Brasil: População - Questões de Vestibulares


1. (Ufg 2013) Leia as informações a seguir.

De acordo com dados do IBGE, a distribuição da população brasileira por gênero se enquadra nos padrões mundiais; nascem mais homens que mulheres. Entretanto, as pirâmides etárias, na fase adulta, mostram uma parcela ligeiramente maior de população feminina. Segundo esse órgão, em 2010, a população brasileira compreendia 49,2% de homens e 50,8% de mulheres.
Disponível em: <http://www.ibge.gov.br>. Acesso: em 26 nov. 2012.

O texto menciona a existência de uma diferença entre o número de homens e mulheres na população brasileira. Algumas medidas diretamente voltadas para redução dessa diferença, na fase adulta, incluem
a) a geração de emprego na construção civil e a vacinação contra a gripe.   
b) a implementação de programa de saúde direcionado à população feminina e a vacinação contra a hepatite.   
c) o controle da natalidade e o uso de equipamento de proteção individual no trabalho.   
d) a geração de emprego direcionada à população masculina e a redução da mortalidade infantil.   
e) a redução da criminalidade e a implementação de programa de saúde direcionado à população masculina.   
  
2. (Ufrgs 2017) Observe a figura e o quadro abaixo.
Considerando a figura que apresenta a distribuição dos homicídios de mulheres por Unidade da Federação (UF), no Brasil, em 2013, e o quadro que indica variação dessa taxa entre 2006 e 2013, depois de promulgada a Lei Maria da Penha, assinale a alternativa correta.
a) As taxas de homicídios têm distribuição uniforme nas UFs.   
b) As taxas de homicídios não sofreram redução, uma vez que houve registros de mortes em todas as UFs.   
c) A tendência de violência no Norte do país é evidenciada pelo crescimento uniforme das taxas, em todas as UFs da região.   
d) Acre, Goiás, Alagoas e Espírito Santo apresentaram, em 2013, taxas de homicídios duas vezes maiores que o Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.   
e) Cinco UFs registraram quedas nas taxas de homicídios, três delas no Sudeste do país.    
  
3. (Ufjf-pism 2 2017) O mapa representa a distribuição de trabalhadores encontrados sob condições análogas à escravidão entre 1995 e 2015 no Brasil. Observa-se que as maiores concentrações deste tipo de superexploração da força de trabalho estão localizadas em tradicionais áreas agrícolas do país.
De acordo com o mapa, qual região do país concentra o maior número de libertações de trabalhadores submetidos a condições análogas à escravidão?
a) Porção oeste do Triângulo Mineiro.   
b) Leste da Zona da Mata Nordestina.   
c) Borda oriental da Amazônia Legal.   
d) Porção meridional Centro-Oeste.   
e) Porção setentrional do Norte Fluminense.   
  
4. (Pucpr 2017) Analise o gráfico a seguir.
O aumento das solicitações de refúgio em território brasileiro pode ser explicado
a) pelos recentes conflitos armados entre o governo colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), intensificados a partir de 2015.   
b) pela sangrenta guerra separatista ainda em curso no Sudão, onde a oposição ao governo atual pleiteia perante a ONU a criação do Sudão do Sul.
c) pelo elevado número de palestinos que, mesmo após o fim dos conflitos entre árabes e judeus, permanecem no Brasil como refugiados.   
d) pela destruição que um terremoto de 7,0 na escala Richter provocou no Haiti em dezembro de 2015, obrigando milhares de haitianos, que já enfrentavam sucessivas crises econômicas e instabilidade política, a migrarem para o Brasil.   
e) pelos conflitos armados no Oriente Médio, destacando-se a guerra civil síria originada por manifestações populares contrárias ao regime ditatorial de Bashar al-Assad em 2011.    
  
5. (Ufjf-pism 2 2017)  Leia o texto:

[...] uma sociedade que constitui suas relações por meio do racismo, [...] [tem] em sua geografia lugares e espaços com as marcas dessa distinção social: no caso brasileiro, a população negra é francamente majoritária nos presídios e absolutamente minoritária nas universidades; [...] essas diferentes configurações espaciais se constituem em espaços de conformação das subjetividades de cada qual.
Adaptado de Carlos Walter Porto-Gonçalves, 2003: Movimentos Sociais e Conflitos na América Latina.

Sobre as relações étnico-raciais no Brasil, é correto afirmar que:
a) a democracia racial é uma característica da sociedade brasileira e tem permitido que diferentes grupamentos étnico-raciais ocupem indistintamente o espaço nas cidades e nos campos brasileiros.   
b) a intolerância contra as religiões de matrizes africanas no Brasil demonstra o quanto o preconceito pode afetar as territorialidades desses grupamentos que têm sofrido restrições de suas práticas religiosas no espaço das cidades.   
c) a existência dos quilombos contemporâneos no Brasil demonstra que há um contingente da população negra que teve suas terras tituladas pela Lei de Terras de 1850, antes, portanto, da abolição da escravidão.   
d) o acesso igualitário ao mundo do trabalho entre brancos e negros no Brasil demonstra que a força da democracia racial consiste em promover competições desiguais entre setores diversificados da população.   
e) o Estatuto da Igualdade Racial considera que a “população negra” é o somatório dos grupos raciais de pretos e mestiços que são definidos e declarados pelos técnicos do IBGE durante o censo, de acordo com a cor da pele das pessoas.     
  
6. (Ufpr 2017)  O Brasil tem 206,08 milhões de habitantes, segundo dados divulgados nesta terça-feira (30) [agosto, 2016] pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Estimativas publicadas no Diário Oficial da União indicam que o país tinha, em 1º de julho deste ano, 206.081.432 habitantes. No ano passado, a população era de 204.450.649, ou seja, o crescimento da população foi de 0,8%. 
(Disponível em: <http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-brasil/2016/08/30/ibge-brasil-ja-tem-206-milhoes-de-habitantes.htm>. Acessado em 31.08.2016.)

Com base nas informações do texto e nos conhecimentos em geografia da população, assinale a alternativa correta.  
a) O percentual de crescimento populacional indicado mostra que a teoria malthusiana tinha razão, isto é, que a população está crescendo em progressão geométrica e a de alimentos, em ritmo aritmético.    
b) A taxa de natalidade caiu de forma significativa nas últimas duas décadas e a percentagem de crescimento atual é explicada pela vinda de migrantes e refugiados de outros países.    
c) Em termos absolutos, a expressiva diferença no montante da população entre um ano e outro indica que as políticas públicas de controle de natalidade da última década não conseguiram diminuir o crescimento populacional.   
d) O aumento da densidade demográfica nas regiões Norte e Centro-Oeste, que equilibrou a distribuição da população nacional, tem sido um fator relevante no crescimento populacional.   
e) Embora apresente essa taxa de crescimento, há uma tendência de diminuição da representatividade da população jovem no Brasil em relação à população em processo de envelhecimento, confirmando a mudança da estrutura etária brasileira.    
  
7. (Upe-ssa 2 2017) A análise do mapa a seguir permite afirmar:
1. as maiores densidades demográficas estão situadas em eixos espaciais fortemente urbanizados, como as áreas litorâneas, a Região do Vale do Paraíba e grandes metrópoles como São Paulo e Rio de Janeiro. Esse quadro geográfico é histórico e se notabiliza como consequência da implantação próxima à costa brasileira dos primeiros territórios de povoamento.
2. as capitais planejadas de Belo Horizonte e Cuiabá também concentram grandes manchas urbanas nas Regiões Nordeste e Centro-Oeste, enquanto Teresina aparece como uma mancha urbana esvaziada demograficamente, situada em posição central na Região Norte e na Amazônia sul-americana.
3. o Norte e o Centro-Oeste passaram por alterações na densidade demográfica, nas últimas décadas, por serem regiões que vêm apresentando características de áreas acentuadamente urbanizadas e de grande produtividade agrícola. Áreas contíguas à mancha localizada na Região Norte, de tradição pastoril, também estão dentre as áreas de maior povoamento.

Está CORRETO o que se afirma em
a) 1, apenas.   
b) 2, apenas.   
c) 3, apenas.   
d) 1 e 2, apenas.   
e) 1, 2 e 3.   
  
