Sistema Colonial - Administração - Questões de Vestibulares

1. (Fgv 2016) “Caso tomemos o exemplo do Rio de Janeiro (...), iremos perceber de imediato que se trata de uma região caracterizada por forte concentração de riqueza em poucas mãos. Os círculos dos mais ricos – 14% das pessoas – chegaram a ter três quartos da riqueza inventariada. (...) Entre fins do século XVIII e a primeira metade do século XIX, eles chegaram a dominar 95% dos valores transacionados nos empréstimos (...). Era dentro dessa elite que se situava o pequeno grupo formado pelos negociantes de grande envergadura, cujas fortunas foram constituídas por meio do comércio transoceânico e no comércio colonial de longa distância. (...) Uma vez acumuladas tais fortunas, verifica-se que parte desses homens de negócios (ou seus filhos) abandonava o comércio, convertendo-se em rentistas (pessoas que vivem de rendas, como, por exemplo, do aluguel de imóveis urbanos) ou em grandes senhores de terras e de escravos. Curiosamente, ao fazerem isso, estavam perdendo dinheiro, já que os ganhos do tráfico atlântico de escravos (19% por viagem) eram superiores aos lucros da plantation (de % a 10% ao ano).
O que havia por trás de um movimento de reconversão em si mesmo inusitado?” 
(João Fragoso et al., A economia colonial brasileira (séculos XVI-XIX). 1998)

Esse “movimento de reconversão” pode ser explicado
a) pelos extorsivos impostos cobrados aos traficantes de escravos e aos comerciantes em geral e pelas restrições de oferta de títulos de nobreza para os homens que não tivessem grandes propriedades fundiárias.   
b) pela radical transformação da economia colonial desde meados do século XVIII, que permitiu uma acumulação de capital maior na atividade manufatureira, e pela decadência da produção aurífera, em Minas Gerais e em Goiás.   
c) por um considerável ideal aristocratizante de uma parcela da elite colonial brasileira, que almejava um afastamento relativo do mundo do trabalho, e pela busca de maiores garantias para o patrimônio constituído por meio do comércio.   
d) pela legislação presente nas Ordenações Filipinas, que estabelecia uma hierarquia social a partir da origem principal da riqueza e pelas restrições ao tráfico de escravos, instituídas a partir de 1810.   
e) pela proibição dos comerciantes em participar das Câmaras Municipais, como eleitores e como elegíveis, e pela condenação feita pela Igreja Católica contra os ganhos obtidos por meio de lucros gananciosos e de juros altos.   

2. (Mackenzie) A charge refere-se 

a) à organização do Governo Geral, em 1549, dividindo o território brasileiro em extensos lotes de terras, entregues, por sua vez, a nobres portugueses responsáveis pelo início efetivo da colonização do Brasil.   
b) às dificuldades encontradas pelo coroa portuguesa no início da colonização do Brasil, uma vez que, em virtude, dentre outros, do fracasso das Capitanias Hereditárias, a colônia sofria constantes ataques de piratas europeus.   
c) ao fracasso do Governo Geral, em virtude da corrupção existente na corte portuguesa, transferida para o Brasil, responsável pela concessão de privilégios aos piratas franceses no comércio do pau-brasil.   
d) ao Governo Geral, responsável pela efetivação da colonização brasileira, por meio de incentivos aos bandeirantes paulistas, para que ultrapassassem os limites de Tordesilhas e expulsassem os piratas franceses fixados no litoral.   
e) às dificuldades encontradas pela coroa portuguesa na efetiva organização da exploração da colônia, uma vez que a abundância de metais preciosos ali despertou, nos piratas europeus, o interesse pelas terras lusas na América.   

3. (CFTRJ 2013) O regimento Tomé de Souza, de 1548, tentava corrigir os rumos da colonização portuguesa no Brasil com a criação do Governo-Geral. Essa medida acelerou o desenvolvimento econômico de algumas regiões do Brasil e sua ocupação. 

Entre as tarefas destinadas ao Governador-Geral estavam:
a) A substituição dos Capitães Donatários por auxiliares, como o Provedor-mor e o Capitão-mor.   
b) Centralizar a administração colonial, promovendo a melhor exploração do território.    
c) Distribuir o poder entre as câmaras municipais típicas das colônias de povoamento norte-americanas.    
d) Dinamizar o pacto colonial, ampliando as atividades comerciais brasileiras com outros países da Europa. 
  
