O Corpo como Suporte da Arte


Vivemos hoje numa época de “culto ao corpo” em que as pessoas estão desesperadas para moldá-lo o  ao seu “bel prazer”. Para isto, muitos frequentam academias, tomam anabolizantes, fazem de tudo para parecerem mais fortes e saudáveis... Pessoas anoréxicas, bulêmicas, tudo com o intuito de se adaptar aos padrões estéticos que regem a moda. 

Nossa sociedade é extremamente visual e cada pessoa, muitas vezes na ilusão de ser única, utiliza-se do visual para realizar este intento. Utilizam para isso roupas, acessórios, maquiagens, penteados...

Quem nunca se pegou em frente ao espelho, combinando a calça com a camiseta? Ou vendo se o corte de cabelo ficou legal? Mas quando estamos falando de todos estes comportamentos, estamos falando da Body Art (arte corporal)?

A Body Art no sentido artístico não se preocupa com a moda. Embora contendo seus elementos, a body art vai além, pois propõe o uso do próprio corpo como suporte artístico. Para isso, muitas vezes são utilizadas modificações corporais conhecidas como body modification (modificação do corpo), que ocorre quando a preocupação visual vai além de agregar acessórios ao corpo que agora passa a sofrer modificações corporais nas suas mais diversas formas, usando desde produtos químicos até intervenções cirúrgicas. (PIRES, 2003. pg. 18-23)

Com esse intuito, a pessoa nem sempre consegue um resultado bem aceito pela sociedade em geral. Algumas pessoas chegam a tamanhas mudanças, que a aparência deixa de ser humana.

Podemos dizer então que com a body art o artista se coloca como uma obra viva. Nela, a arte já não se separa do indivíduo, pois ela pode ser o próprio indivíduo.

Desta forma, podemos dizer que dentro da body art temos dois grandes grupos: um que se preocupa em se aproximar ao máximo aos padrões de beleza determinados pela sociedade e para isto valem dietas, musculação e cirurgia plástica e um segundo grupo que compartilha de idéias e ideais em relação às modificações corporais, e para isto utilizam piercing, implante estético, escarificação (ferimentos na pele capazes de deixar marcas) e tatuagem. (PIRES, 2005. pg. 19).

Este pensamento do corpo como suporte artístico não começou a existir agora, sabe-se que nas culturas mais primitivas já havia uma preocupação com a estética, mesmo que com intuito religioso e não propriamente artístico. Para elas, suas vestes, sua pintura corporal ou adereços tinham intenção mágica, e normalmente determinavam a hierarquia na tribo.

Hoje, as marcas no corpo são escolhidas de acordo com o gosto estético pessoal, ou dependendo da ligação emocional que o indivíduo tem com a imagem escolhida, mas, assim como nas sociedades primitivas, a marca, independentemente da técnica utilizada, também funciona como um sinal de inclusão (na sociedade ou no grupo desejado). É como se a pessoa, depois de escolher e usar esta marca, se sentisse mais segura, protegida e preparada para as diversas situações da vida. (PIRES, 2003. pg 61) 

Piercing

Zeca Baleiro consegue suscitar vários caminhos para pensar por meio do refrão de sua música:
“Tire o seu piercing do caminho, que eu quero passar com a minha dor”
(Piercing, Zeca Baleiro, Vô Imbolá)
Onde será que está este piercing?
Que dor é esta?
Qual é o caminho da dor?
Além dessas, quais outras reflexões ele propõe?

Para quem pensa que é novidade, o uso do piercing (do inglês perfurante, agudo) já ocorre há mais de 5000 anos. Ele começou sendo usado em tribos e clãs primitivos, normalmente como expressão social, distinção de realeza, rito religioso ou cultural. Foi usado nas tribos da América do Sul, África, Indonésia, nas castas religiosas da Índia, pelos Faraós do Egito e também pelos soldados de Roma. Mais tarde, foi utilizado pela aristocracia européia dos séculos XVIII e XIX. Depois, ficou esquecido no início do século XX até a década de 1970, quando ressurge nos circuitos undergroud (subterrâneo ou na gíria, dos grupos do submundo, alheios aos padrões) de Londres. Hoje, o piercing tornou-se moda pelo mundo e pode ser visto nas orelhas, sobrancelhas, línguas, umbigos, etc. dos jovens de todas as classes sociais. (Revista Tatoo Creator, nº 1, p. 32-33)


O piercing pode ser utilizado em nome da Arte de diversas formas. Uma delas é por meio de performances de suspensão nas quais se utilizam piercings como apoio. Observe a figura abaixo: 

Tatuagem

Essa é outra moda que começou bem antes do que a maioria das pessoas imaginam.
“A origem da palavra “tatoo” vem do capitão inglês James Cook (também descobridor do surf) que, ao desembarcar no Taiti (Polinésia) em 1779, deu de cara com habitantes locais de ambos os sexos que simplesmente não usavam roupas e sim, cobriam seus corpos com desenhos feitos por meio de injeções de tinta preta na pele (...). O som “tatoo” ou tattow como escreveu Cook em seu diário, era o som feito durante a execução da tatuagem, em que utilizavam ossinhos como agulhas e uma espécie de martelinho para a introdução da tinta na pele. Tatu, no idioma Taiti, signifca “desenho no corpo”. (Revista Tatoo Creator, nº 1. pg 07).

Na verdade, no Antigo Egito já eram feitas tatuagens. Essas foram encontradas em múmias no Vale do Rio Nilo e segundo especialistas, eram feitas em prisioneiros, para que eles não fugissem.

No século XVIII, foram vistas por europeus, durante suas navegações pelo Pacífico Sul. Os nativos da Polinésia, Filipinas, Indonésia e Nova Zelândia (Maori) tatuavam-se em rituais religiosos bastante complexos. Os Maori tatuavam inclusive seus rostos e acreditavam que isto os faria lutar com maior ferocidade, bem como atrair as mulheres.

Como as tatuagens eram praticadas pelos povos conhecidos na Idade Média como “pagãos”, as pessoas que possuíam então desenhos no corpo foram brutalmente perseguidas pela Inquisição. 

Mais tarde, no Japão, as tatuagens foram utilizadas para identificar as pessoas da família Yakuza (máfia japonesa). Os desenhos preferidos eram cerejeiras, peixes, dragões e samurais.

Na Índia, é muito usada a tatuagem de henna, que é feita com um tipo de tinta extraída de uma semente chamada “merrandi” a qual sai da pele em alguns dias. Lá, a tatuagem é utilizada pela noiva no dia de seu casamento que tatua em seu corpo as letras do nome do marido. No Brasil, a tatuagem já era praticada pelos indígenas antes da chega da de Pedro Álvares Cabral, em 1500 e continua sendo praticada em algumas tribos até hoje.

Entre os índios Tupinambás, por exemplo, os guerreiros recebiam tatuagens como prêmios quando capturavam inimigos. Note que a tatuagem, neste caso, possui uma função hierárquica e não somente estética como nos dias de hoje.

Body Art e a Pele Humana: uma relação que pode “criar o maior caso”

A Body Art, como arte no corpo, utiliza o invólucro que todos temos em comum: a epiderme. Quando pensamos em saúde física, dificilmente nos lembramos de sua importância, mas ela possui um sentido absolutamente vital para nós: o tato. 

Sem este sentido morreríamos facilmente, pois não conseguiríamos diferenciar, por exemplo, óleo fervendo de água fresca, ou pior, na hora de comer um delicioso chocolate, mastigaríamos e engoliríamos junto a nossa língua, pois não sentiríamos dor. Sem contar, que evita a perda de líquidos do corpo, mantém sua temperatura e, como boa proteção que é, a pele nos livra de boa parte das infecções.

Quando decidimos fazer um
piercing ou uma tatuagem, estamos optando por ferir a pele, um órgão vital, e desta forma ficamos suscetíveis a várias doenças que muitas vezes podem pôr em risco nossa vida. (Revista Super Interessante: Coleções O Corpo Humano, Vol 8, p.7 – 8)

Disponível em SEED
Compartilhe no Google Plus

Sobre Portal do Vestibulando

O objetivo do site é fornecer material didático a todas as pessoas que buscam ampliar seus conhecimentos, vestibulandos ou não. Assim, caso você precise de algum material específico, entre em contato conosco para que possamos disponibilizá-lo.

0 comentários:

Postar um comentário