8. (Puccamp 2017) O trabalho escravo ainda é uma violação de direitos humanos que persiste no Brasil. A sua existência foi assumida pelo governo federal em 1995 e, desde esta data até 2016, mais de 50 mil trabalhadores foram libertados de situações análogas à de escravidão em diferentes atividades econômicas.

Considere o gráfico e as afirmações abaixo.
I. De modo geral, o trabalho escravo no Brasil é exercido por homens, migrantes, analfabetos ou semianalfabetos.
II. Muitos dos trabalhadores resgatados da situação análoga à escravidão exercem atividades em áreas rurais distantes do seu local de origem.
III. Devido ao forte controle exercido por órgãos de fiscalização, não foram constatados tipos de trabalho escravo nas áreas urbanas.
IV. A pecuária e a plantação de cana-de-açúcar estão entre as atividades com maior número de trabalhadores resgatados.

Está correto o que se afirma APENAS em
a) III e IV.    
b) I, II e III.   
c) I, III e IV.    
d) II e III.    
e) I, II e IV.    
  
9. (Ufjf-pism 2 2017) Leia o texto.

Ao longo dos anos 1995-2009, a proporção de mulheres chefes de família aumentou mais de 10 pontos percentuais (p.p.). Esta proporção passou de 22,9% em 1995, para 35,2% no ano de 2009. Isto significa que temos 21,7 milhões de famílias chefiadas por mulheres. Apesar de não se saber quais os critérios adotados pelas famílias para identificarem quem é o/a chefe, este aumento certamente indica mudanças no padrão de comportamento das famílias brasileiras.
O aumento da proporção de famílias chefiadas por mulheres é um fenômeno tipicamente urbano, apesar de, embora com uma intensidade menor, também estar presente no meio rural. Ao longo do período analisado, houve um aumento de 13 p. na proporção de mulheres chefes de famílias nas cidades – passando de 24,8%, em 1995, para 37,8%, em 2009; ao passo que, no campo, o aumento foi de aproximadamente 5 p.p., sendo a proporção de famílias no campo chefiadas por mulheres em 2009 – 19,9% – inferior à proporção de mulheres chefes de famílias que viviam na cidade no ano de 1995.
Adaptado de: http://www.ipea.gov.br/retrato/pdf/revista.pdf. Acesso em 18/08/2016.

Qual fator explica o aumento da proporção de famílias chefiadas por mulheres?
a) Os efeitos da crise econômica que têm causado forte desemprego e aumento do trabalho informal, sobretudo para as mulheres.   
b) O envelhecimento da população masculina que tem diminuído a participação dos homens no mundo do trabalho.   
c) O aumento da taxa de natalidade e a diminuição da mortalidade infantil que têm liberado as mulheres para o mundo do trabalho.   
d) O fato de que, em média, a remuneração das mulheres serem superiores à remuneração da população masculina.   
e) O aumento do número de famílias monoparentais, nas quais as mulheres se tornam as únicas responsáveis pela família.   
  
10. (Ufrgs 2017) Observe a tabela abaixo.
Sobre as migrações no Rio Grande do Sul, é correto afirmar que
a) as mudanças nos padrões migratórios entre o final do século XX e o início do século XXI não foram significativas, tanto nas migrações intraestaduais quanto interestaduais.   
b) a saída cada vez maior de pessoas do Rio Grande do Sul reflete mudanças nas cidades receptoras, com Porto Alegre deixando de ter saldo positivo, enquanto Caxias toma a dianteira nesse parâmetro.   
c) as migrações no Estado estão restritas às maiores cidades que, por padrão, se desenvolvem mais do que pequenas cidades.   
d) o Estado vem apresentando um saldo migratório decrescente.   
e) o Rio Grande do Sul, por ser um dos Estados mais desenvolvidos do Brasil, atrai migrantes do país inteiro, como comprova o saldo migratório.     
Compartilhe no Google Plus

Sobre Portal do Vestibulando

O objetivo do site é fornecer material didático a todas as pessoas que buscam ampliar seus conhecimentos, vestibulandos ou não. Assim, caso você precise de algum material específico, entre em contato conosco para que possamos disponibilizar.