SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS

Instagram siga no Instagram

Cuba, desde sua independência, foi um dos países americanos que mais agia em favor das políticas dos EUA. Em sua constituição figurava uma emenda chamada Emenda Platt, a qual garantia basicamente aos EUA o direito de intervir diretamente na política cubana caso seus interesses fossem ameaçados. 

Na década de 50, governada por Fulgêncio Batista, Cuba era um país pobre e com diversos problemas, como a maioria de seus vizinhos. Em 1953, um grupo comandado por Fidel Castro tentou ocupar um quartel militar para, a partir daí, depor Batista. Foram derrotados, entretanto, e Castro acabou exilado no México. 

Castro não desistiu. No México, organizou um grupo com cerca de oitenta homens para invadir Cuba e remover Batista do governo. Em 1956 desembarcaram em Cuba, mas o governo sabia de sua vinda. Sob fogo, fugiram para as montanhas de Sierra Maestra, sobrando apenas cerca de vinte dos oitenta originais. Com o apoio dos camponeses da região, Castro transformou um grupo de vinte em uma grande luta que tomava lugar nas ruas de Havana. Batista dava sinais de fraqueza, e necessitava da ajuda americana para repelir os golpistas. Os EUA, entretanto, optaram por não fazê-lo. Não apoiaram Batista por acharem que Castro no poder seria de interesse deles. Afinal, os camponeses o apoiavam, ele seria capaz de administrar o país de forma mais harmoniosa. Deve-se ressaltar aqui que, até este momento, Castro nunca havia se dito comunista, nem se filiado a qualquer partido de esquerda. 

Castro venceu, e os EUA viraram o rosto. Logo após de alcançar o poder em Cuba, entretanto, Castro se aliou aos comunistas e tratou de implantar o socialismo em Cuba, para a surpresa dos americanos. Para os soviéticos tal desenvolvimento foi excelente, pois agora não havia comunismo apenas na Europa central e na Ásia, mas também na América. De Cuba, a tarefa de espalhar o comunismo para a América parecia muito mais factível. 

A invasão da Baía dos Porcos e a Crise dos Mísseis

Em 1961, o governo americano tomou iniciativa, e organizou uma expedição de cubanos exilados nos EUA para tentar tomar, ou ao menos desestabilizar, o regime de Castro. A invasão deveria ocorrer no local chamado Baía dos Porcos. Esta expedição foi, entretanto, derrotada, e ficou claro para Cuba e URSS que havia sido um ataque orquestrado pelos americanos. 

Os soviéticos não queriam que Castro deixasse o governo de Cuba de forma alguma. Era um ponto estratégico valiosíssimo, um bastião do socialismo a algumas centenas de metros dos EUA. A URSS, neste ano, passou a instalar em Cuba equipamento para lançamento de mísseis, de modo a poder ameaçar os EUA em seu próprio quintal. Quando confrontados pelos EUA, a URSS afirmava que não havia mísseis em Cuba que pudessem atacar alvos terrestres, os mísseis terra-terra, apenas mísseis para atingir alvos aéreos, mísseis Terra-ar. A não ser que os EUA possuíssem cidades voadoras, os mísseis cubanos não poderiam ser usados de outra maneira que não defensiva, afirmava Krushchev. Aviões americanos, entretanto, conseguiram fotografar a base em Cuba e foi descoberto que, na verdade, eram mísseis terra-terra e que os soviéticos estavam mentindo. Foi talvez o momento mais tenso de toda guerra fria, com os EUA ameaçando atacar a URSS imediatamente se os mísseis não fossem removidos. Depois de pouco mais de uma semana de negociações, a URSS retirou os mísseis de Cuba. 

O desfecho da crise gerou outros efeitos notáveis, dentre os quais se destaca o afastamento de Krushchev da liderança soviética. Se até este momento os embates entre EUA e URSS haviam sido travados de forma indireta, as discussões e ameaças entre as duas superpotências acerca da questão cubana foram a primeira grande queda-de-braço diretamente travada entre as duas. Nesta competição, a URSS foi claramente derrotada, e forçada a recuar diante da ameaça de força norte-americana. Sendo Krushchev o único líder da história da URSS a sair de seu cargo em vida (com exceção de Gorbachev, que apenas deixou de ser o líder supremo soviético em vida porque a própria URSS terminou), argumenta-se que politicamente o governante perdeu apoio político após tal derrota – apesar de sua saída ter sido justificada, na época, por problemas de saúde do líder soviético. Se a política de desestalinização de Krushchev já incomodava muitos políticos soviéticos, tal evento se provou um excelente pretexto destes descontentes para removê-lo da posição de autoridade e liderança. 

Axact

Recomendamos

O espaço virtual do estudante!

Postar um comentário:

0 comentários: