Oriente Médio - Questão Palestina - Questões de Vestibulares


1. (Ufpr 2016) Leia abaixo a definição de “refugiado”:

De acordo com a Convenção de 1951 relativa ao Estatuto dos Refugiados, são refugiadas as pessoas que se encontram fora do seu país por causa de fundado temor de perseguição por motivos de raça, religião, nacionalidade, opinião política ou participação em grupos sociais, e que não possa (ou não queira) voltar para casa. Posteriormente, definições mais amplas passaram a considerar como refugiadas as pessoas obrigadas a deixar seu país devido a conflitos armados, violência generalizada e violação massiva dos direitos humanos. 
(Agência da ONU para refugiados (ACNUR). Disponível em: <http://www.acnur.org/t3/portugues/informacao-geral/perguntas-e-respostas/>.)
  
Sobre eventos históricos referentes à existência de refugiados na história contemporânea, considere as seguintes afirmativas:

1. Após a I Guerra Mundial, com a dissolução dos Impérios Otomano e Austro-Húngaro e a instauração do princípio de nacionalidade, milhões de refugiados europeus migraram dentro e fora da Europa.
2. Desde a criação do Estado de Israel, em 1948, milhões de palestinos ganharam dupla cidadania, resolvendo sua situação de refugiados durante o mandato britânico na Palestina.
3. O governo Vargas foi contrário à entrada de judeus no Brasil, quando muitos deles tornaram-se refugiados, migrando para fora da Europa, durante os anos 1930 e a II Guerra Mundial.
4. Entre o final do século XIX e o início do século XX, o Brasil recebeu uma grande quantidade de refugiados italianos, espanhóis, poloneses, japoneses e alemães.

Assinale a alternativa correta.
a) Somente as afirmativas 1 e 3 são verdadeiras.   
b) Somente as afirmativas 1 e 4 são verdadeiras.   
c) Somente as afirmativas 1, 3 e 4 são verdadeiras.   
d) Somente as afirmativas 2, 3 e 4 são verdadeiras.   
e) e) As afirmativas 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras.   
  
2. (Upe-ssa 3 2016) Acredito que a maioria dos palestinos não morra de amores por Israel, mas eles aceitam, a contragosto, que os judeus israelenses não vão sair de lá. Da mesma maneira que os judeus israelenses – a contragosto – também aceitam que os palestinos estão aqui para ficar. Essa não é uma base para uma lua de mel, mas talvez para um divórcio justo, como no caso da República Tcheca e da Eslováquia. 
Amós Oz ao jornal alemão Deutsch Welle, publicado no Brasil pela Carta Capital, em 05 de agosto de 2014.
  
O texto em questão, do Nobel da Paz Amós Oz, é uma reflexão sobre os atuais conflitos no Oriente Médio. No contexto do século passado, o principal evento histórico, considerado um marco na história desse conflito, foi a
a) implementação de um Estado Árabe na região.   
b) criação do Estado de Israel pela ONU em 1948.   
c) edificação de um muro para separar os dois territórios.   
d) frustração dos acordos de cooperação com a Liga Árabe.   
e) construção dos assentamentos judeus nas regiões de fronteira.   
  
3. (Upf 2016) Iniciado em 1948, o conflito palestino-israelense constituiu, no Oriente Médio, o que se convencionou chamar de Questão Palestina, e que, ainda hoje, está longe de ser resolvida.

A charge a seguir faz referência a esse conflito, apontando para o fato de que nem israelenses, nem palestinos são donos da razão numa região marcada pela violência.


Assinale a alternativa que indica a razão pela qual se deu o início do conflito palestino-israelense.
a) A exigência, pelos países do Oriente Médio, do cumprimento do Plano da ONU para a região da Palestina, que criava, em todo o território, o Estado Palestino, no final da Segunda Guerra Mundial.
b) A incapacidade dos países vencedores da Segunda Guerra de garantir a paz no Ocidente nos anos posteriores ao conflito, provocando uma fuga em massa de judeus para a Palestina.   
c) O estabelecimento de uma instabilidade nas relações internacionais, pelo recém-criado Estado de Israel, que contava com o apoio dos Estados Unidos, da União Soviética e da ONU.   
d) A recusa árabe à partilha da Palestina, imposta pela ONU, que submeteu a maior parte do território ao controle do recém-criado Estado de Israel, sem que se respeitasse a soberania dos povos dessa região.   
e) A extinção oficial do mandato britânico sobre a Palestina, no final da Segunda Guerra, com reconhecimento imediato, pelos países vencedores, da independência de todos os países do Oriente Médio.   
  
4. (Upe-ssa 2 2016)  A historiografia da Palestina inicia-se com a incursão do exército de Napoleão na Palestina e Síria no final do século XVIII. Mas a sua estada foi demasiado curta para ser considerada uma influência. O papel de modernização da Palestina coube ao governante egípcio Muhammad Ali, que governou entre 1831 e 1840. No entanto, foi seu filho Ibrahim Pasha, que se tornou o mais notável modernizador dessa região. 
PAPPE, Ilan. História da Palestina Moderna. Uma terra, dois povos. Lisboa: Nosso Mundo, 2007. (Adaptado)
  
As principais características político-econômicas do último governo citado foram
a) distribuição simétrica de renda, construção dos Kibutz e voto distrital.   
b) divisão social em castas, instalação da agricultura por rodízio e concentração administrativa.   
c) industrialização com a chegada da máquina a vapor, elaboração de leis trabalhistas e voto universal.   
d) separação do Império Otomano, acordos bilaterais com a Jordânia e pacificação das fronteiras orientais.   
e) implementação de reformas agrícolas, sistema centralizado de impostos e maior representação à elite local.   
  
5. (Ufrgs 2016)  Considere as afirmações abaixo, sobre a Revolução Iraniana de 1979 e suas consequências.

I. A revolução iniciou como um amplo movimento de contestação à monarquia do xá Reza Pahlevi e acabou cooptada por setores islâmicos radicais, representados pelo aiatolá Khomeini, que se tornaria Líder Supremo do país.
II. A República Islâmica, fundada após a vitória da revolução, logo entrou em uma longa guerra contra a União Soviética e foi finalmente derrotada em 1989.
III. Um grupo de jovens radicais islâmicos, em novembro de 1979, iniciou uma longa tomada de reféns na embaixada norte-americana do país, em retaliação ao apoio dos Estados Unidos ao xá deposto que duraria até 1981.

Quais estão corretas?
a) Apenas I.   
b) Apenas II.    
c) Apenas I e III.    
d) Apenas II e III.
e) I, II e III.    

6. (Espm 2014)  No momento em que Israel e palestinos retomaram negociações de paz, após quase três anos de interrupção, cabe lembrar um momento referencial para essa questão. Encerrada a Segunda Guerra Mundial e sob o impacto da revelação dos horrores dos campos de concentração nazistas na Europa, na sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas de 1947 foi aprovada a resolução no. 181 que recomendava:  
a) a confirmação mandato de ocupação britânica em toda a Palestina, onde deveriam viver como súditos britânicos tanto judeus como palestinos.   
b) a partilha da Palestina em dois Estados, um árabe e um judeu.   
c) a concessão de todo o território da Palestina para a criação de um Estado judeu.    
d) o reconhecimento do direito dos árabes muçulmanos ao território da Palestina, negando qualquer direito aos judeus.   
e) o estabelecimento de um mandato da ONU sobre o território da Palestina a partir daquela data.   
  
7. (Espcex 2013)  O conflito árabe-israelense está relacionado com a criação de um Estado judeu na Palestina em 1948. Essa região era então habitada por árabes muçulmanos que se opuseram à divisão das terras. As guerras entre os dois povos transformaram o Oriente Médio numa das regiões mais instáveis do globo.
Leia as afirmações abaixo sobre esse conflito e suas origens:

I. A ONU não apoiou e se absteve de qualquer envolvimento no processo de criação do Estado de Israel, já que pretendia evitar o surgimento de novos conflitos após a Segunda Guerra Mundial.
II. A mais decisiva das guerras árabe-israelenses, do ponto de vista da alteração das fronteiras, foi a Guerra dos Seis Dias, em 1967, quando Israel ocupou o Sinai, a Faixa de Gaza, Cisjordânia e as Colinas de Golan.
III. Os conflitos acabaram levando à formação de campos de refugiados, onde passaram a viver milhares de palestinos.
IV. Em 1973, com a Guerra do Yom Kippur, a OPEP interrompeu o fornecimento de petróleo para os países aliados de Israel, provocando grande aumento no preço do produto.
V. Durante a Guerra Fria, os Estados Unidos e a União Soviética buscaram uma política neutra e não tiveram nenhum envolvimento nas guerras árabe-israelenses.

Assinale a única alternativa em que todos os itens estão corretos
a) II, III, IV e V.   
b) II, III e IV.   
c) I, II, III e IV.   
d) II, IV e V.   
e) I, IV e V.   
  
8. (Unicamp 2012)  Em discurso proferido em 20 de maio de 2011, o presidente dos EUA, Barack Obama, pronunciou-se sobre as negociações relativas ao conflito entre palestinos e israelenses, propondo o retorno à configuração territorial anterior à Guerra dos Seis Dias, ocorrida em 1967. Sobre o contexto relacionado ao conflito mencionado é correto afirmar que:
a) A criação do Estado de Israel, em 1948, marcou o início de um período de instabilidade no Oriente Médio, pois significou o confisco dos territórios do Estado da Palestina que existia até então e desagradou o mundo árabe.   
b) A Guerra dos Seis Dias insere-se no contexto de outras disputas entre árabes e israelenses, por causa das reservas de petróleo localizadas naquela região do Oriente Médio.   
c) A Guerra dos Seis Dias significou a ampliação territorial de Israel, com a anexação de territórios, justificada pelos israelenses como medida preventiva para garantir sua segurança contra ações árabes.   
d) O discurso de Obama representa a postura tradicional da diplomacia norte-americana, que defende a existência dos Estados de Israel e da Palestina, e diverge da diplomacia europeia, que condena a existência dos dois Estados.   
  
9. (Unesp 2010)  O petróleo não é uma matéria-prima renovável e precisou de milhões de anos para sua criação. A maioria dos poços encontra-se no Oriente Médio, na antiga União Soviética e nos EUA. Sua importância aumentou desde meados do século XIX, quando era usado na indústria e hoje é um dos grandes fatores de conflitos no Oriente Médio. Aponte as três primeiras grandes crises do petróleo nos últimos anos.
a) A primeira foi em 1973, quando os EUA tentaram invadir Israel para dominar os poços petrolíferos desse país; a segunda foi em 1979, quando foi criado o Estado da Palestina e eclodiu o conflito com a Arábia Saudita; a terceira foi em 1991, quando começou a guerra do Iraque.   
b) A primeira foi em 1973, quando houve uma crise de produção no Oriente Médio, levando ao aumento do preço dos barris de petróleo no mundo todo; a segunda foi em 1979, quando o Kuwait se recusou a vender petróleo para os EUA; a terceira foi em 1991, quando começou a guerra dos EUA contra o Afeganistão.   
c) A primeira foi em 1973, devido ao conflito árabe-israelense; a segunda em 1979, quando os árabes diminuíram a produção de barris; a terceira em 1991, que acabou gerando a Guerra do Golfo, quando o Iraque invadiu o Kuwait.   
d) A primeira foi em 1973, quando o Iraque invadiu a Palestina; a segunda foi em 1979, período de baixa produção de petróleo no Oriente Médio; a terceira foi em 1991, devido à Guerra do Golfo.   
e) A primeira foi em 1973, quando vários países do mundo exigiram a fundação da OPEP para controlar os preços dos barris de petróleo; a segunda foi em 1979, quando se deu o conflito árabe-israelense; a terceira foi em 1991, quando teve início a guerra da Palestina.   
  
