Amazônia Colonial - Questões de Vestibulares



1. (UFAM) Dentre as muitas sociedades nativas da Amazônia, que chamaram a atenção dos conquistadores e colonizadores ibéricos durante os séculos XVI-XVII, encontravam-se os Omáguas, também chamados de Cambebas, os quais habitavam densamente cerca de 700 quilômetros ao longo do alto Amazonas (região atualmente compartilhada pelos estados nacionais brasileiro, peruano, colombiano e equatoriano). Cronistas como Gaspar de Carvajal, Francisco Vásquez, Cristóbal de Acuña, Mauricio de Heriarte e Samuel Fritz notaram algumas particularidades que distinguiam os Omáguas/Cambebas dos outros povos indígenas. Das particularidades elencadas a seguir, identifique aquela que NÃO consta nas descrições fornecidas pelos cronistas sobre os Omáguas/Cambebas: 
a) Remodelagem craniana. 
b) Fabricação de utensílios metálicos, que eram comercializados com outros povos indígenas. 
c) Sistema político caracterizado pela coexistência de chefias das aldeias e uma chefia geral de seu território. 
d) Utilização de cativos de guerra para o trabalho em suas roças e outras atividades. 
e) Uso de roupas de algodão em diversas cores.

2. (UNAMA) Na Amazônia, em todo o Período Colonial foi constante a exploração do índio, facilitada por uma legislação confusa que ora proibia, ora autorizava, ou simplesmente omitia. Não é de se espantar que, em determinados momentos desse período, avolumaram-se as práticas da "guerra justa" e do "resgate".
(Texto adaptado de ALVES FILHO, Armando. O Trabalho forçado na Amazônia In ALVES FILHO, Armando et. al. Pontos de História da Amazônia. 3 ed. rev. ampl. Belém: Paka- Tatu, 2002,p.31)

A partir da leitura do texto acima, e dos estudos que a história nos oferece sobre o assunto, é correto dizer que:
a) Na Amazônia, como em todo o território brasileiro, o índio foi o grande responsável pela geração de riquezas em todo o período colonial, pois a legislação vinda de Portugal permitia sua escravização através das chamadas "guerras justas".
b) O índio foi a mão-de-obra mais utilizada na Amazônia colonial, pois a própria legislação portuguesa dava brechas para essa exploração, através das chamadas "guerras justas" e "tropas de resgate".
c) Durante o Período Colonial, especialmente na Amazônia, foram constantes as lutas em torno de uma legislação local, acerca da utilização da mão-de-obra indígena, visto que, o Estado português já havia declarado ilegal o uso dessa força de trabalho.
d) A mão-de-obra usada na Amazônia, no Período Colonial, foi constituída basicamente da mão-de-obra nativa, através das "guerras justas" e da mão-de-obra vinda do nordeste brasileiro, através das chamadas "tropas de resgate".

3. (UFAC) No Brasil colonial e mesmo durante o império, algumas razões são atribuídas como explicação para que a escravidão africana predominasse em lugar da escravidão dos povos indígenas. As razões alegadas podem ser identificadas à: 
a) reação dos povos indígenas que, por serem bastante organizados e unidos, toda vez que se tentou capturá-los, eles encontravam alguma forma de escapar ao cerco dos portugueses 
b) um enorme preconceito que existia do europeu em relação ao indígena, e não em relação ao africano, o que dificultava enormemente o aproveitamento do indígena em qualquer atividade 
c) setores da Igreja e da Coroa que se opunham à escravização indígena; fugas, epidemias e legislação antiescravista indígena que a tornaram menos atraente e lucrativa 
d) religião dos povos indígenas, que proibia o trabalho escravo. Preferiam morrer a ter que se submeterem às agruras da escravidão que lhes era imposta nos engenhos de açúcar ou mesmo em outros trabalhos 
e) ausência de comunicação entre os portugueses e os povos indígenas e à dificuldade de acesso ao interior do continente, face ao pouco conhecimento que se tinha do território e das línguas indígenas 

4. (UFAC) Foram muitas as anotações feitas pelos “conquistadores” das Américas, durante os séculos XVI e XVII, para provar que os índios eram inferiores, entre outras, Galeano (1999, 63) destacou: 
“Suicidam-se os índios das ilhas do Mar do Caribe? Porque são vadios e não querem trabalhar. Andam desnudos, como se o corpo todo fosse a cara? Porque são selvagens e não tem pudor Ignoram o direito de propriedade, tudo compartilham e não têm ambição de riqueza? Porque são mais parentes do macaco do que do homem. Banham-se com suspeitosa frequência? Porque se parecem com hereges da seita de Maomé, que com justiça ardem nas fogueiras da Inquisição. Acreditam nos sonhos e lhes obedecem as vozes? Por influência de Satã ou por crassa ignorância. É livre o homossexualismo? A virgindade não tem importância alguma? Porque são promíscuos e vivem na ante- sala do inferno. Jamais batem nas crianças e as deixam viver livremente? Porque são incapazes de castigar e de ensinar. Comem quando têm fome e não quando é hora de comer? Porque são incapazes de dominar seus instintos. Adoram a natureza, considerando-a mãe, e acreditam que ela é sagrada? Porque são incapazes de ter religião e só podem professar a idolatria.” 

Com base no texto podemos inferir que: 
a) As mais diversas etnias ameríndias, contatadas pelos europeus, haviam desenvolvido princípios comportamentais de acordo com sua cosmogonia e com seus modos de vida. 
b) Os europeus compreenderam, desde o início, que os ameríndios não poderiam ser humanos como eles, pois eram selvagens e canibais. 
c) Os ameríndios tomavam muito banho porque aqui era mais quente que na Europa e eles não haviam desenvolvido perfumes como os franceses. 
d) Os europeus tinham os melhores métodos para educar seus filhos. 
e) Os europeus e os ameríndios, mesmo com suas diferenças, uniram-se para construir o Novo Mundo.

5. (UFAM) “E porque tenho intendido que os ditos gentios tem guerras uns com os outros, e costumam matar e comer todos os que nellas se captivam (...) hei por bem, que sejam captivos todos os gentios, que, estando presos (...) forem comprados (...) serão captivos sómente por tempo de dez anos (...) passados elles, ficarão livres (...).” (Fragmentos da Lei de 10/09/1611 – Sobre a liberdade do gentio da terra e da guerra que se lhe pode fazer.) 
O texto acima justifica e explica procedimentos de Tropas de Resgates. Sobre Tropas de Resgates, é correto afirmar que: 
a) A lei de 1688 previa somente o resgate de índios aprisionados por outros índios para fins de troca. 
b) Foram fontes de recrutamento de mão-de-obra indígena abolidas definitivamente pelo Diretório Pombalino em 1740. 
c) O resgate praticado pelas tropas era sempre fiel àquele previsto na legislação. 
d) Eram expedições militares nas quais não havia participação de religiosos. 
e) Foram a forma mais persistente de escravização indígena, sendo proibidas e permitidas várias vezes por diversas leis. 

6. (UFAM) O conceito de guerra justa, inspirado e extraído da doutrina da Igreja Católica, justificou a guerra contra os índios manaós na década de 1720, cujo desfecho foi o extermínio desta nação que emprestou seu nome à capital do Estado do Amazonas. Sobre este conflito, é correto afirmar que: 
a) Ajuricaba, o manaó que liderou a rebelião por se opor à aliança com os portugueses, foi remanejado para a cidade da Barra e enforcado em praça pública. 
b) Ao final da rebelião dos manaós, houve um processo de devassa que condenou os vencidos pelo crime de lesa-majestade em virtude da união com os Mundurucus. 
c) Os manaós foram considerados culpados de manterem atividades mercantis com espanhóis e franceses. 
d) A resistência armada dos manaós, reagindo às tropas de resgate provenientes do Pará, em busca de mão-de-obra, foi fator decisivo na deflagração da guerra. 
e) O cerco final aos manaós foi comandado por Bento Maciel Parente na vigência da administração de Mendonça Furtado. 

7. (UFAM) Com relação à escravidão negra africana na Amazônia, podemos afirmar corretamente que: 
a) O fraco desenvolvimento da escravidão negra na Amazônia deveu-se, dentre outros motivos, à insuficiência de capital para adquirir esta mão-de-obra e à relativa abundância de índios. 
b) Os primeiros escravos negros foram introduzidos na Capitania do Rio Negro no período pré-pombalino, por ação da Companhia Geral do Grão-Pará e Maranhão, em razão do êxito da economia de plantation. 
c) Em 24 de maio de 1884, Teodoreto Souto libertou os escravos amazonenses em cumprimento ao decreto-lei aprovado pela Assembléia Legislativa Provincial, que abolia oficialmente a escravidão negra na Província do Amazonas. 
d) O fenômeno da depopulação indígena e o caráter extrativista da economia amazônica ocasionaram a larga superação quantitativa da mão-de-obra negra, em relação à índia, circunscrita ao século XVII. 
e) Na luta abolicionista, a Sociedade Emancipadora Amazonense foi opositora da prática de manumissão por indenização, por considerá-la inócua ao objetivo de libertação negra. 

8. (UFAM) Segundo Fernando Novais, o Tratado de Tordesilhas foi um “acordo político num mundo onde a diplomacia não existia”, tornando-se o precursor das relações internacionais. Assinale a alternativa que, segundo este acordo diplomático, indica a situação geopolítica da região ocupada pelo atual Estado do Amazonas: 
a) Pertencia a Portugal. 
b) Pertencia à Espanha. 
c) Foi dividida entre Portugal e Espanha. 
d) Ficou de fora da partilha. 
e) Permaneceu sob domínio indígena. 

9. (UFAM) “Povos e povos indígenas desapareceram da face da terra como consequência do que hoje se chama, num eufemismo envergonhado, ‘o encontro’ de sociedades do Antigo e do Novo Mundo. Esse morticínio nunca visto foi fruto de um processo complexo (..). que se convencionou chamar o capitalismo mercantil. Motivos mesquinhos (...) conseguiram esse resultado espantoso de reduzir uma população que estava na casa dos milhões em 1500 aos parcos 200 mil índios que hoje habitam o Brasil”.
(CUNHA, Manuela C. Introdução a uma História Indígena. In História dos Índios no Brasil. p.12) 

Sobre os agentes da depopulação indígena referida no contexto acima, é correto afirmar que: 
a) As epidemias são normalmente tidas como o principal agente da depopulação indígena. 
b) A política de aldeamentos foi decisiva para a morte cultural do índio, mas o preservava fisicamente. 
c) Devido à necessidade de mão-de-obra, a escravidão, pouco contribuiu para o colapso populacional. 
d) A economia nômade contribuiu para a depopulação porque impedia auto-reprodução numerosa. 
e) Guerras e fome generalizadas, comprovadamente, foram fortes agentes que já atuavam antes de 1500. 

10. (UFAM) Assinale a única alternativa que não foi fator preponderante para o domínio português na região amazônica: 
a) Coleta de drogas do sertão. 
b) Ação missionária. 
c) Busca de escravo indígena. 
d) Expansão da fronteira pecuária. 
e) Implantação de fortificações.

11. (UFAM) Durante a União Ibérica (1580 -1640), iniciou-se a ocupação do território que hoje denominamos de Amazônia. Utilizando seus conhecimentos sobre esse momento histórico, analise as proposições e assinale a opção correta, de acordo com o código abaixo. 
I. A ocupação da região possuía, naquele momento, um sentido estratégico-militar, considerando as pressões exercidas por franceses, ingleses e holandeses, especialmente na área do litoral atlântico e da região do Delta amazônico.
II. As duas primeiras fortalezas construídas na região – o Forte do Presépio (1616) e a Fortaleza da Barra do Rio Negro (1669) – marcaram também o processo de fundação das cidades de Belém e Manaus.
III. O Estado do Maranhão (1621-1652), com capital em S. Luís, era a sede administrativa, com jurisdição sobre territórios que se estendiam do Ceará ao Amazonas.
IV. A expedição comandada por Pedro Teixeira (1637-1639) foi uma das mais importantes para o alargamento das fronteiras lusas na Amazônia, contudo, seu retorno a Belém foi marcado pela tragédia porque seus integrantes foram exterminados por doenças, em disputas internas e nos confrontos com os índios. 

a) As proposições II e IV estão corretas. 
b) As proposições I e II estão corretas. 
c) As proposições II e III estão corretas.
d) As proposições I e III estão corretas.
e) As proposições I, II, III e IV estão corretas.

12. (UFAM) No final do século XVII, o descontentamento local dos colonos do Estado do Maranhão era grande: não tinham acesso às aldeias de índios para recrutar trabalhadores e estavam insatisfeitos com o desempenho da Companhia de Comércio do Maranhão (1682-1684). Logo traduzido em sublevação, o movimento dos colonos maranhenses ficou conhecido como: 
a) Guerra dos Emboabas 
b) Guerra dos Mascates 
c) Confederação do Equador 
d) Revolta dos Beckman 
e) Sedição de Vila Rica 

13. (UFAM “Um amazonense que frequentou qualquer escola primária, que teve o privilégio de terminar a escola secundária ou até mesmo finalizar qualquer curso universitário, pode atravessar esses três ciclos sem nunca [...] haver discutido [...] sobre sua própria condição indígena”.
(MELO, Lenilson M. Uma Síntese da História da Amazônia. Mens’Sana) 

A afirmação do autor é procedente, porém, nos últimos anos, ações de organismos nacionais e internacionais sinalizam na reversão deste quadro, induzidas, dentre outros motivos, pela discussão mundial sobre impacto ecológico na qual a Amazônia ostenta a posição de grande reduto natural da Terra, e nela, as populações indígenas são prioridades como guardiãs do desenvolvimento sustentável. Dentre estas ações podemos citar a proposta da ONU para promoção da “década indígena” (1995-2004); a imposição da OIT para que os países observem os direitos indígenas como reconhecimento de sua cultura diferenciada; a publicação pelo MEC de livros didáticos de autores índios; o Plano de Gestão Ambiental executado no Brasil com a participação indígena; a criação de instituições educacionais brasileiras com educação diferenciada; o lançamento da campanha estadual Biotecnologia – Ciência dos Brancos, Sabedoria dos Índios, e outras que buscam valorizar e resgatar a cultura indígena. 

Sobre o elemento indígena, considere as afirmações seguintes e marque a alternativa correta: 
I A afirmação do autor se justifica pela introdução da ideologia colonizadora que fabricou uma população identificada com valores não-índios.
II As iniciativas governamentais brasileiras também são um reflexo da política indigenista vigente no Brasil, que atua no sentido de integrar as populações indígenas à sociedade nacional, retornando às concepções de Alexandre Rodrigues Ferreira e La Condamine.
III A Constituição de 1988 reconheceu os direitos originários dos índios sobre terras tradicionalmente ocupadas, dentre outras razões, porque a redemocratização do país reabriu questões como identidade nacional, fortalecendo a consciência indígena.
IV O Diretório Pombalino, apesar de suas medidas despóticas, resguardou os valores naturais dos índios, contribuindo para a ascendência majoritariamente indígena da população do Amazonas e para o resgate cultural que ora ocorre. 

a) Todas são corretas 
b) Somente I, II e III são corretas 
c) Somente II e IV são corretas 
d) Somente III e IV são corretas 
e) Somente I e III são corretas 

14. (UFAM) “O somatório dessas peculiaridades deu um certo toque de originalidade à história colonial da Amazônia, fazendo da região um exemplo ímpar de colonização [...]” 
(SANTOS, Francisco J. Além da Conquista. EDUA) 

Um dos aspectos da singularidade referida pelo autor foi: 
a) Ausência de legislação específica 
b) Subordinação da elite mercantil na hierarquia social 
c) Ocupação com objetivo exclusivamente econômico 
d) Loteamento territorial entre ordens religiosas 
e) Preferência pela mão-de-obra negra africana 

15.   (UEA) Leia o texto.
Novas Cartas Jesuíticas

Devia haver um protetor dos índios para os fazer castigar, quando houvesse mister (necessidade), e defender dos agravos (males) que lhes fizessem (...). A lei que lhes hão de dar é defender-lhes de comer carne humana e guerrear (...), fazer-lhes ter uma só mulher, vestirem-se, pois têm muito algodão, ao menos depois de cristãos, tirar-lhes os feiticeiros, mantê-los em justiça entre si e para com os cristãos; fazê-los viver quietos e sem se mudarem para outra parte...
(Pe. Manuel da Nóbrega, 08.05.1558.)

A partir do texto, pode-se concluir que
a)   Os europeus demonstraram respeito e consideração pelos hábitos e práticas das sociedades indígenas.
b)  As recomendações foram acatadas pelas populações indígenas, pois não se distanciavam de seus usos.
c)   Os europeus e as sociedades indígenas estabeleceram intensas trocas culturais, em clima de reciprocidade.
d)  A superioridade europeia foi reconhecida pelos líderes indígenas, que comandaram a adaptação à nova ordem.
e)   Os europeus pretendiam modificar os costumes e o modo de vida dos indígenas, os quais consideravam bárbaros.

Compartilhe no Google Plus

Sobre Portal do Vestibulando

O objetivo do site é fornecer material didático a todas as pessoas que buscam ampliar seus conhecimentos, vestibulandos ou não. Assim, caso você precise de algum material específico, entre em contato conosco para que possamos disponibilizá-lo!