Genética: Grupos Sanguíneos - Questões de Vestibulares


1. (IFPE 2017) A doação de sangue é um ato voluntário e solidário. Em cada doação, são coletados aproximadamente 450 ml de sangue, que correspondem a menos de 10% do volume sanguíneo total de um adulto, por esse motivo só é permitida a doação por pessoas acima de 50 kg. Isso não afeta nossa saúde, pois o plasma é reposto em algumas horas, as plaquetas se restabelecem em alguns dias, e as hemácias demoram alguns meses. 
HEMOPE. Esclarecendo dúvidas. Disponível em: <http://www.hemope.pe.gov.br/queroserdoadorescladuvidas.php#1>. Acesso: 03 out. 2016.
  
Os fenótipos do sistema sanguíneo ABO são determinados por um gene com alelos múltiplos. Sobre a herança dos grupos sanguíneos na espécie humana, é CORRETO afirmar:
a) um casal formado por um homem com sangue do tipo O e uma mulher com sangue tipo B pode ter um filho com sangue do tipo AB.    
b) com relação à dominância, o tipo sanguíneo A é dominante sobre o tipo sanguíneo B, e ambos são dominantes sobre o tipo O.    
c) um casal formado por um homem com sangue do tipo A e uma mulher com sangue tipo B pode ter um filho com sangue do tipo O.    
d) uma pessoa com sangue do tipo AB pode doar para pessoas dos tipos A, B, AB e O, por ser considerado um doador universal.    
e) uma pessoa com sangue do tipo O recebe sangue de pessoas dos tipos A, B, AB e O, por ser considerado um receptor universal.    
  
2. (Ufrgs 2017) Um casal tem dois filhos. Em relação ao sistema sanguíneo ABO, um dos filhos é doador universal e o outro, receptor universal.

Considere as seguintes possibilidades em relação ao fenótipo dos pais.

I. Um deles pode ser do grupo A; o outro, do grupo B.
II. Um deles pode ser do grupo AB; o outro, do grupo O.
III. Os dois podem ser do grupo AB.

Quais estão corretas?
a) Apenas I.   
b) Apenas II.    
c) Apenas III.   
d) Apenas II e III.    
e) I, II e III.   
  
3. (Upf 2017) Carlos e Juliana, ambos com visão normal, tiveram três filhos: um menino daltônico com tipo sanguíneo AB, um menino com visão normal e tipo sanguíneo O e uma menina com visão normal e tipo sanguíneo B. Considerando o fenótipo dos filhos, podemos concluir que:
a) Juliana é portadora de um alelo recessivo do gene que codifica para o daltonismo e Carlos não tem esse alelo; Carlos tem tipo sanguíneo AB e Juliana tem tipo sanguíneo B.   
b) Juliana é portadora de um alelo recessivo do gene que codifica para o daltonismo e Carlos não tem esse alelo; um deles tem tipo sanguíneo A e o outro tem tipo sanguíneo B.   
c) Carlos tem um alelo recessivo do gene que codifica para o daltonismo e Juliana não tem esse alelo; um deles tem tipo sanguíneo A e o outro tem tipo sanguíneo B.   
d) Carlos e Juliana tem um alelo recessivo do gene que codifica para o daltonismo; ambos têm tipo sanguíneo AB.   
e) Juliana é portadora de um alelo recessivo do gene que codifica para o daltonismo e Carlos não tem esse alelo; Carlos tem tipo sanguíneo O e Juliana tem tipo sanguíneo AB.   
  
4. (Pucsp 2016) Na figura abaixo é mostrado o número de diferentes tipos sanguíneos do sistema ABO, em 200 pessoas analisadas:
Após a análise dos dados, pode-se afirmar que as hemácias de APENAS
a) 90 dessas pessoas poderiam ser doadas para um receptor portador de aglutinogênios A e B.   
b) 25 dessas pessoas poderiam ser doadas para um receptor portador de aglutinina anti-A.   
c) 85 dessas pessoas poderiam ser doadas para um receptor portador de aglutinogênio A.   
d) 80 dessas pessoas poderiam ser doadas para um receptor portador de aglutininas anti-A e anti-B.   
  
5. (Ebmsp 2016) Um casal suspeitou que sua filha fora trocada na maternidade e solicitou a investigação do caso, sabendo que os registros do hospital indicavam o nascimento de seis meninas na mesma data. Para esclarecer a suspeita, inicialmente, foram realizados exames de sangue para o sistema ABO e fator RH em todas as meninas.

Designando-se por 1 a suposta filha do casal e por 2, 3, 4, 5 e 6  as demais crianças, obteve-se os resultados apresentados a seguir.


Considerando-se essas informações e os conhecimentos sobre genética, é correto afirmar:
a) A mãe deverá ser heterozigota para o sistema ABO se a criança 3 for a filha do casal.   
b) Será necessário realizar um exame de DNA com as crianças 1, 3, 4 e 5 para determinar qual delas é a filha do casal já que, pelos resultados apresentados, não é possível excluir a filiação de nenhuma delas.   
c) A mãe com tipo sanguíneo A e o pai com tipo sanguíneo AB não podem ter filhos com tipo sanguíneo B, por isso a criança 2 não pode ser a filha do casal.   
d) O casal em questão só poderá ter filhos com sangue A ou AB.   
e) Considerando a mãe heterozigota para o sistema ABO, a possibilidade de o casal ter uma criança com tipo sanguíneo AB é de 50%.   

6. (Unesp 2016) Sílvio e Fátima têm três filhos, um deles fruto do primeiro casamento de um dos cônjuges. Sílvio é de tipo sanguíneo AB Rh- e Fátima de tipo O Rh+. Dentre os filhos, Paulo é de tipo sanguíneo A Rh+, Mário é de tipo B Rh- e Lucas é de tipo AB Rh+.

Sobre o parentesco genético nessa família, é correto afirmar que
a) Paulo e Mário são irmãos por parte de pai e por parte de mãe, e Lucas é filho de Sílvio e não de Fátima.   
b) Lucas e Mário são meios-irmãos, mas não se pode afirmar qual deles é fruto do primeiro casamento.   
c) Paulo e Lucas são meios-irmãos, mas não se pode afirmar qual deles é fruto do primeiro casamento.   
d) Paulo e Mário são meios-irmãos, mas não se pode afirmar qual deles é fruto do primeiro casamento.   
e) Lucas e Mário são irmãos por parte de pai e por parte de mãe, e Paulo é filho de Sílvio e não de Fátima.   
  
7. (Enem 2ª aplicação 2016) Um jovem suspeita que não é filho biológico de seus pais, pois descobriu que o seu tipo sanguíneo é O Rh negativo, o de sua mãe é B Rh positivo e de seu pai é A Rh positivo.

A condição genotípica que possibilita que ele seja realmente filho biológico de seus pais é que
a) o pai e a mãe sejam heterozigotos para o sistema sanguíneo ABO e para o fator Rh.   
b) o pai e a mãe sejam heterozigotos para o sistema sanguíneo ABO e homozigotos para o fator Rh.   
c) o pai seja homozigoto para as duas características e a mãe heterozigota para as duas características.
d) o pai seja homozigoto para as duas características e a mãe heterozigota para o sistema ABO e homozigota para o fator Rh.   
e) o pai seja homozigoto para o sistema ABO e heterozigoto para o fator Rh e a mãe homozigota para as duas características.   
  
8. (Fgv 2016) A imagem da lâmina a seguir mostra um resultado obtido em teste de tipagem sanguínea humana para os sistemas ABO e Rh. O método consiste, basicamente, em pingar três gotas de sangue da mesma pessoa sobre três gotas de reagentes: anti–A, anti-B e anti–Rh.

O resultado obtido nessa lâmina permite afirmar que o sangue da pessoa testada é do tipo
a) A Rh+, pois apresenta aglutinogênios A e Rh em suas hemácias.   
b) B Rh-, pois apresenta aglutininas anti-A em seu plasma.   
c) B Rh+, pois apresenta aglutinogênios B e Rh em suas hemácias.   
d) A Rh+, pois apresenta aglutininas anti-B e anti-Rh em seu plasma.   
e) A Rh-, pois apresenta aglutinogênios A em suas hemácias.   
  
9. (Uemg 2016) Ana Júlia está super preocupada porque ouviu dizer que, sendo ela Rh- (negativo) e seu namorado Emílio Rh+ (positivo), não poderiam se casar e nem ter filhos, porque, senão, todos eles nasceriam com a doença hemolítica eritroblastose fetal, que os mataria logo após o nascimento.

Do ponto de vista biológico, o melhor aconselhamento que poderia ser dado a Ana Júlia seria: 
a) Não se preocupe porque a informação está totalmente incorreta. Risco de nascerem bebês com a doença hemolítica eritroblastose fetal só existiria se vocês dois fossem Rh- (negativo).    
b) Realmente, o que você ouviu dizer está correto e vocês não podem ter filhos, porque todos eles apresentariam a doença hemolítica eritroblastose fetal e morreriam, durante a gestação, ou logo após o parto.    
c) Não se preocupe porque a informação está completamente errada. O risco de nascer criança com a doença hemolítica eritroblastose fetal não está relacionado com o fator Rh, mas com o fator ABO, podendo ocorrer quando o pai for do grupo AB e a mãe do grupo O.    
d) Realmente, essa situação favorece a ocorrência de eritroblastose fetal em bebês que sejam Rh+ (positivo). Porém vocês podem perfeitamente se casarem e terem filhos, desde que seja feito um pré-natal adequado, com acompanhamento médico, que deverá tomar todas as medidas de profilaxia ou tratamento, se for necessário.   
  
10. (Pucmg 2004)  Interpretando a figura a seguir sobre a Doença Hemolítica do recém-nascido (DHR), assinale a afirmativa INCORRETA.
 
a) A placenta normalmente funciona como uma barreira que separa as células sanguíneas fetais e maternas.   
b) Após a 1a gravidez, os antígenos fetais não serão capazes de induzir a produção de anticorpos anti-Rh pela mãe.   
c) Em III, após o contato com o antígeno Rh+, a mãe produz anticorpos anti-Rh que podem ser transferidos para a corrente sanguínea fetal.   
d) Se, logo após o parto da 1a gravidez, a mãe recebesse anticorpos anti-Rh, a DHR poderia ser evitada.   

Compartilhe no Google Plus

Sobre Portal do Vestibulando

O objetivo do site é fornecer material didático a todas as pessoas que buscam ampliar seus conhecimentos, vestibulandos ou não. Assim, caso você precise de algum material específico, entre em contato conosco para que possamos disponibilizá-lo!