10. (Pucrj 2009)  O Estado de Israel, que completou 60 anos em maio deste ano, teve suas fronteiras definidas a partir de várias guerras com países vizinhos. A esse respeito, avalie as afirmativas a seguir:
I - O plano de Partilha da ONU (Resolução 181) de 1947 previa a retirada das tropas do Império russo, a criação de um Estado judaico e de um Estado independente árabe-palestino na região da Palestina.
II - Os árabes rejeitaram o plano de partilha da Palestina aprovado pela Assembleia Geral das Nações Unidas e atacaram o recém-formado Estado de Israel em 1948: era o começo dos conflitos árabe-israelenses e do dilema dos refugiados palestinos.
III - A vitória israelense na Guerra dos Seis Dias (1967) permitiu a ocupação de quase toda a Palestina, isto é, do Sinai, da Faixa de Gaza, da Cisjordânia, de Jerusalém e o do Iraque.
IV - A partir de 1987, a população civil palestina começou a série de levantes (Intifada) contra a ocupação israelense usando paus, pedras e atentados.

Assinale a alternativa CORRETA.
a)  Somente as afirmativas I e III estão corretas.    
b)  Somente as afirmativas I e II estão corretas.   
c)  Somente as afirmativas II e IV estão corretas.    
d)  Somente as afirmativas II e III estão corretas.   
e)  Somente as afirmativas III e IV estão corretas.   
  
11. (Ufmg 2009)  Analise este mapa:


Envolvido, desde sua fundação, em conflitos na região, o Estado de Israel completou, em maio de 2008, 60 anos de existência.
Considerando-se as disputas territoriais entre árabes e israelenses e outros conhecimentos sobre o assunto, é correto afirmar que:
a) A Autoridade Nacional Palestina controla os territórios de Gaza e do sul do Líbano e, em 2006, com o auxílio da Organização das Nações Unidas (ONU) e da União Europeia, garantiu a soberania sobre essas regiões.   
b) A cidade de Jerusalém, considerada sagrada por três religiões, foi ocupada por Israel em 1949, ao final da Primeira Guerra Árabe-Israelense, e, depois dos Acordos de Oslo, foi reconhecida pela ONU como capital do país.   
c) A região das colinas de Golã, rica em fontes de água e ocupada por Israel durante a Segunda Guerra Árabe-Israelense, foi devolvida à Síria em 2000, como parte dos tratados de paz firmados entre os dois países.   
d) O Governo de Israel promoveu, em 2005, a retirada de colonos judeus da faixa de Gaza, no entanto, apesar de pressões de organismos internacionais, manteve assentamentos judaicos no território da Cisjordânia.   
  
12. (Pucrj 2008)  Em janeiro de 1979, Reza Pahlevi, Xá do Irã, frente à crescente oposição política e popular, fugiu do país criando uma crise política que culminou com a vitória dos partidários do clérigo xiita Ruholá Khomeini.
Assinale a alternativa que indica corretamente a política da República Islâmica do Irã após a revolução.
a) A nacionalização dos recursos naturais impedia o processo de exploração do petróleo pelas grandes empresas multinacionais que, até então, tinham sede no país.   
b) A adesão do Irã à União das Repúblicas Socialistas Soviética, o que agravou ainda mais tensões da chamada segunda Guerra Fria.   
c) A criação de um sistema político multipartidário e democrático.   
d) A imediata declaração de "guerra santa" contra os sunitas do Iraque, governado nessa época por Saddam Hussein.   
e) Aceitação da existência de um Estado judeu na Palestina e o estabelecimento de relações diplomáticas com Israel.   
  
13. (Pucmg 2008)  Leia atentamente o texto a seguir, de Moacyr Scliar.


"Israel representa uma mudança transcendente na multimilenar trajetória dos judeus. O Holocausto as revelações sobre o massacre de judeus deram dramática legitimidade ao movimento sionista e reivindicação de um território. A fundação de Israel deveria ser decidida pela recém-criada Organização das Nações Unidas. EUA e URSS apoiavam a partilha da Palestina e a criação de dois Estados um árabe, outro judeu.

Com as superpotências coincidindo em seus pontos de vista, não foi difícil para a Assembleia Geral da ONU aprovar, em novembro de 1947, a divisão da Terra Santa. O projeto foi rejeitado pelos representantes dos países árabes. Mas os judeus, liderados por David Ben-Gurion, levaram a proposta adiante. Quase seis meses depois, 14 de maio de 1948, proclamaram a independência. Imediatamente estourou o conflito bélico, vencido pelos israelenses. Outros conflitos vieram, notadamente a Guerra dos Seis Dias. Israel consolidou-se como potência militar. Desde então, travasse uma luta amarga e desumana entre israelenses palestinos, que, ao longo dessas décadas, acabaram por forjar uma identidade nacional."


A partilha da Palestina está completando 60 anos. Tendo em vista a partilha e seus impactos, a base para a criação do Estado de Israel foi assentada:
a) na existência de um Estado judaico sob aprovação dos países árabes.   
b) na legitimação pela força comprovada pela sequência de conflitos e guerras.   
c) na possibilidade da existência de uma maioria judaica num território.   
d) na ideologia sionista, que defendia a entrada dos judeus na Palestina sob domínio inglês.   
  
14. (Ufpel 2007) 


"[...] o Estado israelense anexou a Península do Sinai e a Faixa de Gaza (então pertencentes ao Egito), a Cisjordânia (da Jordânia) e as Colinas de Golam (da Síria). A guerra foi particularmente trágica para os palestinos. Novos contingentes de dezenas de milhares engrossaram a diáspora."
ARBEX JR., José. Guerra Fria: terror de Estado, política e cultura. 3a ed. São Paulo: Moderna, 1997. [adapt.].
Os textos referem-se à
a) ocupação israelense sobre o sul do Líbano (2006), antiga Fenícia, aprofundando a Diáspora hebraica como forma de contenção à ação do Hezbollah.   
b) Guerra dos Seis Dias (1967), quando, com o apoio dos Estados Unidos, Israel expandiu seu território, promovendo um continuado conflito.   
c) Guerra do Yom Kippur (1973), quando Egito e Síria, embasados pelo nacionalismo de Nasser, ameaçaram a soberania israelense.   
d) formação do Estado de Israel (1948), apoiada pela ONU, na região onde, na Antiguidade, se localizaram os reinos de Israel e Judá.   
e) Guerra do Yom Kippur (1973), quando a OLP (Organização para a Libertação da Palestina), liderada por Yasser Arafat, entrou em conflito com os sionistas.   
  
15. (Enem 2007) Em 1947, a Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou um plano de partilha da Palestina que previa a criação de dois Estados: um judeu e outro palestino. A recusa árabe em aceitar a decisão conduziu ao primeiro conflito entre Israel e países árabes.
            A segunda guerra (Suez, 1956) decorreu da decisão egípcia de nacionalizar o canal, ato que atingia interesses anglo-franceses e israelenses. Vitorioso, Israel passou a controlar a Península do Sinai. O terceiro conflito árabe-israelense (1967) ficou conhecido como Guerra dos Seis Dias, tal a rapidez da vitória de Israel.
            Em 6 de outubro de 1973, quando os judeus comemoravam o Yom Kippur (Dia do Perdão), forças egípcias e sírias atacaram de surpresa Israel, que revidou de forma arrasadora. A intervenção americano-soviética impôs o cessar-fogo, concluído em 22 de outubro.

A partir do texto acima, assinale a opção correta.
a) A primeira guerra árabe-israelense foi determinada pela ação bélica de tradicionais potências europeias no Oriente Médio.   
b) Na segunda metade dos anos 1960, quando explodiu a terceira guerra árabe-israelense, Israel obteve rápida vitória.   
c) A guerra do Yom Kippur ocorreu no momento em que, a partir de decisão da ONU, foi oficialmente instalado o Estado de Israel.   
d) A ação dos governos de Washington e de Moscou foi decisiva para o cessar-fogo que pôs fim ao primeiro conflito árabe-israelense.   
e) Apesar das sucessivas vitórias militares, Israel mantém suas dimensões territoriais tal como estabelecido pela resolução de 1947 aprovada pela ONU.   
Compartilhe no Google Plus

Sobre Portal do Vestibulando

O objetivo do site é fornecer material didático a todas as pessoas que buscam ampliar seus conhecimentos, vestibulandos ou não. Assim, caso você precise de algum material específico, entre em contato conosco para que possamos disponibilizá-lo.

1 comentários: