SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS

Instagram siga no Instagram

1. (FAMERP 2020) Um novo estudo realizado pela Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) na população indígena Yanomami constatou a presença de mercúrio nas amostras de cabelo de 56% das mulheres e crianças da região de Maturacá, no Amazonas, em níveis acima do tolerado pela Organização Mundial da Saúde. “O mercúrio é disseminado pelas águas dos rios e a contaminação de seres humanos se dá, especialmente, por meio da ingestão de peixes contaminados”, afirmou o coordenador da pesquisa, Paulo Basta.

(Filipe Leonel. “Contaminação por mercúrio se alastra na população Yanomami”. www.ensp.fiocruz.br, 16.08.2019. Adaptado.) 

A contaminação por mercúrio apresentada no excerto está associada

a) à calagem para eliminar a acidez do solo.   

b) ao terraceamento sem o controle de erosão.   

c) ao garimpo ilegal para a extração de ouro.   

d) à laterização para a extração da canga.   

e) a aterros sanitários sem a impermeabilização do terreno.   

2. (UNICAMP 2020) O petróleo continua sendo a fonte de energia mais importante do mundo. A posse de reservas, o transporte e a capacidade de refino figuram como elementos de soberania nacional e estratégicos em um mundo extremamente competitivo. Em relação ao petróleo no Brasil, é correto afirmar:

a) As descobertas das reservas nacionais ocorreram a partir dos anos 1980 e a Bacia de Campos (RJ) é hoje a principal produtora do país.   

b) A extração nacional é cada dia maior, mas a inexistência de oleodutos exige que o transporte seja realizado por meio rodoviário.   

c) A maior produção em terra provém do Estado do Rio Grande do Norte e, em mar, do pré-sal situado entre os Estados de São Paulo e Rio de Janeiro.   

d) Apesar de possuir grandes reservas, especialmente com as descobertas do pré-sal, não há refino no país, por isso os derivados são importados.   

3. (UFRGS 2020) Leia os segmentos abaixo.

 

No caso de Brumadinho, o lodo invadiu o ribeirão Ferro-Carvão, e dali já seguiu para o [rio] Paraopeba. O ribeirão, devido à sua topografia, acabou retendo em seu vale boa parte dos rejeitos. Isso significa que as chuvas que estão caindo hoje e que vão cair nos próximos anos vão carrear esses rejeitos continuamente para o [rio] Paraopeba.

Disponível em: <https://www.nationalgeographicbrasil.com/meio-ambiente/2019/02/

lama-toxica-poluicao-barragem-fundao-samarco-mariana-abrolhos>. Acesso em: 21 mar. 2019.

 

Pesquisadores confirmaram que a lama do rompimento da barragem do Fundão, em Mariana (MG), percorreu cerca de 660 km do rio Doce e depois chegou ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos.

Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2019/02/lamaavanca-por-rio-e-moradores-deixam-casas.shtml>. Acesso em: 21 mar. 2019.

Considere as afirmações abaixo, sobre os problemas ambientais associados ao rompimento de barragens de mineração.

 

I. Os danos ambientais do rompimento das barragens de rejeitos de mineração reportados envolvem biota, microclima, solos, recursos hídricos (drenagem superficial e subterrânea), população, dinâmica sedimentar e processos de formação do relevo.

II. Os impactos ambientais acontecem a montante e a jusante de onde ocorreu o evento, pois o entendimento da extensão dos danos envolve o conceito de bacia hidrográfica.

III. O impacto do rompimento da barragem da Samarco, no Parque Nacional Marinho de Abrolhos, está relacionado à ação da corrente oceânica de Humboldt.

 

Quais estão corretas?

a) Apenas I.   

b) Apenas II.   

c) Apenas III.   

d) Apenas I e II.   

e) I, II e III.   

4. (UERJ 2020

O BRASIL SOB A LAMA

O Brasil viveu, na última semana, um pesadelo. O país ainda chora os 110 mortos e mais de 200 desaparecidos deixados pela avalanche de lama da sexta-feira passada, dia 25 de janeiro, em Brumadinho (MG), causada pelo rompimento de uma barragem de rejeitos da mineradora Vale. A tragédia tem um precedente muito próximo, também no Estado de Minas Gerais, em Mariana. Em 5 de novembro de 2015, o rompimento de duas paredes de contenção na represa da Samarco matou 19 pessoas e deixou um irreparável rastro de destruição ambiental.

É assombroso constatar que, mais de três anos depois, o Brasil continua debatendo sobre os mesmos problemas que ocasionaram a primeira tragédia. Mais ainda, que durante todo este tempo nada tenha sido feito para melhorar a segurança de tais instalações. É terrível também ver como uma parte da sociedade continua demonizando a fiscalização ambiental e militando em uma dicotomia cega e antiquada entre preservação e desenvolvimento econômico.

Adaptado de brasil.elpais.com, 01/02/2019.


NÃO HÁ DESENVOLVIMENTO SEM PROTEÇÃO AMBIENTAL

O desastre de Brumadinho é uma boa oportunidade para refletir sobre uma visão muito disseminada no Brasil de que a proteção ambiental é um entrave ao desenvolvimento. Muitos acreditam que devemos desenhar políticas econômicas sem analisar suas consequências ambientais. Isso está profundamente equivocado. Os livros de economia das melhores universidades do mundo já não falam mais de crescimento sem considerar os seus impactos ambientais, que no passado eram tratados como simples “externalidades”.

Na visão antiga, qualquer forma de extrair minério é boa porque faz a economia crescer. Não entra nessa perspectiva a análise do custo das vidas e da degradação ambiental decorrente de desastres como os de Brumadinho ou Mariana. Se os órgãos ambientais tivessem exigido maiores investimentos da Vale na segurança das barragens antes de conceder a licença, isso teria sido visto como um “entrave ambiental”.

VIRGÍLIO VIANA

Adaptado de brasil.elpais.com, 16/03/2019.

Nos textos são apresentados alguns dos significados dos desastres humanos e ambientais causados pelo rompimento de barragens de rejeitos de mineração em Mariana e Brumadinho.

Os desastres mencionados indicam a permanência do seguinte critério na relação entre desenvolvimento econômico e preservação ambiental:

a) valorização da ocupação laboral   

b) primazia da acumulação capitalista   

c) racionalização da produção industrial   

d) retomada da desregulamentação estatal   

5. (UDESC 2019) “Sementes, insetos e flores significam riqueza e lucros estratosféricos para a indústria farmacêutica e de cosméticos. De acordo com estimativas do IBAMA, a biopirataria movimenta cerca de US$ 60 bilhões ao ano em todo mundo, ocupando o terceiro lugar no rol de atividades ilegais mais lucrativas, perdendo somente para o tráfico de armas e drogas. Só o Brasil, perde, por baixo, cerca de US$1 ao ano.”

(Luiz Antônio de Medeiros, A CPI da pirataria: os segredos do contrabando e da falsificação no Brasil. São Paulo, Geração editorial, 2005).

Analise as proposições sobre a biopirataria e a sua prática no Brasil.

 

I. Consiste na transferência de produtos biológicos e de conhecimentos tradicionais e sua proteção por meio de leis de propriedade intelectual com a finalidade de lucro sem reconhecimento aos descobridores informais.

II. É considerada uma atividade ilegal e pouco lucrativa no cenário internacional.

III. A megadiversidade biológica do Brasil, aliada à presença de comunidades indígenas e quilombolas, torna o país grande alvo de ações da biopirataria.

IV. As ações de fiscalização de fronteiras e o fortalecimento da legislação ambiental têm se mostrado eficazes no combate à biopirataria.

V. Exemplos de produtos biopirateados no Brasil incluem a andiroba, a copaíba e o cupuaçu.

Assinale a alternativa correta.

a) Somente as afirmativas II, IV e V são verdadeiras.    

b) Somente as afirmativas IV e V são verdadeiras.    

c) Somente as afirmativas I, III e IV são verdadeiras.    

d) Somente as afirmativas II e III são verdadeiras.    

e) Somente as afirmativas I, III e V são verdadeiras.   

 

6. (CPS 2016)  No Brasil, as principais áreas de extração do minério de ferro são a Serra dos Carajás e o Quadrilátero Ferrífero, que se localizam, respectivamente, nos estados
a) de Goiás e do Maranhão.   
b) de São Paulo e do Amapá.   
c) de Roraima e do Tocantins.    
d) do Pará e de Minas Gerais.    
e) do Amazonas e de Sergipe.   
  
7. (Ufsm 2015)  Observe a figura:
Marque a resposta correta.
a) As regiões Norte e Nordeste registraram os menores volumes de consumo de sal do país.   
b) A participação da indústria da alimentação no consumo de sódio foi maior no Sudeste, onde se localiza a maioria das indústrias desse setor.   
c) A ingestão de sódio é mais alta nas regiões mais ricas do país, devido ao poder aquisitivo da população dessas regiões.   
d) A responsabilidade da indústria no consumo de sal é heterogênea entre todas as regiões brasileiras.   

e) O sal é um alimento importante para a saúde, mas de difícil acesso à dieta alimentar dos brasileiros.   

8. (CPS 2014) O sal faz uma grande viagem até chegar à nossa mesa.
No Brasil, as principais salinas produtoras de sal marinho estão localizadas nos estados do Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Ceará e Piauí; ficando os estados de Alagoas e Bahia responsáveis pela extração de sal-gema de minas.

Acredite, essa substância que hoje temos fartamente à disposição foi um dos bens mais desejados da história humana. Apesar de encher os oceanos, brotar de nascentes e rechear camadas subterrâneas, o sal já foi motivo de verdadeira obsessão e de guerras entre povos e nações.

Quimicamente, a definição de sal é bem simples: trata-se de uma substância produzida pela reação de um ácido com uma base. Como há muitos ácidos e bases, há vários tipos diferentes de substâncias que podem ser chamadas de sal.

O que chamamos popularmente de sal de cozinha, ou simplesmente sal, é o cloreto de sódio, que pode ser formado a partir da reação do ácido clorídrico com a soda cáustica (hidróxido de sódio).

A água do mar é a principal fonte desse sal, porém ele também pode ser encontrado em jazidas subterrâneas, fontes e lagos salgados.

(super.abril.com.br/ciencia/imperio-sal-443351.shtml Acesso em: 16.08.2013 e dnpm.gov.br/assets/galeriaDocumento/SumarioMineral2008/salmarinho.pdf Acesso em: 22.08.2013. Adaptados)
A análise do texto permite concluir, corretamente, que o sal
a) é denominado cloreto de sódio, quando produto da reação entre ácido clorídrico e hidróxido de sódio.
b) pode ser encontrado somente em jazidas subterrâneas, fontes e lagos.
c) tem, como principal fonte, uma reação entre um ácido e uma base.
d) vem de salinas presentes em todos os estados do país.
e) é obtido por uma reação química entre dois ácidos.

9. (Unesp 2011) O mapa representa a “Amazônia Azul”, uma área de aproximadamente 4,5 milhões de km2, traçada ao longo do litoral brasileiro. 

Sobre a “Amazônia Azul”, pode-se afirmar que: 
a) é uma área que o Brasil delimitou para opor-se à salvaguarda e à exploração dos recursos naturais. 
b) é uma região onde a exploração pesqueira está embargada para permitir a exploração do pré-sal. 
c) foi criada para que os recursos vivos na Zona Econômica Exclusiva –ZEE sejam exclusivamente pescados por navios fábricas. 
d) essa demarcação objetivou delimitar áreas de pequeno interesse comercial e assegurar os impostos para todos os estados da União. 
e) nessa área, o Brasil pretende exercer seus direitos de soberania ou jurisdição para melhor salvaguardar e explorar os recursos naturais nela existentes. 

10. (Pucrs 2012) A antiguidade geológica do território brasileiro, associada aos diferentes tipos de rochas e terrenos que se formaram ao longo de mais de dois bilhões de anos, possibilita ao país uma atividade econômica importante na exploração de produtos minerais. 

Atualmente, a exploração de ________________ ocorre _____________, e a de ______________ ocorre _____________. 

a) carvão mineral – no Amazonas; manganês – no Piauí. 
b) bauxita – na Bahia; potássio – em Sergipe. 
c) ferro – no Pará; bauxita – no Maranhão. 
d) ferro – no Maranhão; bauxita – em Tocantins. 
e) potássio – em Sergipe; níquel – no Ceará. 

11. (Fuvest 2012) Observe as charges 
As charges, respectivamente, dos cartunistas Henfil (1982) e Dalcio (2011) estão separadas por quase trinta anos de história, mas unidas na crítica 
a) ao preço, no mercado internacional, da madeira extraída das florestas brasileiras. 
b) à presença de capital estrangeiro na exploração de madeiras de florestas no país. 
c) à exportação ilegal, via países vizinhos, de madeira extraída das florestas brasileiras. 
d) ao desmatamento extensivo e indiscriminado das florestas brasileiras. 
e) ao uso recorrente de queimadas na eliminação de florestas no país. 

12. (Cftmg 2012) “As atividades extrativistas que ocupam a maioria da população da região de mata da ilha de Marajó apresentam como fundamental característica a sazonalidade, isto é, dependem da estação do ano em que se tornam economicamente viáveis, seja pelo período de amadurecimento dos frutos da(o) ___________, seja pelas condições climáticas que permitem o acesso mais fácil às zonas de extração da____________ ou que propiciam a produção da(o) ____________”. 
BRASIL, Marília Carvalho. As estratégias de sobrevivência da população ribeirinha da Ilha do Marajó. In: TORRES, Haroldo. et al (Org.). População e meio ambiente: debates e desafios. São Paulo: Senac, 2000. p. 113. (Adaptado) 

Relacionando as condições socioambientais e as atividades econômicas desenvolvidas na região amazônica, a sequência correta que completa as lacunas é 
a) açaí, madeira, seringa. 
b) mamona, soja, algodão. 
c) cacau, canaúba, mineral. 
d) babaçu, cana de açúcar, palmito. 

13. (Ufg 2012) Os elementos terras raras (ETR) são utilizados na produção do que há de mais moderno na fabricação de produtos tecnologicamente sofisticados, como computadores, celulares, tablets, painéis solares, telas de led etc. Eles são 17 elementos químicos muito parecidos, agrupados em uma mesma família na tabela periódica. O Brasil possui grandes reservas desses elementos, apesar de pouco exploradas. O estado de Goiás pode tornar-se um dos estados mais beneficiados pela exploração desses minérios no Brasil, tendo em vista o fato de possuir também uma das maiores reservas de fosfato, que apresenta em seus rejeitos minérios terras raras. Um desses elementos considerados como terras raras e o município goiano, onde ocorre essa extração de fosfato, são, respectivamente: 
a) fósforo – Catalão. 
b) lantânio – Barro Alto. 
c) antimônio – Americano do Brasil. 
d) lantânio – Catalão. 
e) tecnécio – Americano do Brasil. 

14. (Uftm 2011) Uma das maiores transnacionais brasileiras e uma das maiores mineradoras do mundo, o grupo empresarial da Vale é composto por, pelo menos, 27 empresas coligadas, controladas ou joint ventures, distribuídas em mais de 30 países, como Brasil, Angola, Austrália, Canadá, Chile, Colômbia, Equador, Indonésia, Moçambique, Nova Caledônia e Peru, onde desenvolve atividades de prospecção e pesquisa mineral, mineração, operações industriais e logística. 

A partir da observação do mapa, da leitura do texto e de seus conhecimentos geográficos, pode-se afirmar que: 
a) a Vale atua em todos os continentes, com exceção da Antártida. 
b) a Vale é uma empresa de capital exclusivamente brasileiro. 
c) por sua origem brasileira, a Vale evita atuações que superexplorem a mão de obra. 
d) o continente com o maior número de empreendimentos da empresa é a Oceania. 
e) a base principal das operações da Vale é o enriquecimento de urânio, em parceria com o Irã. 

15. (Fuvest 2011) Conforme proposta do geógrafo Aziz Ab’Saber, existem, no Brasil, seis domínios morfoclimáticos. 
Assinale a alternativa correta sobre o Domínio Morfoclimático das Araucárias. 
a) A urbanização e a exploração madeireira pelas indústrias da construção civil e do setor moveleiro tiveram papel central na redução de sua vegetação original. 
b) O manejo sustentável permitiu a expansão de parreirais em associação com a mata de araucária remanescente, na faixa litorânea. 
c) As araucárias recobriam as planícies da Campanha Gaúcha no sul do país, tendo sido dizimadas para dar lugar à avicultura e à ovinocultura. 
d) A prática da silvicultura possibilitou a expansão desse domínio morfoclimático para a porção oeste do Planalto Ocidental Paulista. 
e) A expansão do processo de arenização no sul do país provocou a devastação da cobertura original de araucária. 

16. (Unesp 2013) Leia o texto e analise os mapas. 
As terras-raras formam um grupo de 17 elementos químicos, com propriedades muito semelhantes entre si, em termos de maleabilidade e resistência, que permitem aplicações diversas. Indispensáveis à indústria de alta tecnologia, elas estão no centro de uma disputa global. As maiores reservas em potencial estão situadas no Brasil. A extração e principalmente o refino das terras-raras são, porém, altamente poluentes; por esta razão, cientistas estudam novos meios de exploração e novas aplicações que poluam menos. 

De acordo com a leitura do texto e a observação dos mapas, é correto afirmar que as duas maiores concentrações de reservas de terras-raras estão localizadas nas regiões de integração e desenvolvimento do
a) Oeste e Araguaia-Tocantins. 
b) Sudoeste e Sul. 
c) Arco Norte e Madeira-Amazonas. 
d) São Francisco e Transnordestino. 
e) Sudeste e Transnordestino. 

17. Leia:

A história geológica, o grande território, a extensa costa marinha e o clima tropical viabilizaram a presença e a concentração de diversas substâncias minerais na atmosfera, hidrosfera, biosfera, crosta continental e oceânica do Brasil. 
No entanto, mesmo que as características físicas do território sejam importantes, o fator determinante para se conseguir aproveitar os bens minerais é o investimento em pesquisa e inovação tecnológica. 
Cláudio Scliar. Mineração, base material da aventura humana. Belo Horizonte: Geoartelivros, 2004, p. 67 (com adaptações). 

São necessárias ações específicas para que, da atividade mineradora, resultem ganhos sociais para o Brasil. Para alcançar tal resultado, a ação mais importante a ser adotada é
a) fomentar a dinamização entre a utilização de recursos minerais e a ampliação do consumo. 
b) desenvolver a articulação entre o uso do território, a educação e a cidadania. 
c) articular as políticas públicas com as modernas formas de gestão. 
d) estabelecer ambiente propício à economia mundializada.


18. (Uerj 2013) O assassinato do líder seringueiro Chico Mendes, em 1988, deu expressão internacional à pequena cidade de Xapuri, no Acre, e voltou o olhar do mundo para milhares de cidadãos que fazem da extração do látex seu sustento e do Vale Amazônico sua morada. O que poucos sabem é que esse foi apenas mais um capítulo da saga da borracha. Durante a Segunda Guerra Mundial, um exército de retirantes foi mobilizado com pulso firme, propaganda forte e promessas delirantes para deslocar-se rumo à Amazônia e cumprir uma agenda do Estado Novo. Ao fim do conflito, em 1945, os migrantes que sobreviveram às durezas da selva foram esquecidos no Eldorado. Passadas décadas, os soldados da borracha hoje lutam para receber pensão equivalente à dos ex-pracinhas. 
Adaptado de revistaepoca.globo.com, 18/04/2011. 

A extração de recursos naturais da Floresta Amazônica, como o látex, ainda hoje se insere em um contexto de problemas sociais, relacionados principalmente ao seguinte fator: 
a) escassez de mão de obra qualificada 
b) precariedade das condições de trabalho 
c) insuficiência dos sistemas de transporte 
d) insalubridade da infraestrutura habitacional 



Axact

Recomendamos

O espaço virtual do estudante!

Postar um comentário:

0 comentários: