação e revolta, que ele registrou em livro. Sobre o percurso entre o porto de Santos e o planalto paulista, escreveu Davatz: “As estradas do Brasil, salvo em alguns trechos, são péssimas. Em quase toda parte, falta qualquer espécie de calçamento ou mesmo de saibro. Constam apenas de terra simples, sem nenhum benefício. É fácil prever que nessas estradas não se encontram estalagens e hospedarias como as da Europa. Nas cidades maiores, o viajante pode naturalmente encontrar aposento sofrível; nunca, porém, qualquer coisa de comparável à comodidade que proporciona na Europa qualquer estalagem rural. Tais cidades são, porém, muito poucas na distância que vai de Santos a Ibicaba e que se percorre em cinquenta horas no mínimo”.

Em 1867 foi inaugurada a ferrovia ligando Santos à Jundiaí, o que abreviou o tempo de viagem entre o litoral e o planalto para menos de um dia. Nos anos seguintes, foram construídos outros ramais ferroviários que articularam o interior cafeeiro ao porto de exportação, Santos.

DAVATZ, T. Memórias de um colono no Brasil. São Paulo: Livraria Martins, 1941 (adaptado).

O impacto das ferrovias na promoção de projetos de colonização com base em imigrantes europeus foi importante, porque 

a) o percurso dos imigrantes até o interior, antes das ferrovias, era feito a pé ou em muares; no entanto, o tempo de viagem era aceitável, uma vez que o café era plantado nas proximidades da capital, São Paulo. 

b) a expansão da malha ferroviária pelo interior de São Paulo permitiu que mão de obra estrangeira fosse contratada para trabalhar em cafezais de regiões cada vez mais distantes do porto de Santos. 

c) o escoamento da produção de café se viu beneficiado pelos aportes de capital, principalmente de colonos italianos, que desejavam melhorar sua situação econômica. 

d) os fazendeiros puderam prescindir da mão de obra europeia e contrataram trabalhadores brasileiros provenientes de outras regiões para trabalhar em suas plantações. 

e) as notícias de terras acessíveis atraíram para São Paulo grande quantidade de imigrantes, que adquiriram vastas propriedades produtivas. 

23. (Fuvest 2009) Uma das características atuais do processo de globalização é a exigência, cada vez maior, de fluidez de informações e mercadorias, ou, em essência, do próprio capital. Tal exigência tem conduzido os países à reestruturação de seus sistemas de circulação. Nesse sentido, no Estado brasileiro, nos últimos anos, 

a) priorizou-se o transporte público urbano, com a ampliação do número de linhas do Metropolitano em todas as capitais dos Estados. 

b) houve uma ampla recuperação da malha ferroviária, com a construção de novos trechos, a exemplo da Transnordestina. 

c) privilegiou-se o sistema de cabotagem, valorizando-se o transporte de passageiros pelo território nacional e interligando as áreas costeiras do país. 

d) priorizou-se o transporte hidroviário, voltado à exportação de grãos, conforme atestam as hidrovias Tietê-Paraná e do Rio São Francisco. 

e) intensificou-se a modernização do sistema portuário, incluindo a construção de portos como os de Sepetiba (RJ) e Pecém (CE).

24. (Uff 2010) O mundo como fábula, como perversidade e como possibilidade


Vivemos num mundo confuso e confusamente percebido. Haveria nisto um paradoxo pedindo uma explicação? De um lado, é abusivamente mencionado o extraordinário progresso das ciências e das técnicas, das quais um dos frutos são os novos materiais artificiais que autorizam a precisão e a intencionalidade. De outro lado, há, também, referência obrigatória à aceleração contemporânea e todas as vertigens que cria, a começar pela própria velocidade. Todos esses, porém, são dados de um mundo físico fabricado pelo homem, cuja utilização, aliás, permite que o mundo se torne esse mundo confuso e confusamente percebido. De fato, se desejamos escapar à crença de que esse mundo assim apresentado é verdadeiro, e não queremos admitir a permanência de sua percepção enganosa, devemos considerar a existência de pelo menos três mundos num só. O primeiro seria o mundo tal como nos fazem vê-lo: a globalização como fábula; o segundo seria o mundo tal como ele é: a globalização como perversidade; e o terceiro, o mundo como ele pode ser: uma outra globalização.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização. Do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2000, p. 17-18.

Não tem sido pequeno o esforço econômico e político dos governos peruano e brasileiro para a construção dos mais de três mil quilômetros da Rodovia Interoceânica, projeto de 2 bilhões de dólares que conectará os dois países. Contudo, antes de se converter num instrumento de desenvolvimento, a rodovia exerce sua função mais primária: revelar o Peru aos peruanos.

A estrada começa a interligar o litoral, possuidor de maior nível de desenvolvimento, às comunidades até agora isoladas.

Conforme a declaração do presidente da Câmara de Comércio e Turismo de Cuzco “A rodovia tem nos revelado surpresas. Nem nós nos conhecemos. Antes de sabermos o que a Interoceânica pode nos oferecer com acesso ao Brasil, estamos descobrindo o que podemos oferecer para nós mesmos.”

Alguns aspectos, vinculados ao Peru e ao Brasil, respectivamente, influenciam a construção da rodovia.

Dentre esses aspectos, identifique os dois principais. 

a) O litoral peruano tem baixa profundidade para instalação de portos/busca pela utilização dessa via por exportadores do Oriente Médio. 

b) Grupos terroristas, como o Sendero Luminoso, atuam crescentemente na região/ intensificação do turismo entre Peru e Brasil. 

c) O lado peruano é uma área politicamente instável/ empenho brasileiro na exportação de borracha provinda da floresta amazônica. 

d) Algumas regiões peruanas ricas buscam sua independência/ampliação da oferta de mão de obra para empresas do sudeste brasileiro. 

e) A Cordilheira dos Andes exige investimentos altos em infraestrutura/interesses do agronegócio brasileiro em exportar aos mercados asiáticos.

25. (Pucsp 2012) Leia com atenção:

“As cidades constituem-se no palco das contradições econômicas, sociais e políticas e o sistema viário é um espaço em permanente disputa entre diferentes atores, que se apresentam como pedestres, ciclistas, condutores e usuários de automóveis, caminhões, ônibus e motos”.

(BRASIL Acessível. Programa Brasileiro de Acessibilidade Urbana. Ministério das Cidades, 2006. p. 2)

A referência aqui são as grandes cidades brasileiras. Sobre a questão da acessibilidade nessas áreas pode-se observar que 

a) nas “disputas” por mobilidade urbana, a automobilização crescente gera problemas para o pedestre que também é usuário dos transportes coletivos. 

b) as preocupações constantes com a mobilidade e a segurança dos pedestres se estendem cada vez mais aos portadores de necessidades especiais. 

c) a multiplicação do hábito do uso da bicicleta resultou da construção de muitas ciclovias nas cidades, roubando, se necessário, espaço dos automóveis. 

d) ônibus e caminhões ao multiplicaram-se no sistema viário das grandes cidades são como vilões que provocam trânsito e atrapalham os pedestres. 

e) a multiplicação de motos nas cidades brasileiras é responsável pelos congestionamentos e por dificuldades na circulação de pessoas e mercadorias. 






Axact

Recomendamos

O espaço virtual do estudante!

Postar um comentário:

0 comentários: