São Tomás de Aquino: Prova da Existência de Deus

«A existência de Deus pode-se demonstrar por cinco vias. A primeira e mais clara baseia-se no movimento. É inegável e consta pelo testemunho dos sentidos que no mundo há coisas que se movem. Ora, tudo o que se move é movido por outro, visto que nada se move sendo enquanto está em potência em relação aquilo para que se move. Ao contrário, mover requer estar em ato, porque mover não é outra coisa senão fazer passar de potência a ato, e isto só pode ser feito por aquele que está em ato, como o quente em ato, o fogo, por exemplo, faz com que a madeira que está quente em potência passe a estar quente em ato. [...] Por conseguinte, tudo o que se move é movido por outro. Mas se o que move é, por sua vez, também movido, é necessário que seja movido por outro, e este por um outro. Mas não se pode seguir indefinidamente, porque assim não haveria um primeiro motor e, por conseguinte, não haveria motor algum, pois os motores intermédios apenas movem em virtude do movimento que recebem do primeiro, do mesmo modo que um bastão só move alguma coisa pelo impulso recebido da mão. Portanto, é necessário chegar a um primeiro motor que não seja movido por nenhum outro, e este é o que todos entendem por Deus.

A segunda via baseia-se na causalidade eficiente. Verificamos que no mundo sensível há uma ordem determinada entre as causas eficientes; entendemos que nenhuma coisa é a sua própria causa, porque então teria de ser anterior a si mesma, o que é impossível. Ora, também não é possível prolongar indefinidamente a série de causas eficientes, porque sempre que haja causas eficientes subordinadas, a primeira e causa da intermédia, seja uma ou muitas, e esta, causa da última; e visto que, suprimida uma causa, se suprime o efeito, se não existisse uma que fosse a primeira também não existia nem a última nem a intermédia. Se prolongarmos indefinidamente a série das causas eficientes, não haverá causa eficiente primeira, e, portanto, nem efeito último nem causa eficiente intermédia: o que é, evidentemente, falso. Por conseguinte, é necessário que exista uma causa eficiente primeira, a que todos chamamos Deus.

A terceira via consiste no ser possível ou contingente, e no necessário, e pode-se formular assim. Encontramos na Natureza coisas que podem existir ou não existir, pois vemos seres que se produzem e seres que se destroem e, portanto, há possibilidade que existam e que não existam. Ora, é impossível que os seres de tal condição tenham existido sempre, porque o que é possível não existir houve tempo em que não existiu. Se, pois,todas as coisas têm a possibilidade de não existir, então houve tempo em que nenhuma existia. Porém, se isto é verdade, também não deveria existir agora coisa alguma, porque o que não existe não começa a existir senão em virtude do que já existe e, portanto, se nada existia, foi impossível que alguma coisa começasse a existir e, por conseguinte, agora nada existiria, o que é, evidentemente, falso. Logo, nem todos os seres são possíveis ou contingentes, mas entre eles tem de haver algum necessário. Ora, o ser necessário ou tem a razão da sua necessidade em si mesmo ou não a tem. Se a sua necessidade depende de outro, como não é possível, conforme já vimos acerca das causas eficientes, admitir uma série indefinida de coisas necessárias, é indispensável que exista algo que seja necessário por si mesmo e que não tenha fora de si a causa da sua necessidade ao qual todos chamam Deus.

A quarta via considera os graus de perfeição que encontramos nos seres. Vemos nos seres que uns são mais ou menos bons, verdadeiros e nobres que a outros, e o mesmo sucede com as diversas qualidades. Porém, o mais e o menos atribuem-se às coisas conforme a sua diversa proximidade relativamente ao máximo, e por isso se chama o mais quente ao que se aproxima mais do máximo calor. Portanto deve existir algo que seja nobilíssimo e ótimo, e, portanto o, ser supremo; pois, como diz o Filósofo, o que é a verdade máxima é a máxima entidade. Ora, o máximo em qualquer gênero é causa de tudo o que naquele gênero existe, e assim o fogo que tem o máximo calor e a causa do calor de todas as coisas quentes, conforme diz Aristóteles. Existe, por conseguinte, algo que é para todas as coisas causa do seu ser; da sua bondade e de todas as suas perfeições, a que chamamos Deus.

A quinta via toma-se do governo do mundo. Vemos que, com efeito, as coisas que carecem do conhecimento, como os corpos naturais, agem para um fim, como se prova pelo facto de sempre ou quase sempre agirem da mesma maneira para conseguirem o que lhes é mais conveniente; donde claramente se vê que não se orientam para o seu fim ao acaso mas intencionalmente. Ora, o que é desprovido de conhecimento não tende para o seu fim se não for dirigido por algum que entenda e conheça, como o arqueiro dirige a flecha. Logo, existe um ser inteligente que dirige todas as coisas naturais para o seu fim, ao qual chamamos Deus

Aquino, S. Tomás de, Suma Teológica.
Disponível em Rotas Filosóficas
Compartilhe no Google Plus

Sobre Portal do Vestibulando

O objetivo do site é fornecer material didático a todas as pessoas que buscam ampliar seus conhecimentos, vestibulandos ou não. Assim, caso você precise de algum material específico, entre em contato conosco para que possamos disponibilizá-lo!