4. (Uepg 2014) O século XVI ficou conhecido como o período das Grandes Navegações e significou o momento em que a América foi ocupada e dominada por nações europeias como Portugal e Espanha. A respeito da colonização no século XVI, assinale o que for correto. 
01) As Capitanias Hereditárias correspondem a uma das primeiras formas de administração portuguesa no território americano.    
02) A plantation, caracterizada pelas vastas propriedades monocultoras e pelo uso do trabalho escravo, foi um dos modelos de colonização desse período.    
04) Diferentes dos portugueses, os espanhóis não combatiam a prática de outras religiões em suas colônias, estabelecendo, por conta disso, uma relação bastante amistosa com os ameríndios.    
08) Nas colônias espanholas, os adelantados eram os beneficiados da Coroa que vinham para a América em busca de riquezas.    
16) Tanto portugueses como espanhóis priorizaram o uso da escravidão indígena em suas colônias, usando o trabalho escravo negro apenas como complementar ou acessório.   
  
5. (FMP 2014) Em meados do século XVIII, o [...] Marquês de Pombal elaborou uma série de medidas visando a integrar as populações indígenas da América à sociedade colonial portuguesa, buscando não apenas o fim das discriminações sobre esses, mas a extinção das diferenças entre índios e brancos. [...] Como um dos elementos viabilizadores deste futuro, em que não seria possível distinguir brancos de índios, [...] enfatizava a necessidade da realização de casamentos mistos, assim como ordenava que os filhos gerados nestas uniões fossem considerados mais capacitados que os colonos brancos para ocupar cargos administrativos nas antigas aldeias indígenas transformadas em vilas e lugares portugueses. 
GARCIA, Elisa Fruhauf. “O projeto pombalino de imposição da língua portuguesa aos índios e sua aplicação na América meridional”. Tempo – Revista do Departamento de História da UFF, v. 12, n. 23, p. 13-38, 2007. p. 24-25. Adpatado.

O projeto pombalino de integrar os índios da América Portuguesa à sociedade colonial promoveu mudanças profundas no relacionamento entre as populações indígenas e a Coroa lusa.

Na região amazônica, por exemplo, tratar os indígenas como súditos do Império Português era uma das estratégias adotadas pelo Estado lusitano com o intuito de
a) garantir a posse do território.   
b) estimular a escravização dos índios.   
c) promover a colaboração com os jesuítas.   
d) deslocar a população nativa para o Nordeste.   
e) recrutar efetivos militares para a guerra na fronteira oeste.   

6. (Uece) "A armada de Martim Afonso de Sousa, que deveria deixar Lisboa a 3 de dezembro de 1531, vinha com poderes extensíssimos, se comparados aos das expedições anteriores, mas tinha como finalidade principal desenvolver a exploração e limpeza da costa, infestada, ainda e cada vez mais, pela atividade dos comerciantes intrusos." 
(HOLANDA, Sérgio Buarque de. "As Primeiras Expedições." in: HOLANDA, Sérgio Buarque de. (org) HISTÓRIA GERAL DA CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA. Tomo I, Volume 1. São Paulo: DIFEL, 1960. p. 93.) 

Com base nesta citação, assinale a alternativa que indica corretamente os principais objetivos das primeiras expedições portuguesas às novas terras descobertas na América: 
a) expulsar os contrabandistas de pau-brasil e combater os holandeses instalados em Pernambuco 
b) garantir as terras brasileiras para Portugal, nos termos do Tratado de Tordesilhas, e expulsar os invasores estrangeiros 
c) instalar núcleos de colonização estável, baseados na pequena propriedade familiar, e escravizar os indígenas 
d) estabelecer contatos com as civilizações indígenas locais e combater os invasores franceses na Bahia 
e) organizar a administração, já que os colonos estavam dedicando-se a outras atividades econômicas, não seguindo às determinações do governo português.

7. (Uel) A centralização político-administrativa do Brasil Colônia foi concretizada com a 
a) criação do Estado do Brasil. 
b) instituição do Governo Geral. 
c) transferência da capital para o Rio de Janeiro. 
d) instalação do Sistema das Capitanias Hereditárias. 
e) política de descaso do governo português pela atuação predatória dos bandeirantes. 

8. (Unaerp) Em 1534, o governo português concluiu que a única forma de ocupação do Brasil seria através da colonização. Era necessário colonizar, simultaneamente, todo o extenso território brasileiro. Essa colonização dirigida pelo governo português se deu através da: 
a) criação da Companhia Geral do Comércio do Estado do Brasil. 
b) criação do sistema de governo geral e câmaras municipais. 
c) criação das Capitanias Hereditárias. 
d) montagem do sistema colonial. 
e) criação e distribuição das Sesmarias. 

9. (Unesp) A implantação do sistema de Governo-Geral, em 1548, não representou a extinção do anterior modelo administrativo descentralizado das Donatárias. Assinale a alternativa diretamente relacionada com o governo Tomé de Souza. 
a) Incorporação do reino português à Coroa espanhola pela morte do Rei D. Sebastião em Alcácer-Quibir. 
b) Fundação de São Paulo de Piratininga e da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. 
c) Criação do Bispado do Salvador, o primeiro do Brasil. 
d) Assinatura do Tratado de Madrid, restabelecendo os limites naturais previstos no Tratado de Tordesilhas de 1494. 
e) Os franceses expulsos desistiram de contestar a soberania lusitana no Brasil. 

10. (Unirio) A colonização brasileira no século XVI foi organizada sob duas formas administrativas, Capitanias Hereditárias e Governo Geral. Assinale a afirmativa que expressa corretamente uma característica desse período. 
a) As capitanias, mesmo havendo um processo de exploração econômica na maior parte delas, garantiram a presença portuguesa na América, apesar das dificuldades financeiras da Coroa. 
b) As capitanias representavam a transposição para as áreas coloniais das estruturas feudais e aristocráticas europeias. 
c) As capitanias, sendo empreendimentos privados, favoreceram a transferência de colonos europeus, assegurando a mão-de-obra necessária à lavoura. 
d) O Governo Geral permitiu a direção da Coroa na produção do açúcar, o que assegurou o rápido povoamento do território. 
e) O Governo Geral extinguiu as Donatarias, interrompendo o fluxo de capitais privados para a economia do açúcar.

11. (Cesgranrio) Com a expansão marítima dos séculos XV/XVI, os países ibéricos desenvolveram a ideia de "império ultramarino" significando: 
a) a ocupação de pontos estratégicos e o domínio das rotas marítimas, a fim de assegurar a acumulação do capital mercantil. 
b) o estabelecimento das regras que definem o Sistema Colonial nas relações entre as metrópoles e as demais áreas do "império" para estabelecer as idéias de liberdade comercial. 
c) a integração econômica entre várias partes de cada "império" através do comércio intercolonial e da livre circulação dos indivíduos.
d) a projeção da autoridade soberana e centralizadora das respectivas coroas e sobre tudo e todos situados no interior desse "império".
e) a junção da autoridade temporal com a espiritual através da criação do Império da Cristandade. 

12. (Enem 2012) A experiência que tenho de lidar com aldeias de diversas nações me tem feito ver, que nunca índio fez grande confiança de branco e, se isto sucede com os que estão já civilizados, como não sucederá o mesmo com esses que estão ainda brutos. 
NORONHA, M. Carta a J. Caldeira Brant. 2 jan. 1751. Apud CHAIM, M. M. Aldeamentos indígenas (Goiás: 1749-1811). São Paulo: Nobel, Brasília: INL, 1983 (adaptado). 

Em 1749, ao separar-se de São Paulo, a capitania de Goiás foi governada por D. Marcos de Noronha, que atendeu às diretrizes da política indigenista pombalina que incentivava a criação de aldeamentos em função 
a) das constantes rebeliões indígenas contra os brancos colonizadores, que ameaçavam a produção de ouro nas regiões mineradoras. 
b) da propagação de doenças originadas do contato com os colonizadores, que dizimaram boa parte da população indígena. 
c) do empenho das ordens religiosas em proteger o indígena da exploração, o que garantiu a sua supremacia na administração colonial. 
d) da política racista da Coroa Portuguesa, contrária à miscigenação, que organizava a sociedade em uma hierarquia dominada pelos brancos. 
e) da necessidade de controle dos brancos sobre a população indígena, objetivando sua adaptação às exigências do trabalho regular. 

13. (Ufpr 2011) As reformas pombalinas, encetadas por Sebastião José de Carvalho e Mello (1699–1782), o Marquês de Pombal, tiveram efeito entre 1755, logo após o terremoto de Lisboa, e 1777, quando esse estadista perdeu sua proeminência na administração do império português. Sobre as reformas que implantou ao longo de sua administração como ministro de Dom José I, é correto afirmar: 
a) Tiveram grande impacto sobre o Brasil, uma vez que se criaram companhias de comércio em todas as capitanias, com o objetivo mais amplo de racionalizar o comércio e implantar um rígido sistema colonial, vinculando metrópole e colônia. 
b) Ativeram-se, no campo da educação, ao ensino básico, deixando de lado as instituições universitárias portuguesas. 
c) Basearam-se na aliança e aproximação à Ordem Jesuítica, que recebeu impulsos e estímulos fundamentais por seu papel na educação oferecida no Reino e nas colônias. 
d) Consistiram, entre outras medidas, na criação de instituições e repartições públicas vitais à administração do Reino e suas colônias, como o Erário Régio. 
e) Reforçaram, graças ao seu caráter absolutista, distinções de raça e classe em Portugal e suas colônias, impedindo a ascensão social de negros, índios e indianos existentes nos domínios lusos. 

14. (Cesgranrio) A política colonizadora portuguesa, voltada para a obtenção de lucros do monopólio na esfera mercantil, tinha como principal área de produção: 
a) a implantação da grande lavoura tropical, de base escravista e latifundiária caracterizada pela diversidade de produtos cultivados e presença de minifúndios e latifúndios.
b) o "exclusivo colonial", que subordinava os interesses da produção agrícola aos objetivos mercantis da Coroa e dos grandes comerciantes metropolitanos.
c) a agricultura de subsistência, baseada em pequenas e médias propriedades, utilizando mão-de-obra indígena. 
d) a integração agropastoril, destinada ao abastecimento do mercado interno colonial, sobretudo ao do metropolitano; 
e) a criação de Companhias Cooperativas envolvidas com a produção de tecidos e demais gêneros ligados ao consumo caseiro. 


15. (Uespi 2012) Sobre o Padroado Régio, durante o período colonial brasileiro, é correto afirmar que: 

a) a Coroa portuguesa foi indiferente às definições da Igreja Católica Romana, notadamente as do Concílio de Trento. 
b) as relações de compadrio foram estimuladas por Portugal e significaram a faculdade da elite rural nomear seus afilhados. 
c) foi representativo da forte interferência dos monarcas portugueses na administração da Igreja Católica no Brasil. 
d) os monarcas portugueses, na qualidade de grão-mestres da Ordem de Cristo, é que indicavam o nome do santo padroeiro de uma localidade. 
e) representou o papel exercido pela Igreja Católica na proteção, aos indígenas e aos africanos, contra a exploração dos colonos. 

16. (Ufmg) Observe este mapa: 
Esse mapa serviu de base aos representantes das Coroas portuguesa e espanhola para o estabelecimento do Tratado de Madrid, assinado em 1750, que definiu os novos limites na América entre as terras pertencentes a Portugal e à Espanha. 
Considerando-se essa informação, é CORRETO afirmar que o Tratado de Madrid 
a) substituiu o Tratado de Tordesilhas e conferiu às possessões lusas e espanholas na América uma feição mais próxima do que tinha sido a efetiva ocupação de terras pelas duas Coroas. 
b) estabeleceu uma conformação do território brasileiro muito distante da sua aparência atual, por ter respeitado espaços previamente ocupados pelos espanhóis no Continente Americano. 
c) manteve, com poucas alterações, o que já estava estabelecido pelos tratados anteriormente negociados entre as monarquias de Portugal e da Espanha, desde a Bula Intercoetera, editada em 1493. 
d) levou Portugal a desistir da soberania sobre grande parte da Amazônia em troca do controle da bacia do Prata, área estratégica para o domínio do interior do Brasil após a descoberta de ouro.

17. (Fgv) "Há exagero em dizer que a extração do ouro liquidou a economia açucareira do Nordeste. Ela já estava em dificuldades vinte anos antes da descoberta do ouro (...). Mas não há dúvida de que foi afetada pelos deslocamentos de população e, sobretudo, pelo aumento do preço da mão-de-obra escrava..." 
Uma das consequências do processo descrito no texto, em termos administrativos, foi 
a) a transferência da capital do Vice-Reinado para São Paulo, que passou a ser o pólo econômico mais importante da Colônia. 
b) a criação das Câmaras Municipais que passaram a deter, na Colônia, os poderes de concessão para exploração do ouro em Minas Gerais. 
c) o deslocamento do eixo da vida da Colônia para o Centro-Sul, especialmente para o Rio de Janeiro, por onde entravam escravos e suprimentos, e por onde saía o ouro das minas. 
d) o desaparecimento do sistema de Capitanias Hereditárias e sua substituição, na região Sudeste, pelas Províncias. 
e) o desenvolvimento de um comércio paralelo de escravos nas antigas regiões produtoras de açúcar, que gerou a necessidade de centralizar o poder nas mãos dos ouvidores. 

18. (Mackenzie) O sistema de capitanias hereditárias, criado no Brasil em 1534, refletia a transição do feudalismo para o capitalismo, na medida em que apresentava como característica:
a) a ausência do comércio internacional, aliada ao trabalho escravo e economia voltada para o mercado interno.
b) uma economia de subsistência, trabalho livre, convivendo com forte poder local descentralizado.
c) ao lado do trabalho servil, uma administração rigidamente centralizada.
d) embora com traços feudais na estrutura política e jurídica, desenvolveu uma

economia escravista, exportadora, muito distante do modelo de subsistência medieval.

e) uma reprodução total do sistema feudal, transportada para os trópicos.
Compartilhe no Google Plus

Sobre Portal do Vestibulando

O objetivo do site é fornecer material didático a todas as pessoas que buscam ampliar seus conhecimentos, vestibulandos ou não. Assim, caso você precise de algum material específico, entre em contato conosco para que possamos disponibilizá-lo!